terça-feira, 28 de maio de 2013

O Que Você Faz Quando Seu Casamento azeda? (por Jay E. Adams)


Extraído de: 



Phil e Emily não vieram para encontrar ajuda na resolução dos problemas no casamento deles, embora tenham ligado para capelão para pedir aconselhamento matrimonial. Realmente, suas mentes já estavam feitas – eles tinham decidido obter o divórcio. Todavia, eles eram Cristãos e sabiam que o divórcio era errado visto que eles não tinham fundamentos bíblicos para ele. Não tinha havido nenhum adultério, nenhuma deserção; somente “um enorme sofrimento”. “Se pudermos apenas fazê-lo concordar que continuar neste casamento é uma impossibilidade”, eles pensaram, “então talvez ele seja capaz de nos mostrar como em nosso caso Deus fará uma exceção à Sua lei”. Era assim que eles estavam raciocinando internamente quando no primeiro encontro contaram suas estórias para o Capelão Cunningham.

“Então você vê”, concluiu Emily, “não resta simplesmente nada do nosso casamento. Eu não sinto mais nada por Phil; não há nada sobre o que construir”. Phil terminou suas observações no mesmo tom: “Bem, suponho que há um bom tempo você não ouve uma estória como esta, capelão. E, embora nós não concordemos em muitas coisas, eu devo dizer que Emily está absolutamente correta quando declara que não há nada restante em nosso casamento – cada gota de amor que eu uma vez tenha sentido por ela, foi drenada”. Ambos estavam de acordo em uma decisão inquietante, sabendo profundamente que o divórcio era errado, mas certos de eles tinham dito a última palavra sobre o assunto. Depois de tudo, o que ainda poderia o capelão aconselhar se não havia mais nenhum sentimento, nenhum amor, nada mais? Eles aguardaram, esperando que ele, e não eles, pronunciaria o veredicto final: “Se nada mais resta do casamento de vocês, eu suponho que não haja mais nada que possam fazer, a não ser obter o divórcio”. Eles esperavam que, ouvindo-o expressar essas palavras ou algo parecido, de alguma maneira removeriam os maus sentimentos despertados pelas suas consciências culpadas. O que eles realmente queriam era um alívio para as suas almas.

“Eu estou verdadeiramente triste de ouvir sobre seu momento difícil e do triste estado no qual vocês se encontram no presente. Eu posso entender por que vocês vieram pedir ajuda. Quando um casamento azeda e vocês descobrem que todos os seus esforços para tentar adoçá-lo novamente falham, então vocês necessitam de ajuda. Vocês dizem que não existe mais amor nem sentimento? Isto é sério. Se vocês não amam um ao outro, só há uma coisa para fazer. (“Aqui está”, eles pensam: “Ele aconselhará o divórcio.”) Vocês devem aprender como amar um ao outro”.

Aprender a amar? Eles retorquiram quase que ao mesmo tempo. “O que você quer dizer com aprender a amar?” perguntou Phil tão logo ele foi capaz de recuperar alguma compostura. “Sim”, propôs Emily, cinicamente, “Como é possível aprender isso? Você não pode produzir sentimentos a partir do nada”.

“Eu não estou falando sobre sentimentos” disse o Capelão Cunningham. “Estou falando sobre amor. Os dois não são idênticos embora Hollywood, a TV e a Playboy possam dizer o contrário. Amor não é sentimento, em primeiro lugar. Antes de tudo mais, ele é a determinação de fazer o bem para outra pessoa porque Deus assim lhe ordenou. O amor começa, portanto, com um desejo de agradar a Deus. O amor para com o outro é uma concordância de dar-lhe o que quer que seja que você tenha e ele necessite, porque você sabe que Deus quer isso de você. Onde o verdadeiro amor existe, logo em seguida o sentimento aparece.”

“Bem, certamente não é isto que eu pensei que você diria”, replicou Phil. “Nem eu”, ecoou Emily. “Na realidade”, ela continuou, “estou em dúvida sobre isso tudo; como você pode ensinar alguém a amar? E o que significa aprender a amar?”

“Deixe-me começar falando um pouco sobre o amor bíblico e como ele pode ser aprendido. Primeiro, observe que por toda a parte na Bíblia Deus nos ordena a amar. Você não pode ordenar às pessoas que tenham certos sentimentos, pode?”

