domingo, 8 de junho de 2014

Artes Marciais e o Cristão (por Ron Kirk)



O que se segue é uma resposta à pergunta de uma estudiosa cristã séria e mãe em relação a sua filha de participar de caratê. A filha tem feito isso por dois anos e meio e aprecia muito o esporte. A mãe pediu os meus pensamentos sobre o assunto. Embora eu não tenha pesquisado exaustivamente o assunto, passei algum tempo refletindo sobre isso. Aqui está a minha resposta:

Minha filha cristã deve participar no esporte do Caratê?

Pessoalmente, eu estou favoravelmente inclinado ao treinamento de defesa pessoal. O treinamento físico é de "pouco proveito", como Paulo descreve. Um amigo fez um estudo bíblico sobre o treinamento físico e, não surpreendentemente, descobriu que moralidade é mais crítica para a nossa saúde e vida. No entanto, as Escrituras nos tratam como seres integrais, nossos corpos são parte de nossa integridade e são integralmente importantes para a nossa vida em Cristo. Nós não somos de uma natureza dividida - corpo e espírito - somos uma unidade de ser que Deus ressuscitará totalmente um dia.

Os cristãos devem usar força física coerciva?

Ao longo do Antigo Testamento, Deus apoia a guerra defensiva. Davi, o homem segundo o coração de Deus, era um "homem valente". Ou seja, ele possuía ambos: a força de um guerreiro e habilidade mental, e força de um guerreiro e a habilidade corporal. Jesus disse aos discípulos para comprar uma espada. Seu impedimento ao uso da espada por Pedro, na noite de Sua prisão foi por causa da natureza e ocasião daquela missão da noite - a cruz - e não uma condenação geral do uso da espada. Ele também não fez uma condenação geral, quando Ele disse que aqueles que vivem pela espada morrem pela espada. Paulo ensina que o magistrado corretamente carrega a espada. Para os justos, a guerra defensiva sempre teve um lugar apropriado na doutrina cristã, com exceção da variável passividade do patrimônio anabatista. Esportes físicos originam no contexto da preparação para a guerra, embora esportes fossem frequentemente usados para mero entretenimento e prazer.

A fé exige bravura ou coragem. Devido à natureza física da vida e suas provações, superando provações físicas, geralmente o exercício da fé gera as melhores virtudes. Desafios físicos são essencialmente mentais. (Nem todos exigem corpo de um guerreiro. Nem todo mundo possui um, mas todos podem combater o bom combate. O homem que perdeu o uso das pernas, por exemplo, enfrenta desafios ainda maiores físicos de coragem e fé.) O emprego da força, como nos esportes combativos, constrói o caráter e, portanto, parece uma coisa positiva. Esta visão pressupõe um equilíbrio de contundência com a auto-contenção em causa e ação - a mansidão - exigido de um cristão. Para o homem natural, esse equilíbrio parece absurdo. Para o cristão, a tal tensão é comum. Aceitamos porque Cristo exige e habilita ambos. Portanto, desportivismo duro sempre foi a forma de vida da América cristã.

Defesa pessoal, como a necessidade de guerra, decorre de perigo grave ou mortal, imposta por um outro onde não existe apelo a uma autoridade superior ou é facilmente suscetível. Biblicamente, a guerra justa, como com Jefté e os amonitas, é essencialmente um apelo ao céu para decidir entre adversários (Juízes 11:27). A justiça da causa é uma consideração importante. A justiça dos meios é outra. Na verdade, embora se possa admitir tanto uma causa justa e conduzir-se por meios fiéis, por razões conhecidas apenas por Deus, o justo pode cair na batalha.

Com relação ao perigo pessoal, a tradição legal cristã permite força para autodefesa. Isso baseia-se no mesmo princípio que a guerra justa defensiva. Por exemplo, John Locke comparou um assalto à propriedade pessoal como sendo equivalente a um ataque à vida, quando alguém depende de sua propriedade para manter a vida.¹ Portanto, em roubo de pessoal, o ladrão perde corretamente sua vida. Êxodo 22:2 diz: "Se o ladrão for achado roubando, e for ferido, e morrer, o que o feriu não será culpado do sangue." Em outras palavras, a Bíblia aceita força letal, defensiva, pessoal. Não somente a auto-defesa pessoal é conveniente, o Rev. Rushdoony cita João Calvino como declarando que a Lei do Amor de Cristo requer a defesa do próximo desamparado.²

