segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Jesus nasceu no dia 25 de dezembro??


Há quase 2 milênios o Natal é celebrado como festa cristã que remete ao nascimento de Jesus Cristo, e, portanto, à encarnação de Deus para salvação dos homens. Nessa data geralmente lembramos da narrativa bíblica, tão descritiva, sobre a chegada ao mundo do Salvador, tão humilde e tão gloriosa. 

Aqueles que celebram o Natal devem reconhecer que a bíblia não nos traz qualquer ordenança quanto à celebração ou lembrança desse evento nessa data específica, logo, isso se torna algo de cunho pessoal e não um dever da Igreja, muito menos uma obrigação litúrgica. Por outro lado, não estão proibidos de lembrar e celebrar o nascimento de Cristo, de reunir familiares e terem bons momentos nessa data, ainda que o possam fazer em qualquer outra data.

O dia 25 de dezembro foi adotado como o dia do nascimento de Cristo, principalmente por causa da Tradição Cristã, mas será que é possível sabermos quando, de fato, Cristo nasceu??

A proposta desse texto é levantar as objeções mais comuns ao nascimento de Jesus ter ocorrido em 25 de dezembro e alguns argumentos contrários a elas, e apresentar ao término minha opinião a respeito.



Observação: A maior parte do texto a seguir foi obtida a partir da livre tradução de parte do artigo "Yes, Christ Was Really Born on December 25: Here’s a Defense of the Traditional Date for Christmas".



O Natal no lugar da Saturnália e do "Sol Invicto"


Uma alegação comum é que 25 de dezembro foi escolhido para substituir o festival pagão romano da Saturnália, que era um popular festival que celebrava o solstício de inverno.
Ainda que, de fato, a data do solstício fosse 22 de dezembro, suas celebrações começavam no dia 17 e se estendiam até o dia 23. Sendo assim a alegação não é consistente, por a celebração terminava antes do dia 25.

Outra alegação diz respeito ao culto do Sol Invicto. O imperador Aureliano introduziu o culto do Sol Invictus ("Sol Invicto") em Roma em 274 dC. Aureliano encontrou força política com este culto, porque seu próprio nome Aureliano deriva da palavra latina aurora denotando "nascer do sol". Moedas revelam que o imperador Aureliano se chamava o Pontifex Solis ou "Pontífice do Sol". Assim, Aureliano simplesmente acomodou um culto solar genérico e identificou seu nome com ele no final do terceiro século.
O mais importante nessa consideração é que não há registro histórico para uma celebração Natalis Sol Invictus em 25 de dezembro anterior a 354 dC. Em um manuscrito do ano 354 dC, há uma anotação para 25 de dezembro “N INVICTI CM XXX”. "Natividade". INVICTI significa "do Invicto". CM significa "circenses missus" ou "jogos ordenados". O numeral romano XXX é igual a trinta. Assim, a inscrição significa que trinta jogos foram encomendados para a natividade do Indomado para 25 de dezembro. Note que a palavra "sol" não está presente. Além disso, o mesmo códice também lista “natus Christus in Betleem Iudeae” para o dia 25 de dezembro. A frase é traduzida como “nascimento de Cristo em Belém da Judéia”. [I]
A data de 25 de dezembro só se tornou o "Aniversário do Sol Invicto" sob o Imperador Juliano, o Apóstata. Ele havia sido cristão, mas havia apostatado e retornado ao paganismo romano. A história revela que foi o odioso imperador ex-cristão que ergueu um feriado pagão em 25 de dezembro. Pense nisso por um momento. O que ele estava tentando substituir?
Esses fatos históricos revelam que o Sol Invicto não era provavelmente uma divindade popular no Império Romano. O povo romano não precisou ser desabituado de um feriado antigo. Além disso, a tradição de uma celebração de 25 de dezembro não encontra um lugar no calendário romano até depois da cristianização de Roma

O feriado do “Aniversário do Sol Invicto” era pouco tradicional e dificilmente popular. Saturnália (mencionado acima) era muito mais popular, tradicional e divertido. Parece, ao contrário, que o imperador apóstata Juliano tentou introduzir um feriado pagão para substituir o cristão!


Os pastores não se reúnem durante o inverno, logo, Cristo não nasceu no inverno.


Outra objeção popular afirma que Cristo não poderia ter nascido em dezembro pois o evangelho segundo Lucas descreve pastores pastoreando nos campos vizinhos de Belém.

Neste caso é importante lembrar que Belém situa-se na latitude de 31,7. Tomando o exemplo da cidade de Dalas (no Texas), que tem latitude de 32,8, observa-se que ainda é bastante confortável em dezembro. Cornélio à Lapide (1567 - 1637) observou que ainda se podia ver pastores e ovelhas nos campos da Itália durante o final de dezembro, e a Itália está em latitude mais alta do que Belém.