“Bem...?”

“ Por exemplo, se eu der a ordem ‘Emily, se ire’, você não pode ficar irada assim, desta forma, pode?”

“ ....suponho que não.”

“ Então, ouçam estes versos na Bíblia: ‘Ame o Senhor teu Deus...Ame ao teu próximo como a ti mesmo! Aqueles são mandamentos; Deus nos ordena amar. Se amor fosse sentir primeiro, ele não poderia ser ordenado. Percebem isso?”

“ Eu penso que sim”, disse Phil. “Mas o que isso tem a ver conosco?”

“Tudo, Phil. Você vê, Deus o ordena a amar sua esposa. Ouça o que Ele escreveu através do apóstolo Paulo: ‘Maridos, amai a vossas esposas, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela’ (Efésios 5:25). Lembre-se, Cristo morreu na Cruz pela Igreja.”

“Você quer dizer que tenho que aprender como amar Emily suficientemente para estar disposto a morrer por ela?”

“Exatamente!”

“Então, esqueça isso; eu nunca poderei aprender como amá-la dessa forma.”

“Não, nós não podemos esquecer isso porque Deus o ordena. Mas talvez você possa começar em um nível inferior. A Bíblia também ordena “ame ao teu próximo – ela é a pessoa mais próxima que você tem. Você come com ela, dorme com ela...”

“Eu não poderei amá-la nem mesmo dessa forma!”

“E eu tampouco poderei amá-lo dessa forma!”

“Bem, sinto ouvir isto, mas ainda há esperança. A Bíblia também insiste sobre o amor mesmo no qual para você seria um nível menor. Deus ordena: 'Ame aos vossos inimigos'. Você vê, não há saída. Vocês devem aprender amar um ao outro; Deus ordena isso.”

“Oh não!”

“Não!”

“Sim. E, na realidade há grande esperança visto que Deus ordena amar; Ele nunca ordena algo de Seus filhos que Ele não supra tanto os meios como o poder para alcançar.”

“Oh meu Deus! Nós viemos até você para nos ajudar a encontrar uma saída deste miserável casamento e você nos prende a ele com ainda mais força. Obrigado – por nada!”

“Sim, nada.”

“Esperem, eu não terminei. Se vocês realmente querem libertar-se dessa infelicidade, eu posso ajudá-los a assim fazer. Mas vocês nunca encontrarão uma saída pela ruptura do casamento. Na realidade, vocês somente caminharão em direção a maiores aborrecimentos se tomarem esse caminho. Vocês não podem se rebelar contra Deus e esperar que a coisa vá bem: 'O caminho do transgressor é áspero'. Você nunca encontrará paz perseguindo-a, ou felicidade procurando-a ou alívio da infelicidade tentando fora disto. Estas coisas são produtos derivados que sempre enganam aqueles que as caçam. Elas vêm somente para aqueles que se focam em agradar a Deus ao invés de a si mesmos. Se vocês se arrependem do pecado que cometeram em seus corações determinando colocar um fim neste casamento e se vocês me deixarem ajudar-lhes a aprender como fazer o que Deus diz, mais rápido do que vocês tenham qualquer idéia, paz e alegria virão.


Mas permita-me tornar uma coisa clara: vocês não podem fazer o que Deus ordena simplesmente para se libertar de sua miséria; vocês devem fazer isto primeiro e antes de tudo para agradar-Lhe”.

“Bem, nós queremos agradar a Deus. Na realidade, esta é a razão por que nós viemos, porque sabemos que o que estávamos planejando era errado. Esperamos que você possa de alguma forma tornar isto correto, mas eu suponho que não seja possível”.

“Não, não é Emily. Mas eu aprecio sua honestidade em dizer o que você acabou de dizer”.

“Mas como é possível juntar novamente um casamento tão ruim como o nosso? Na verdade, nós desejamos ver isto mais do que tudo, todavia não parece ser realístico. Você não está prometendo mais do que pode cumprir, capelão?”

“Eu sei que isto pode soar irrealístico para você Phil, mas se vocês querem dizer compromisso com Deus, e fizerem o que Ele diz, eu prometo que dentre seis a oito semanas poderão ter um casamento melodioso!”

