sexta-feira, 15 de outubro de 2010

O caramujo e a eleição divina



Outro dia (se não me engano foi na semana passada), estava eu em casa à tarde e fui lavar a louça, quando notei no chão um caramujo..

Obs.: Ao pesquisar, percebi que usam-se os termos "caramujo" para os moluscos gastrópodes aquáticos e "caracol" para os moluscos gastrópodes terrestres, então por essa definição o que vi foi um caracol, mas vou usar o termo "caramujo", blz?

Na verdade eu já tinha o visto antes de seus passeios no chão dos fundos de casa, mas nesse momento eu realmente atentei para sua presença ali no chão da cozinha..

Quando comecei a lavar a louça, dei uma olhada no bicho e percebi o "sofrimento" desse cara... Eu não saberia descrever quais eram suas cores, o tamanho ou "detalhes físicos", mas percebi umas coisas: 

Olha só:

- Esteticamente falando, é um bicho rejeitado, considerado asqueroso;

- É extremamente sensível, sendo que o simples contato com cloreto de sódio (sal ¬¬) é capaz de desintegrar seu frágil organismo;

- Sua locomoção é lentíssima....



Em alguns momentos eu deixei a cozinha pra ver outras coisas, aí quando voltava minutos depois, encontrava o bicho praticamente no mesmo lugar, mesmo com tanto esforço empregado pelo bicho para se mover e ainda carregar sua casa consigo..

Cada "passo" do caramujo podia ser definido em 2 atos, onde no 1º o corpo dele avançava um trecho curto e no 2º puxava sua casa até o ponto do avanço.. 

Isso porque seus "pés" ficam quase que na mesma posição da cabeça, então é como se no 1º passo ele desse um impulso pra poder puxar sua casa em seguida..

Esse "apego" à casa também me chamou a atenção, já que essa "casca" onde o caramujo muitas vezes se esconde pode ser considerada bastante frágil por qualquer um de nós, mas acaba sendo para o caramujo uma das poucas formas de se proteger em seu habitat...

De qualquer forma, analisando a trajetória dessa criatura, eu fiquei pensando: "E se eu fosse um caramujo"?

Olhando para a "força de vontade" do caramujo e pensando nas diversas restrições que o ambiente e sua própria natureza o limitam, primeiramente eu fiquei grato a Deus por ser homem, "coroa da Criação", mas também percebi que alguma coisa eu deveria tomar de lição com a sofrida vida do caramujo..

Ao me atentar para o caramujo, consegui captar muitas limitações que tantas outras criaturas como nós não têm, e aí me perguntei: "Deus foi injusto com o caramujo?"

Analisando a Criação divina, percebemos que cada criatura tem sua função no sistema, sendo que nada foi feito por acaso e nem pelo acaso obviamente..

Sejam as plantas, os animais irracionais ou mesmo os humanos, todos nós enquanto criaturas temos habilidades e limitações diferentes, e certamente que nossa própria existência faz parte do projeto divino traçado na eternidade..

Então, entrando finalmente no ramo da "eleição", nós criaturas podemos ou devemos questionar o propósito de Deus? Podemos/devemos reclamar de nossas limitações? Podemos/devemos rejeitar o plano de Deus pra nós?


Se Deus planejou e executa tudo dessa forma, elegendo funções a cada criatura, então me queixar desse plano não é uma falta grave??

Se um caramujo segue sua rotina, não deveria ser assim comigo também? Ou o fato de ser um "ser racional" me dá o direito de reivindicar "menos limites"?


Só sei que fico grato por tudo que Deus fez, faz e fará, tanto na minha vida como em relação a toda a Criação..


Fico satisfeito em saber que sou só uma engrenagem nesse complexo sistema, que trabalha com o cuidado de Deus e atinge o Seu propósito..


"Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado POR ELE e PARA ELE."  
(Colossenses 1 : 16)


AMÉM!



Viajei demais na minha alusão?? rs

Leandro de F. Mendes disse...

E afinal de contas...o que aconteceu com o pobre caracol?

Barrabás disse...

Então, teve uma hora que meu pai entrou na cozinha, viu ele lá e o colocou pra fora.. Aí não vi mais depois..

Juliana disse...

Fernando, como era o nome daquelea gosminha com açucar que comi na sua casa aquele dia mesmo?

Barrabás disse...

Num sei, Juliana.. Só sei que não vi mais o caramujo/caracol

:(

Thiago Ibrahim disse...

Muito bom, Frezza!

Temos mesmo que viajar, pois é possível enxergar a mão e a vontade de Deus em tudo o que se vê.

Continue a compartilhar as suas experiências, cara.

Abraço!

Barrabás disse...

Valeu Thiago!!

Realmente, tudo só acontece porque Ele assim determina..

Abraço!

matheus ferrari disse...

Caro amigo,
Viajar deve ser a mais extraordinária experiência do ser humano. Sendo assim posso não ter certeza do que acabei de afirmar. Portanto acha que devemos nos questionar sobre as coisas que estão a nossa volta, sempre. Há alguns dias atrás tentei enxergar as qualidades de um caramujo, por isso cheguei nesse post. O motivo não vem ao caso, era pra um trabalho. Dentre o que enxerguei, eu penso que mesmo sendo ele um ser irracional, sua postura é parecida com a de quando você parou para observá-lo. Veja sua reflexão foi feita em um momento que você estava parado e pensativo. E é essa imagem que eu tenho do caramujo: lento e reflexivo. Devido as correrias do dia-a-dia, á vezes paramos de olhar as coisas ao nosso redor. O que não aconteceria com o caramujo, pois ele não pode correr. Nem todos desenvolvem sua percepção e reflexão da mesma maneira. Mas vendo por esse ponto, acho que ás vezes temos ser um pouco "caramujo"; parar, pensar, mais acima de tudo, agradecer pela bêncâo que nos foi e é concebida todos os dias.
AMÉM!

Barrabás disse...

Legal seu comentário, Matheus, agradeço!!
A gente deveria mesmo aproveitar nossas tantas habilidades com mais sabedoria..

Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...