Oriente versus Ocidente

As diferenças entre os estilos de luta oriental e ocidental levantam preocupações cristãs. Em primeiro lugar, as artes marciais não significam necessariamente artes marciais orientais. Formas ocidentais também são artes marciais. O pensamento religioso oriental governa a forma de sua luta. O pressuposto básico é que a individualidade não existe verdadeiramente. Portanto, se o lutador centra-se no "UM" cosmológico do universo, ele deve prevalecer.
Acreditamos no Tao sem forma e eterna, e nós reconhecemos todas as divindades personificadas como sendo meras construções humanas. Repudiamos o ódio, a intolerância e a violência desnecessária, e abraçamos harmonia, amor e aprendizagem, como somos ensinados pela Natureza. Nós colocamos a nossa confiança e nossa vida no Tao para que possamos viver em paz e equilíbrio com o universo, tanto nesta vida mortal e além.  Credo da Reforma Ocidental taoísta Congregação. 
Tao (pronuncia-se "Dau") pode ser grosseiramente traduzida em Inglês como caminho, ou o caminho. É basicamente indefinível. Ele tem de ser experimentado. Ele "se refere a um poder que envolve, circunda e flui através de todas as coisas, vivas e não-vivas. O Tao regula os processos naturais e nutre equilíbrio no Universo. Ele incorpora a harmonia dos contrários (ou seja, não haveria amor sem ódio , nenhuma luz sem escuridão, sem macho sem fêmea.) " ³
Tal ponto de vista é consistente com praticamente todo paganismo antigo, como no Egito e na Babilônia bíblicos. Deus, através dos profetas, exaustivamente denunciou e julgou as culturas que surgiram como resultado desta paganismo. Hoje a visão taoísta representa a principal corrente no pensamento e religião orientais. Homem e Deus são uma e a mesma coisa, salvo quando um "apostata". Portanto, centralização, a meditação de esvaziamento da mente e se aproximar do comportamento dos animais são fundamentalmente uma parte das artes marciais orientais puros. No entanto, algumas artes marciais orientais tem ocidentalizado na forma, e alguns foram cristianizados nas mãos de cristãos ortodoxos que entendem as implicações da religião oriental. Cada assunto, exceto o esotérico, devem ser resgatados nas mãos dos redimidos, porque cada assunto e esforço trará influência divina para o mundo, uma vez que é levado cativo a Cristo. Portanto, nosso trabalho é apagar o efeito do pecado: redimir as artes marciais significa remover os os elementos pagãos  e esotéricos.

Os cristãos não devem praticar os ritos religiosos associados das artes marciais. Eu assisti a uma aula de Tae Kwon Do, dirigida por cristãos; uma instrutora, uma jovem Batista, conduziu a classe na Oriental, meditação de esvaziamento. Eu calmamente invoquei nosso Senhor em oração ao invés disso. Depois, eu respeitosamente informei minha instrutora eu não iria participar da atividade e expliquei porquê. Ela não conseguia entender a minha objeção, e eu não conseguia entendê-la. O sistema Oriental inteiro repousa no princípio da unicidade de ser em completa oposição à fé de Jesus Cristo.

Por outro lado, as formas ocidentais de luta incluem regras de auto-limitação muito rigorosas. Devido à influência do cristianismo, o Ocidente adotou o princípio da luta limpa. A visão cristã do cavaleiro medieval tinha o mocinho devolvendo a espada de seu adversário então ele não iria vencer através de vantagem circunstanciais. O homem de Deus sabe que a batalha pertence ao Senhor, e garante a vitória por intermédio de Seu braço forte, não por força pessoal. O estilo de boxe clássico representa a forma de combate típico do Ocidente. As regras do Marquês de Queensbury exemplificam este princípio.

Acho que certos estilos de arte marcial são mais adequados para uma visão cristã do que outros. Eu, pessoalmente, não mantenho uma oposição inerente ao uso de pés, pernas, cotovelos, etc, em luta, e prefiro o Tae Kwon Do coreano como o mais "ocidental" dos estilos orientais. Parte do problema é a forma de quão ocidentalizado o processo de ensino tornou-se na prática versus quão estritamente perto das visões originais históricas e religiosas elas aderem. Parte do problema diz respeito ao nível de perigo que alguém sofre com respeito à força e valentia de um adversário. Além disso, ao analisar o uso de artifícios táticos pelo antigo Israel com a direção de Deus (por exemplo, Josué 8:4), nós não devemos nos importar muito com o que é "limpo". Samuel usou engano para reunir os seguidores de Baal. Tais considerações requerem sabedoria madura.

A questão relacionada diz respeito ao grau de força de acordo com a fé cristã. Mutilações, como o olho-cinzelamento e destruindo articulações é "justo" no kung-fu, ju jitsu, e as outras artes guerreiras orientais. Força letal é comum. No entanto, estas são essencialmente artes de guerra. De um ponto de vista cristão, o grau de força é uma consideração essencial. A capacidade de um grande dano inerente nas artes marciais orientais requer uma consideração muito cuidadosa, ensino e prática para o cristão. Uma coisa é certa: produzir mutilação ou morte como resultado de um insulto ou ameaça relativamente menor inteiramente contradiz os ensinamentos de Cristo. A lei de Deus limitou justa penalidade, olho por olho (ou seja, a restituição econômica correspondente à perda de uso ou o confisco de uma vida em crimes de capital).

