sábado, 16 de fevereiro de 2013

Heresias Relacionadas à Natureza de Jesus (por J. Warner Wallace)

Os crentes também têm lutado para entender a natureza de Jesus. A Bíblia descreve-O como tendo todo o poder de Deus, e o Evangelho de João nos diz que Ele existia antes que o universo começou (Ele é, de fato, o CRIADOR do universo). Ao mesmo tempo, vemos na Bíblia que Jesus era completamente humano e morreu na cruz. Aqui estão algumas más interpretações clássicas e históricas sobre a natureza de Jesus, o Deus-Homem, totalmente divino e totalmente humano:

Ebionismo (1º Século)

Os ebionitas não aceitavam a cristologia ortodoxa, pois rejeitavam completamente a divindade de Cristo, colocando-o no mesmo nível dos demais profetas do Antigo Testamento. Para eles, Cristo e nada mais era do que o novo Moisés. Negavam sua preexistência, sua encarnação e seu nascimento virginal. No conceito ebionita, embora Jesus fosse o Messias, era puramente humano. Somente no batismo Jesus foi ungido como Messias, ou seja, adotado como Filho de Deus. Em sua opinião, Jesus era um judeu fiel, piedoso, profeta e mestre inigualável.
Líder(es) nesta heresia: 
  • Diz-se ser Ebion, um líder da comunidade judaica no período de 70 d.C.
Corretor(es) desta heresia:
  • Pode-se dizer que os apóstolos foram os primeiros a combater as práticas judaizantes na Igreja (principalmente Paulo), assim como a afirmar as naturezas divina e humana de Jesus Cristo

Adocionismo (2º Século)

Esta heresia nega a pré-existência de Cristo e, portanto, nega a Sua divindade. Esta ensina que Jesus era simplesmente um homem que foi testado por Deus e depois que passou no teste. Ele recebeu poderes sobrenaturais e adotado como filho (isto aconteceu em Seu batismo). Jesus foi então recompensado por tudo o que Ele fez (e por Seu caráter perfeito) com a Sua própria ressurreição e adoção na Trindade.

Líder(es) nesta heresia: 
  • Teodoro da Bizantina
Corretor(es) desta heresia:
  • Papa Victor (190-198 AD)

Docetismo (2º Século)

Esta heresia é cunhado da palavra grega “dokesis”, que significa “parecer”. Esta ensinava que Jesus apenas parecia ter um corpo e não era encarnado. Os docetistas viam a matéria como inerentemente má, e, portanto, não queria acreditar que Deus poderia realmente aparecer em forma corpórea. Ao negar que Jesus realmente não tinha um corpo, eles também negaram que Ele sofreu na cruz e ressuscitou dos mortos.

Líder(es) desta heresia: 
  • Atribuído aos gnósticos e promovido pelo Evangelho de Pedro (apócrifo)
Corretor(es) da heresia:
  • Ignatius de Antíoca, Irenaeus, e Hippolytus refutaram-na. Esta heresia foi condenada no Conselho de Calcedon em 451 AD.

Apolinarianismo (4º Século)

Esta heresia negava a humanidade verdadeira e completa de Jesus porque esta ensinava que Ele não tinha uma mente humana, mas, em vez disto, tinha uma mente que era completamente divina. A heresia diminuída a natureza humana de Jesus a fim de conciliar a maneira pela qual Jesus podia ser Deus e homem ao mesmo tempo.

Líder(es) desta heresia:
  • Appollinaris, o Mais Novo (bispo da Laodicéia na Síria), 360 AD
Corretor(es) desta heresia:
  • O Conselho de Constantinopla em 381 AD.

Arianismo (4º Século)

Esta heresia ensinava que Jesus era uma “criatura” que foi “gerada” do Pai. Só Deus o Pai é “não-gerado”. Nesta perspectiva, só o Pai é verdadeiramente Deus. Ele era muito puro e perfeito para aparecer aqui na terra, então Ele criou o Filho como Sua primeira criação. O filho, então, criou o universo. Deus, então, adotou Jesus como filho (porque, afinal de contas, Jesus e Deus não são suposto ter a mesma natureza neste ponto de vista). Jesus é adorado apenas por causa de Sua proeminência como a primeira criação.

Líder(es) desta heresia:
  • Arius de Alexandria, Egito (250-336 AD)
Corretor(es) desta heresia:
  • O Concelho de Niceia em 325 AD. O Credo de Niceia foi escrito para responder a esta heresia.

Nestorianismo (5º Século)

Esta heresia ensinava que Maria somente deu à luz a natureza humana de Jesus. O fundador desta heresia, Nestório, nem queria que Maria fosse chamada de “Mãe de Deus”, mas ao invés, queria que ela fosse chamada de “Mãe de Cristo”. Em essência, a heresia sustentava que Jesus era, na verdade, duas pessoas distintas, e somente o Jesus humano estava no ventre de Maria. Se isto fosse verdade, então Jesus não era Deus encarnado quando estava no ventre.


Líder(es) desta heresia:
  • Nestório de Antioquia (Bispo de Constantinopla em 428 AD)

Corretor(es) desta heresia: 
  • O Conselho de Efésios em 431 AD


Eutiquianismo [monofisitismo] (5º Século)

Esta heresia ensinava que a humanidade de Jesus foi absorvida pela Sua divindade. Esta heresia é naturalmente Monofisita, derivado das palavras gregas “mono” (“um”) e “physis” (“natureza”). Em essência, esta heresia afirmava que Jesus tinha apenas UMA natureza e era algo novo e diferente do que a natureza divina ou humana que Deus e os seres humanos têm (respectivamente). Em vez disto, esta heresia ensinava que uma TERCEIRA natureza estava possuída por Jesus e esta natureza era algo nova e única; uma combinação ou mistura daquilo que é humano e divino.

Líder(es) desta heresia:
  • Eutiques de Constantinopla (380 – 456 AD)
Corretor(es) desta heresia: 
  • O Quarto Concelho Ecumênico na Calcedônia em 451 AD. O Credo de Calcedônia aborda esta heresia.

Monotelitismo (7º Século)

Esta heresia, na verdade, surgiu em resposta à heresia monofisita (veja acima), mas também ensinou algo que é negado pela Escritura. O nome é derivado de uma raiz grega que significa “uma vontade”, e o Monotelismo ensinava que Jesus tinha duas naturezas, mas apenas uma vontade. Em vez de ter duas vontades cooperativas (uma divina e uma humana), Jesus tinha uma “energia” divino-humana.

Líder(es) desta heresia:
  • Patriarca Sergius I de Constantinopla (610 – 638 AD)
Corretor(es) desta heresia:
  • O Terceiro Conselho de Constantinopla; o Sexto Conselho Ecumênico (680 – 681 AD)


Extraído de: 


Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...