A bíblia não dá base para identificarmos a data do nascimento de Cristo


Diferentemente do que se supõe, a Sagrada Escritura nos dá ao menos pistas sobre a data do nascimento de Cristo. Para chegarmos a essa data, o primeiro passo é usar as Escrituras para determinar o aniversário de São João Batista e o próximo é usar o aniversário de São João Batista como a chave para encontrar o aniversário de Cristo.
Podemos descobrir que Cristo nasceu no final de dezembro, observando primeiro a época do ano em que São Lucas descreve São Zacarias no templo. Isso nos fornece a data aproximada da concepção de São João Batista. De lá, podemos seguir a cronologia que São Lucas dá, e isso nos acolhe no final de dezembro.

Lucas relata que Zacarias (pai de João) serviu no “turno de Abias” (Lucas 1:5), que a Escritura registra como o oitavo turno entre os vinte e quatro turnos sacerdotais (Neemias 12:17). Cada turno de sacerdotes servia uma semana no templo duas vezes por ano. O curso de Abias serviu durante a oitava semana e a trigésima segunda semana no ciclo anual. [II] No entanto, quando começou o ciclo de turnos?
Josef Heinrich Friedlieb estabeleceu convincentemente que o primeiro turno sacerdotal de Joiaribe estava em vigor durante a destruição de Jerusalém no nono dia do mês judaico de Av. [III] Assim, o curso sacerdotal de Joiaribe estava em serviço durante a segunda semana de Av. Conseqüentemente, o turno sacerdotal de Abias (o turno de Zacarias) estava servindo indubitavelmente durante a segunda semana do mês judaico de Tishri - a mesma semana do Dia da Expiação no décimo dia de Tishri. Em nosso calendário, o Dia da Expiação aconteceria de 22 de setembro a 8 de outubro.
Zacarias e Isabel conceberam João Batista imediatamente depois que Zacarias cumpriu seu turno. Isto implica que São João Batista teria sido concebido em algum lugar por volta do final de setembro, colocando o nascimento de João no final de junho, confirmando a celebração da Igreja Católica da Natividade de São João Batista em 24 de junho.

O resto da conta é bastante simples. Nós lemos que logo após a Maria conceber Cristo, ela foi visitar sua prima Isabel, que estava grávida de seis meses de João Batista. Isto significa que João Batista era seis meses mais velho que nosso Senhor Jesus Cristo (Lucas 1:24-27,36). Se você acrescentar seis meses a 24 de junho, terá 24 ou 25 de dezembro como o aniversário de Cristo. Então, se você subtrair nove meses de 25 de dezembro, verá que a Anunciação foi em 25 de março. Todas essas datas combinam perfeitamente com aquelas propostas pela Tradição Cristã e adotada pela ICAR (Igreja Católica Apostólica Romana). Então, se João Batista foi concebido logo após o Dia da Expiação, o nascimento de Cristo seria aproximadamente no dia 25 de dezembro.


A Tradição cristã e o Natal


Conforme vimos anteriormente, é possível adotarmos a data aproximada de 25 de dezembro (principalmente o mês) como aquela em que Cristo nasceu, olhando para as Escrituras, porém sem plena convicção.

A adoção da data no calendário litúrgico não pode ser confirmada pelo "Sola Scriptura", ou seja, não pode portanto ser observada trazendo qualquer obrigação sobre os cristãos. E curiosamente, as Escrituras não se preocupam em revelar com detalhes essa data, mesmo que muitas testemunhas pudessem trazer essa informação para os escritores.

Desta forma, se o Natal é celebrado nessa data, isso se dá pela Tradição Cristã, quando teólogos e a igreja católica romana passam a assumir informação extra-bíblicas como base. A partir disso, afirmando que essas informações tenham se disseminado por tradição oral com fontes como a própria Maria (mãe de Jesus), sugere-se então que a data exata de nascimento (25 de dezembro) e a hora (meia-noite) já seriam conhecidas no primeiro século.

Um testemunho adicional revela que os Pais da Igreja declararam o dia 25 de dezembro como o aniversário de Cristo antes da conversão de Constantino e do Império Romano. O registro mais antigo disso é que Telésforo (papa que vigorou de 126-127) instituiu a tradição da Missa da meia-noite na véspera de Natal. Embora o Liber Pontificalis não nos dê a data do Natal, supõe-se que o Papa já estava celebrando o Natal e que uma missa à meia-noite foi acrescentada. Durante esse período, lemos também as seguintes palavras de Teófilo (115-181 dC), bispo católico de Cesaréia na Palestina: “Devemos celebrar o aniversário de Nosso Senhor em que dia 25 de dezembro acontecerá”. [IV]
Pouco depois, no segundo século, São Hipólito (170-240 d.C.) escreveu de passagem que o nascimento de Cristo ocorreu em 25 de dezembro:
O Primeiro Advento de Nosso Senhor em carne e osso ocorreu quando Ele nasceu em Belém, era 25 de dezembro, uma quarta-feira, enquanto Augusto estava em seu quadragésimo segundo ano, que é cinco mil e quinhentos anos desde Adão. Ele sofreu no trigésimo terceiro ano, 25 de março, sexta-feira, o décimo oitavo ano de Tibério César, enquanto Rufus e Roubellion eram cônsules [V].
Observe também na citação acima o significado especial de 25 de março, que marca a morte de Cristo (assumiu-se que 25 de março correspondia ao mês hebraico 14 de nisã - a data tradicional da crucificação). [VI] Crê-se que Cristo, como o homem perfeito, tenha sido concebido e morrido no mesmo dia - 25 de março. Em seu Chronicon, Hipólito afirma que a Terra foi criada em 25 de março de 5500 a.C.. Assim, 25 de março foi identificado pelos Pais da Igreja como a data de criação do universo, como a data da Anunciação e da Encarnação de Cristo, e também como a data da morte de Cristo, nosso Salvador.