Mulheres e Combate

Quão apropriadas são as artes de combate para as mulheres? Deus fez as mulheres diferentes dos homens, um vaso mais fraco. Portanto, os homens devem proteger as mulheres e todas as almas vulneráveis. Por outro lado, as bíblicas mulheres de fé compartilharam uma reputação forte similarmente aos homens fiéis, assim como Rute, por exemplo. Algumas participaram de atos de guerra. No livro de Juízes, Jael, guerreira, cravou uma estaca de tenda na cabeça de Sísera. A juíza Débora auxiliou Baraque, aparentemente recebendo a glória da vitória às custas dos homens. Eu tiro certas conclusões a partir de tais incidentes e da capacidade geral das mulheres, ouso dizer disposição, para preencher vácuos espirituais deixados por homens. Enquanto a liderança espiritual para uma mulher não é a norma bíblica, as mulheres muitas vezes sobem para a chamada. Devemos atribuir qualquer culpa aos homens que criam esse vácuo de liderança espiritual. Cada vez mais, devido à irrelevância cultural cristã e inatividade, ruas americanas não são mais seguras. Se os homens deixaram as ruas inseguras, concluo que uma mulher deve ser capaz de defender-se, embora tal não deveria ser necessário, entre um povo cristão.

As mulheres possuem a mesma unidade de espírito e do corpo que os homens. Assim como o exercício físico é pelo menos um pouco importante para a saúde e uma vida boa e piedosa para os homens, então é para as mulheres. Minha única reserva é que muitos esportes tendem a desenvolver qualidades físicas e maneiras masculinas nas mulheres. Exercícios pesado, masculinos, aparentemente produzem hormônios masculinos que trazem mudanças fisiológicas masculinas. Isto é trágico. Certa vez ouvi que uma bela mulher de vinte anos de idade, deve agradecer a Deus por seu presente. No entanto, se uma mulher não é linda aos 60 anos, ela tem apenas a si mesma para culpar. Acho que há uma grande dose de verdade nisso. O feminismo tem feito uma grande quantidade de danos à auto-imagem das mulheres (bem como dos homens). As graças femininas sem igual são um dom de Deus. Portanto, a Lei mosaica proíbe mulheres que vestem o que "pertence a um homem." As mulheres são moralmente iguais aos homens, ou seja, no valor e na sua capacidade de contribuir para o evangelho em sua maneira sem igual abençoada por Deus. No entanto, as mulheres são diferentes dos homens e fazem injustiça para si e para Deus quando elas ignoram seu dom especial de feminilidade. Isso não significa que a mulher feminina deve ser fraca, ignorante, ou irrelevante! Tenho criados três filhas e lhes ensinado a ser submissas às autoridades legítimas, incluindo o pai e marido, mas de ser ousadas em fazer contribuições apropriadas e sábias para suas casas e comunidades acerca de uma feminilidade bem preparada. Lembre-se de Provérbios 31! Nossa fé sempre requer cuidadoso equilíbrio, para manter o caminho estreito que conduz à vida. Tal equilíbrio para as mulheres inclui força física e capacidade adequadas à sua feminilidade.

Considerações Finais

Mesmo onde as artes marciais são tidas como esportes puros, acredito que devemos considerar os seus aspectos de guerra, como eles vão desenvolver habilidades prejudiciais e mortais. O potencial para o uso de habilidades mortais sempre existe. Na mesma linha, aqueles que defendem o uso de armas de fogo para proteção pessoal imploram ao futuro proprietário de arma para decidir a questão moral da força letal defensiva antes de comprar uma arma.

Como você pode ver, esta não é uma questão simples. Atitudes cristãs nunca são. Eles exigem a aquisição de sabedoria. Soluções divinas surgem de esforço finamente trabalhado aprendido ao longo do tempo, muitas vezes fora de grande adversidade. Vamos cometer erros em curto prazo. Nós identificamos os bons e maus frutos. Nós fazemos correções e tentamos de novo pela fé para produzir atitudes que verdadeiramente glorificam a Deus.

Portanto, eu recomendo que você reavalie o programa de sua filha com os argumentos acima. Enquanto a apreciação da sua filha é importante, a vontade de Deus, não a apreciação dela, deve ser determinante. Se o atual programa parece um instrumento de som para seus objetivos cristãos, então você pode fazer as correções pessoais necessários para satisfazer a sua consciência para com sua filha. Sua consciência é importante! Se você não pode facilmente reduzir as influências negativas, sugiro encontrar um instrumento mais adequado para seus estudos. Lembre-se, Jesus disse que é suficiente tornar-se como o seu professor (Mateus 10:25 e Lucas 6:40). Na primeira referência em Mateus, Cristo fala negativamente, referindo-se Belzebu como professor.

A melhor e final solução vai encontrar cristãos hábeis e sábios começando a re-construir as disciplinas marciais sobre um terreno completamente bíblico.


1. John Locke, Two Treatises of Government (New York: Mentor, 1963), pp. 320-321.


2. R.J. Rushdoony, Institutes of Biblical Law, Volume One (Phillipsburg, NJ: Presbyterian and Reformed, 1973), p. 219-220. I recommend this volume as a major resource for research on the subjects of life and property.


3. "History of Taoism" ( http://www.religioustolerance.org/taoism.htm). This article is typical. A simple Web search on Martial Arts and Centering will give a good idea of the thinking. See http://userpages.itis.com/wrassoc/articles/wa.htm as an example





Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...