“Isso soa muito bom para ser verdade.”

“Eu sei, mas eu tenho visto isto acontecer freqüentemente para saber que é verdade. Mas, eu os advirto, isto não acontecerá através de conversas e boas resoluções somente. Deus não concorda com aparência de piedade. Ele quer ação; Ele exige mudança. Muito dessa mudança será dura; você não gostará sempre do que Deus lhe ordena fazer. Mas você deve fazer isto de qualquer forma – simplesmente porque Ele diz assim. Você não entenderá sempre por que Ele lhe ordena fazer o que Ele lhe diz, mas você deve fazê-lo de qualquer forma – simplesmente para O agradar. Há coisas concretas para fazer. E a primeira coisa é pedir o perdão de Deus, e então, perdoar um ao outro. O que vocês dizem?”

“Eu suponho que não haja outra saída....”

“Eu quero tentar; Eu nunca quis realmente desmanchar nosso casamento”.

“Bom. Agora, permitam-me deixar perfeitamente claro para vocês a dinâmica bíblica básica do amor. Amor não é primeiramente um sentimento, nós vimos. Antes, ele é primeiramente manifestado através do doar. O sentimento é auto-centrado; o amor se foca sobre outro. Atentem para isto: ‘Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nEle crer não pereça, mas tenha a vida eterna’ (João 3:16); ‘Ele me amou e se entregou a Si mesmo por mim’ (Gálatas 2:20); e lembrem-se do verso de Efésios que citei antes, o qual contém as palavras ‘....como Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela’. Em cada um destes versos vitais concernentes ao amor de Jesus Cristo, que é o modelo para todo amor entre um marido e uma esposa, o amor é ligado ao doar, nunca ao sentimento. Eis portanto por onde vocês devem começar; vocês devem aprender como dar-se.

Vocês devem dar um ao outro tudo que vocês têm que o outro necessite. Não será sempre fácil visto que vocês desenvolveram padrões de querer e esperar e demandar mais do que padrões de dar. Tudo isto terá de mudar. E vocês têm de aprender a dar, mesmo que a outra parte não seja tão amável ou cativante para com você. Lembrem-se, Jesus Cristo se deu a si mesmo pelos pecadores, pelos rebeldes, pelos inimigos. Vocês sabem que também podem, porque Ele nos ordenou a “fazer o bem” para nossos inimigos. ‘Se o seu inimigo tiver fome...dê, Ele disse. Ele não disse 'Primeiro, sinta amor para com o outro, então dê'. Não, simplesmente Ele disse 'dê'. Se nós tivéssemos que esperar até nos sentirmos entusiasmados e benevolentes para com um inimigo antes de dar-lhe algo para comer ou beber, as chances seriam que ele morreria de fome ou sede esperando. Nós temos de dar; dar-lhe o que quer que necessite – porque Deus disse assim, tenhamos ou não vontade disso”.

“Mas isto não nos faz hipócritas se fazemos coisas um para o outro quando não sentimos vontade de fazê-lo?”

“Não Emily, novamente você está pensando de acordo com uma visão de vida orientada antes pelo sentimento do que uma visão bíblica. Hipocrisia não é determinada por se você gosta de fazer algo ou não. Ao contrário do que algumas pessoas têm dito hoje, você deve fazer o que Deus lhe ordena fazer para agradá-Lo, querendo fazer ou não.

“Eu não compreendi isto capelão; me explique melhor”.

“OK, é assim. A primeira coisa que fiz esta manhã foi algo que eu não senti vontade de fazer, algo que eu não queria fazer – eu me levantei! Isto me fez um hipócrita?”

“Não, claro que não”.

“Nem te fará um hipócrita dar-se em amor ao outro mesmo quando você não sinta vontade. Eu serei um hipócrita somente quando digo a alguém que apreciei ter levantado quando, na verdade, não apreciei. Não é hipocrisia fazer o que Deus ordena contra os nossos sentimentos, contanto que não disfarcemos nossos verdadeiros motivos. A razão pela qual me levanto é porque eu sei que para ser responsável para com Deus e para com meu patrão, devo assim fazer. A razão pela qual você se dá em amor deve ser basicamente a mesma: porque você quer agradar a Deus e através disso tornar-se um marido (ou esposa) responsável aos olhos dEle. Contanto que você não atribua suas ações a falsos motivos como, ‘Estou tentando te agradar meu bem porque você significa muito para mim’, nenhuma hipocrisia está envolvida”.

