segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Se Deus já tem tudo determinado por que orar? (por Clóvis Gonçalves)

Extraido de: Cinco Solas





Se Deus já tem tudo determinado por que orar?

"E esta é a confiança que temos para com ele: que, se pedirmos alguma coisa segundo a sua vontade, ele nos ouve" 1Jo 5:14


A pergunta acima foi feita por uma irmã amada, cristã fiel e sincera para com Deus. É legítima e merece a melhor resposta que puder ser dada, de acordo com o ensino claro das Escrituras Sagradas. Tentarei fazer isso, embora talvez não seja a pessoa mais indicada para a tarefa.

Examinemos em primeiro lugar a premissa. Será que todas as coisas estão previamente determinadas por Deus ou o futuro é uma realidade aberta? Se nem todas as coisas ou coisa nenhuma estiverem eternamente fixadas, então não há problema a ser resolvido quanto ao sentido da oração. Há, porém, duas possibilidades: contigência e certeza. Num universo contingente, os acontecimentos não estão previamente determinados e tudo pode acontecer ou não. No extremo dessa posição estão os modernos neoteístas, que afirmam que o futuro não existe, mas é uma realidade a ser construída e nós somos os arquitetos e construtores. Como o futuro não existe e todas as ações livres podem vir ou não a acontecer, nem Deus pode conhecer o futuro. Porém, a maioria dos arminianos coloca-se numa posição intermediária, advogando uma providência geral, onde nem tudo está determinado, apenas o que Deus decidiu determinar. Os calvinistas, por sua vez, são deterministas. Confessam que "Desde toda eternidade, Deus, pelo muito e sábio conselho da sua própria vontade ordenou livre e inalteravelmente tudo o que acontece..." (CFW, III, 1).

A certeza de todos os eventos é uma implicação lógica da onisciência. Se o conhecimento de Deus é infinito e infalível, então desde toda eternidade Ele sabe tudo o que vai acontecer. Não é mera previsão baseada na suposição do tipo "se tais e tais condições ocorrerem, então tal evento também ocorrerá". O conhecimento de Deus é perfeito e exaustivo. Ora, tal conhecimento obrigatoriamente causa a futurição de todos os eventos. Então, se Deus desde a eternidade sabia qual seria a resposta que daria à oração, essa e somente essa poderá ser a resposta. Porém, embora reconheçam a implicação lógica da onisciência divina, que por si só elimina a possibilidade de um universo contingente, os calvinistas não atribuem a determinação de todas às coisas à presciência divina. Ressaltam que "Ainda que Deus saiba tudo o que pode e há de acontecer em todas as circunstâncias imagináveis, Ele não decreta coisa alguma por have-la previsto como futura..." (CFW, III, 2).

Quando a CFW diz que Deus decreta tudo o que acontece, diz que Ele fez isso livremente, de acordo com o conselho de Sua vontade. Portanto, a determinação divina precede o seu conhecimento perfeito, o que é uma questão de lógica. Para que algo seja conhecido, precisa antes existir, se não de fato, pelo menos na mente de quem o antevê. Portanto, a ordem lógica (não cronológica) é a determinação seguida da presciência. Deus vê o que determinou que faria.

Mas essa não é uma doutrina baseada na lógica, pois a Bíblia ensina a determinação divina, afirmando ela é eterna. Deus diz "desde o princípio anuncio o que há de acontecer e desde a antiguidade, as coisas que ainda não sucederam; que digo: o meu conselho permanecerá de pé, farei toda a minha vontade; que chamo a ave de rapina desde o Oriente e de uma terra longínqua, o homem do meu conselho. Eu o disse, eu também o cumprirei; tomei este propósito, também o executarei" (Is 46:10-11). A determinação divina é desde "antes dos tempos eternos" (2Tm 1:9), pois"desde os dias antigos o tinha determinado" (Is 37:26); e permanece inalterada através do séculos, conforme declara o salmista: "o conselho do Senhor dura para sempre; os desígnios do seu coração, por todas as gerações" (Sl 33:11). A determinação divina inclui todas os eventos, mesmo os chamados eventos fortuitos. Assim, a Bíblia diz que "a sorte se lança no regaço, mas do Senhor procede toda decisão" (Pv 16:33). Essa verdade ficou bem clara no caso de Jonas (Jn 1:7) e Matias (At 1:24-26). Quando "um homem entesou o arco e, atirando ao acaso, feriu o rei de Israel por entre as juntas da sua armadura" (1Rs 22:34) foi porque Deus havia determinado que a flecha, "casualmente", acertaria o alvo. Estão incluídos na determinação divina cada dia de todas pessoa:"Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livro foram escritos todos os meus dias, cada um deles escrito e determinado, quando nem um deles havia ainda" (Sl 139:16).