Na Igreja Síria, 25 de março ou a Festa da Anunciação foi considerada uma das festas mais importantes do ano inteiro. Denotou o dia em que Deus se instalou no ventre da Virgem. De fato, se a Anunciação e a Sexta-Feira Santa entraram em conflito no calendário, a Anunciação prevaleceu, tamanha sua importância na tradição síria.

Santo Agostinho confirma esta tradição de 25 de março como a concepção messiânica e 25 de dezembro como seu nascimento:
Acredita-se que Cristo tenha sido concebido no dia 25 de março, dia em que também sofreu; assim, o ventre da Virgem, em que Ele foi concebido, onde nenhum dos mortais foi gerado, corresponde à nova sepultura em que Ele foi enterrado, onde nunca foi colocado homem, nem antes dele nem desde então. Mas Ele nasceu, segundo a tradição, no dia 25 de dezembro. [VII]
Por volta de 400 d.C., Santo Agostinho também observou como os donatistas cismáticos comemoravam o dia 25 de dezembro como o nascimento de Cristo, mas que os cismáticos se recusaram a celebrar a Epifania em 6 de janeiro, pois consideravam a Epifania como uma nova festa sem base na Tradição Apostólica. O cisma donatista originou-se em 311 d.C., o que pode indicar que a Igreja latina estava celebrando o Natal em 25 de dezembro (mas não uma epifania de 6 em janeiro) antes de 311 d.C. Seja qual for o caso, a celebração litúrgica do nascimento de Cristo foi comemorada em Roma em 25 de dezembro muito antes do cristianismo se tornar legalizado e muito antes de nosso registro mais antigo de uma festa pagã para o aniversário do Sol Invicto. Por estas razões, é possível sustentar que Cristo nasceu em 25 de dezembro em 1 a.C. e que Ele morreu e ressuscitou em março de 33 d.C..


CONCLUSÃO:


Conforme mencionado já no início, a proposta desse texto era demonstrar que há boas respostas às principais alegações contra a celebração do nascimento de Jesus em 25 de dezembro. Porém, conforme espero ter deixado claro, não há como concluirmos a data exata olhando apenas para as Escrituras, mesmo que esta nos dê pistas da data aproximada.
Como cristão reformado, aponto que isso basta para que qualquer cristão possa se negar a reconhecer essa data, e pela ausência bíblica de ordenança de celebração, ninguém pode ser obrigado a isso nem cobrado por não fazer.
Ainda assim, vale a pena notar que a tradição de celebração vem dos primeiros séculos depois do nascimento de Cristo, e célebres teólogos acreditavam nessa data como fato.
Repito, para que não restem dúvidas, que não há obrigatoriedade e nem base para se afirmar que a data é essa mesmo, mas que esses relatos históricos sejam úteis para derrubar as alegações falsas quando elas vierem dos inimigos de Cristo.




[I] The Chronography of AD 354. Part 12: Commemorations of the Martyrs.  MGH Chronica Minora I (1892), pp. 71-2.

[II] Supõe-se dois turnos de Abias. Esta teoria só funciona se Zacarias e Isabel conceberam João Batista após o segundo turno de Zacarias - o turno em setembro. Se Lucas se refere ao primeiro turno, isto então colocaria o nascimento de João Batista no final do outono e o nascimento de Cristo no final da primavera. No entanto, acho que a tradição e o Proto evangelium confirmam que o Batista foi concebido no final de setembro.

[III] Josef Heinrich Friedlieb’s Leben J. Christi des Erlösers. Münster, 1887, p. 312.

[IV] Magdeburgenses, Cent. 2. c. 6. Hospinian,De origine Festorum Chirstianorum.

[V] Saint Hippolytus of Rome, Commentary on Daniel.

[VI]  Há alguma discrepância entre os Pais entre 14 de Nisan 14/25 de Março como data da morte de Cristo ou Sua ressurreição.

[VII] Saint Augustine, De trinitate, 4, 5.


Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...