“Bem, eu certamente nunca pensei sobre isto deste modo antes. Mas, você disse que devemos começar com o perdão. Suponha que eu não sinta vontade de perdoar Phil! Vale aqui o mesmo princípio?”

“Sim, agora você está começando a captar. O perdão também não é em primeiro lugar um sentimento. É fundamentalmente uma promessa. Quando você coloca sua fé em Cristo como seu Salvador, Deus prometeu não mais se lembrar de seus pecados. Isto não significa que Ele esquece; Deus nunca esquece nada. O que isto significa é que Ele nunca trará aqueles pecados para usá-los contra você novamente. Quando vocês perdoam um ao outro, portanto, vocês estão prometendo fazer três coisas sobre seus feitos errados. Você promete:


1. Não os usarei contra você no futuro.

2. Não falarei a outras pessoas sobre eles.
3. Não os guardarei comigo mesmo.

Assim como a única maneira de ter sentimentos corretos para com o outro é começar a agir corretamente para com ele, assim também o único modo de abrigar sentimentos apropriados para com o outro, e ao final até se esquecer daqueles erros que ele cometeu contra você, é guardar a tríplice promessa que você assume quando diz: 'Eu o perdôo'.

Você vê, você não tem de sentir clemência para conceder o perdão; você tem de simplesmente perdoar. Contra todos os sentimentos ao contrário, Cristo nos ordena que devemos perdoar a um irmão sete vezes em um dia se ele vier dizendo ‘Arrependo-me’ (Lucas 17:4). Isso aclara as coisas para você?”

“Ah, eu receio que sim; eu sou da opinião que isto aclara até demais! Eu apenas não penso se Emily ou eu temos o requerido para fazer estas coisas”.

“Bem, é realmente muito encorajador ouvir você dizer assim porque isto não é algo que você possa fazer com sua própria força, contudo tampouco é algo que você possa sentar esperando que Deus te dê forças para fazer antes que você o faça. Nesse mesmo capítulo do evangelho de Lucas, os discípulos replicaram às instruções de Jesus sobre o perdoar sete vezes em um dia com estas palavras: ‘Senhor, acrescenta-nos a fé’. Isto soa piedoso o bastante na superfície, mas o que isto significava era uma piedosa escusa. Jesus tratou isto com desdém. Ele retorquiu: ‘Se tivésseis fé como um grão de mostarda, diríeis a esta amoreira: Desarraiga-te daqui, e planta-te no mar; e ela vos obedeceria’. Não vê o que Ele quis dizer? Ele estava dizendo ‘Vocês não necessitam de algo mais. Até a fé que vocês possuem é suficiente para operar maravilhas se vocês somente a exercerem em obediência’. O mesmo é verdade sobre você e Emily, Phil. Você dois foram salvos. Vocês confiaram na morte e ressurreição de Cristo e conheceram o perdão dos pecados e a certeza da vida eterna. Vocês têm o mesmo Espírito habitando em vocês. É perfeitamente verdade que vocês não podem obedecer por si mesmos. Mas vocês não têm de fazer isto de seus próprios recursos. Todos os recursos de Deus estão disponíveis para vocês agora mesmo à medida que andarem em obediência a tudo o que Deus diz na Bíblia. Se genuinamente, em oração, crendo vocês obedecem a Deus, Jesus, que prometeu que ‘através dEle’ vocês podem fazer ‘todas as coisas’ (Filipenses 4:13), Ele mesmo lhes dará força. No mais das vezes essa força vem junto com o fazer, de tal maneira que aqueles que desobedientemente ficam sentados esperando por ela ao invés de se moverem adiante em fé obediente para fazer o que Deus exige, falham em a receber. Todo mandamento de Deus deveria dar aos Seus filhos esperança, visto que – como apontamos – Deus nunca pede para Seus filhos fazer algo para o que Ele não proveu tanto as instruções como as forças para a realização”.