Nós tendemos a atribuir a Deus as coisas boas que acontecem, livrando-o do constrangimento pelas coisas más. Porém, o mesmo Senhor diz "Eu formo a luz e crio as trevas; faço a paz e crio o mal; eu, o Senhor, faço todas estas coisas" (Is 45:7). Paulo em Romanos escreve "porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém!" (Rm 11:36). Jesus foi "entregue pelo determinado desígnio e presciência de Deus" (At 2:23) para os homens "fazerem tudo o que a tua mão e o teu propósito predeterminaram" (At 4:28). Portanto, quando perguntamos o que está incluído na determinação divina, a resposta bíblica é "todas as coisas" (Rm 8:28; 11:36).

Pelo exposto até agora, sabemos que não podemos negar a certeza de todos os eventos pela determinação divina. Resta então responder a pergunta propriamente dita: por que orar?

Em primeiro lugar, note-se que não há contradição entre determinação e oração. A oração somente estaria em oposição à determinação divina se o objetivo dela fosse alterar os propósitos de Deus. Porém, o conselho do Senhor referente a todas as coisas é infinitamente sábio e bom, portanto jamais necessita ser mudado. Seria atrevimento blasfemo pensar que Deus intenta fazer algo mas nós, por sabermos o que é melhor, o persuadimos através da oração a mudar a executação de sua vontade perfeita. Além disso, o designio do Senhor é eterno e imutável e mesmo que o homem quisesse não poderia impedir ou alterar o que Deus determinou. Sendo assim, não há nenhuma contradição entre a oração confiante e a certeza de que todas as coisas estão preordenadas por Deus. Mesmo assim, por que orar?

Não oramos para informar a Deus de nossas necessidades, Ele já as sabe todas. Tampouco queremos convencê-lo a nos dar a sua bênção, pois isso Ele quer, e quando não recebemos é porque Ele nos abençoou negando o que resultaria em mal para nós. Também não oramos para manipular leis espirituais estabelecidas em nosso favor. Qualquer uma dessas motivações é falsa e antibíblica.

Seria uma resposta suficiente para os crentes obedientes dizer que oramos porque Deus nos ordenou a orar. Por que Deus disse "Orai sem cessar" (1Ts 5:17) temos "o dever de orar sempre e nunca esmorecer" (Lc 18:1). Mas podemos acrescentar algo mais a essa resposta. Primeiro que a certeza do decreto divino não tira o significado da oração. Deus disse que faria chover, mesmo assim Elias orou por chuva. Daniel sabia que Deus tinha determinado 70 anos de cativeiro, ao fim dos quais o povo poderia voltar à terra de Israel, mesmo assim orou a respeito. Através de Jeremias Deus disse a Israel que lhes daria o fim que desejavam, e em seguida ordenou que o invocassem. Jesus sabia que Lázaro iria ressuscitar, ainda assim pediu ao Pai. Ele também sabia que nenhum de seus escolhidos se perderia, mas orou para que Deus os guardasse. A certeza é um estímulo e não desencorajamento à oração. Em segundo lugar, é da vontade de Deus que seus propósitos se realizem pelos meios por Ele determinados, e a oração é um deles. Assim, havendo promessa divina, podemos pedí-la com fé, crendo que somos partícipes da realização do plano de Deus na terra. Finalmente, devemos reconhecer que não sabemos orar como convém e que dependemos do Espírito Santo para orar de forma eficaz. Isso porque ao orar não devemos ter a presunção de conformar a ação de Deus à nossa vontade, e sim nos entregarmos ao Espírito Santo para que nossa oração reflita a vontade divina em nossa vida. "Faça-se a Tua vontade" (Mt 6:10; 26:42) foi a oração ensinada e feita por Jesus.

Em conclusão, gostaria ainda de afirmar que a oração tem objetivos que vão além de atender as nossas necessidades neste mundo. Através dela honramos a Deus, adoramos a Ele e reconhecemos a nossa dependência em tudo. Além disso, desfrutamos de uma comunhão e intimidade com Deus que nenhuma bênção recebida neste mundo é comparável. Portanto, afirmemos a soberania de Deus sobre todas as coisas e oremos confiantes de que "todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito" (Rm 8:28).

Soli Deo Gloria



Extraido de: Cinco Solas

Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...