“Bem, eu posso ver que Deus antecipou muito mais sobre estes assuntos do que pensei. Eu creio que estou começando a ter alguma esperança; se a Bíblia nos dá tudo disto, então, talvez ela tenha mais para dizer sobre a solução para os nossos outros problemas do que eu tenha sonhado”.

“Certo, Phil! Somente sejamos completamente claros sobre este assunto; a Bíblia não tem meramente mais respostas para os seus problemas, ela tem todas as respostas para todos eles. Em Sua Palavra, Deus nos deu ‘Tudo o que diz respeito à vida e piedade’ (2 Pedro 1:3)”.

“Bem, eu também estou interessado. Por onde começamos? Para onde vamos daqui?”.


“ Bom. Em uns poucos momentos apresentarei alguns deveres para vocês fazerem durante a semana, após terem procurado o completo perdão de Deus e um do outro (e quero também falar para vocês sobre como fazer isto corretamente também antes de terminar). Mas antes de qualquer outra coisa, há uma outra questão sobre a qual quero dizer uma ou duas palavras. Phil, permita-me retornar mais uma vez àquele verso em Efésios 5:25 uma vez mais. Deus ordena ‘Maridos, amai vossas esposas como Cristo amou a Igreja?’, lembra-se? Bem, por toda a parte daquela seção do capítulo, uma coisa é clara – repetidamente ao marido (não a esposa) é ordenado a amar. Se não há amor em sua casa, então é primariamente sua culpa e é sua responsabilidade cuidar para que o amor esteja sendo gerado, mantido e crescente”.

“Agora estou conseguindo a ter esperança também!”

“Estou alegre por isso Emily, porque há responsabilidades para você na passagem também. Eu me voltarei para aquelas no momento certo. Mas, continuando, Paulo aponta que o homem é o cabeça de sua casa assim como Cristo é o Cabeça da Igreja. Isto significa que ele é primariamente responsável por cuidar para que haja amor no lar. Liderança tem sua autoridade, mas começaremos com suas responsabilidades. Para resumir o que Deus diz, ser o cabeça é a responsabilidade de liderar com amor no lar. E esta liderança deve seguir o modelo apresentado por Cristo em Sua chefia amorosa sobre Sua igreja. E Phil, você sabe muito bem que não foi a Igreja que primeiro estendeu a mão para Cristo em amor. Deveras, em João 4:19 lemos ‘Nós (a Igreja) o amamos porque Ele nos amou primeiro’. E, incidentemente, este amor foi resultado de pura graça; não havia nada em nós para nos encomendar a Deus. Ele, de Sua própria volição, determinou colocar Seu amor sobre nós. Então Phil, toda hora que você encontrar dificuldade de mostrar amor, lembre-se que não foi fácil para Deus também”.

“Eu sempre quis ser o cabeça de minha casa, mas nunca soube como começar”.

“E eu queria que ele assumisse as responsabilidades de liderança”.

“Bem, nas tarefas que lhe darei, haverá bastante para vocês fazerem que lhes dará um bom começo esta semana. Agora Emily, enquanto Deus não requer amor de você como a essência de seu papel no lar, Ele insiste sobre a submissão: ‘Como a Igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo sujeitas a seus maridos’ (Efésios 5:24). Agora, permita-me explicar o que isto significa. Eu penso que você descobrirá que há algumas surpresas ligadas a este mandamento. Na realidade, o caminho para a satisfação sobre a qual ouvimos tanto hoje repousa no vale. Para começar com...”

Você leu o suficiente para saber que há esperança. Phil e Emily são apenas dois dos milhares que este ano encontrarão ajuda para o seu casamento a partir do verdadeiro aconselhamento Cristão. E o seu casamento....tem começado a azedar também? Há esperança. Mas esta esperança não pode ser encontrada em nenhum lugar, senão em Cristo. Se você não conhece a Cristo como seu Salvador, ou se você deseja aprender mais sobre as soluções bíblicas para o casamento e outros problemas da vida, contate a pessoa que lhe deu este folheto ou escreva para o endereço impresso no espaço abaixo. 

Ajuda adicional pode ser encontrada no livro A Vida Cristã no Lar (Christian Living in the Home), de Jay Adams.



Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...