quarta-feira, 8 de junho de 2016

Como o ativismo LGBT muda as regras de adultério, moralidade e justiça (por dr. Michael Brown)

Em ambos, casamento e esportes, o ativismo LGBT faz picadinho das nossas intuições morais de senso comum.



Considere este cenário: Um homem e um pai casado anuncia que está deixando sua esposa e filhos, a fim de ser "verdadeiro consigo mesmo." Ele encontrou outro amor, o amor mais verdadeiro que ele já conheceu, e já se envolveu com sua nova amante.

Como a sociedade reagiria a ele? 

"Você, senhor, é um adúltero infiel e desleal. Você deveria ter vergonha de si mesmo, abandonando sua esposa e filhos por outra mulher ".

Ele responde: "Mas não é por outra mulher. É por outro homem. Eu sou gay e eu entrei em acordo com a minha identidade. Eu não vou continuar com a farsa por mais tempo, e estou orgulhoso da minha decisão. "

Como a sociedade reage agora?

"Você, senhor, é um herói corajoso. Você estabeleceu um exemplo a ser seguido para os outros, e você deve ser elogiado por sua coragem e integridade. "

Então, se você comete adultério e abandona sua família com desejos heterossexuais, você é um ser humano desprezível. Mas se você fizer isso com desejos homossexuais, você é um herói e exemplar. Você até se torna uma celebridade internacional, embora não sem evitar alguma controvérsia.

Uma promessa sagrada é uma promessa sagrada, a menos que ...

Basta perguntar a Jim McGreevey, o ex-governador de Nova Jersey. O Newsweek chamou seu livro The Confession, no qual ele relata sua própria história, como "um livro de memórias surpreendentemente sinceras ... valente e poderoso".

Se Bill Clinton tivesse deixado Hillary Clinton para encontrar o seu verdadeiro amor com Monica Lewinsky e escrevesse um livro sobre isso, você acha que sua história teria sido elogiada com palavras semelhantes?

Estou completamente ciente de que, em alguns casos, as esposas eram profundamente solidárias com as lutas de seus maridos, reconhecendo que seus cônjuges estavam lutando contra demônios interiores e foram envergonhados devido às suas incapacidades de satisfazerem as suas esposas. Os ativistas LGBT também nos dizem que, se a sociedade não tivesse forçado os gays a ficarem dentro do armário, estes homens nunca teriam estado sob pressão de se casarem com mulheres essencialmente.

E eu só posso imaginar a sensação de alívio emocional que experimentaram quando eles finalmente "saíram".

Mas nada disso muda o fato de que: 1) eles quebraram os votos de casamento que fizeram; 2) muitos deles tinham casamentos que estavam funcionando bem antes deles abandonarem; 3) eles em última análise colocam suas próprias necessidades acima das dos seus cônjuges e filhos; 4) eles não calcularam (e não podiam) verdadeiramente os efeitos a longo prazo de sua decisão sobre a sua família; 5) em muitos casos, eles foram infiéis enquanto casados e foi sua relação com outros homens que causou o fim do casamento.

Como algo assim é louvável ou digno? Onde está a coragem nisso, e a integridade? Por que a homossexualidade de alguma forma transforma a imoralidade em moralidade? E por que, se você é um cristão professo, ela te esmaga em uma entrevista no The View?

Uma vez eu li a história de um homem judeu ortodoxo que estava treinando para ser um rabino quando ele percebeu que, para seu espanto, ele não era sexualmente atraído por mulheres. Em seguida, enquanto andava de metrô em Nova Iorque, ele se viu intensamente atraído por outro homem, tendo relações sexuais com aquele estranho no mesmo dia.

No entanto, quando ele narra esta história, que só pode ser condenada como imoral por todos os ramos do judaísmo ortodoxo, ele não diz uma palavra negativa. Ele não pronuncia uma sílaba como: "isto, é claro, foi um ato terrivelmente errado, uma vez que o sexo fora do casamento é proibido, em especial com o mesmo sexo."

Não, este era o seu dia de descoberta, de reconhecer que ele era gay. O ato imoral de fornicação agora se tornou parte de seu processo positivo de auto-descoberta. (Eu li histórias semelhantes escritas por ministros "cristãos gays").

Como trapacear, ser pego, e ainda obter uma recepção de herói

Atualmente, o ativismo LGBT tem causado outra reviravolta na história, não só mudando as regras de moralidade, mas também de justiça.

Considere este cenário: Uma atleta do ensino médio altamente condecoradado sexo feminino, é pega trapaceando por empregar alguma vantagem injusta sobre os seus colegas - como o doping sanguíneo ou esteroides. Como a sociedade iria ver suas proezas?

"Você deveria ter vergonha de si mesma, tomando um medicamento ou transfusão de sangue ilegal ou seja o que for que está fazendo. Isso é tão injusto com as outras meninas, e você deve ser privada de suas medalhas. "

Ela responde: "Mas eu sou transgênero. Essa é a vantagem 'injusta'. Só estou sendo quem eu realmente sou. "

Como a sociedade reage agora?

"Estamos tão tristes por sermos críticos! O fato de você ser biologicamente homem não deve ser usado contra você no momento de competir com as outras meninas. E se eles têm um problema com isso, são apenas um bando de transfóbicos inseguros."

A trágica ironia disto é que a administração de Obama está agora ameaçando as escolas com a perda de financiamento do governo, se elas não abraçarem as exigências do ativismo transgênero, citando a suposta violação do Título IX.

Mas uma das principais finalidades do Título IX era assegurar a igualdade de oportunidades para atletas estudantes do sexo feminino. Afinal, em média, os homens têm uma vantagem biológica sobre as mulheres quando se trata de competição atlética, o que implica que as proteções do Título IX fazem todo o sentido - ou seja, todo o sentido a menos que nós estejamos falando sobre os alunos identificados como transgêneros, em que as regras de justiça são eliminadas.

E daí se sua filha está agora competindo por uma bolsa de estudos com o filho de outra pessoa? E daí se a equipe de softball das meninas agora perde consistentemente ao seu arqui-rival porque o novo jogador-astro deles é biologicamente um homem?

Uma nação, sob Sentimentos LGBT

E, como estamos aprendendo agora, e daí se suas filhas adolescentes estão terrivelmente chateadas com a presença de um menino em seus vestiários e chuveiros? Como o Charlotte Observer infamemente aconselhou, as meninas só terão que superar o "desconforto" de ver a genitália masculina em seus vestiários.

O único problema que aparentemente importa agora é que o aluno identificado como transgênero se sinta seguro e encorajado, independentemente de como isso afeta todos os outros.

É desnecessário dizer que, quando se trata de casamentos afetados por questões transexuais, os padrões normais desaparecem também. Assim, o homem que quebra sua promessa e o coração de sua esposa depois de décadas de casamento e destrói sua relação com seus filhos é considerado um herói corajoso, se fez isso, segundo ele, porque não podia mais viver como um homem e teve que se identificar como uma mulher.

Isso tudo é parte de uma narrativa social mais ampla na qual as liberdades de expressão, de religião e de consciência são consistentemente superadas pelos "direitos" homossexuais e transexuais.

Devemos nos surpreender porque o errado se tornou certo e o injusto agora se tornou justo, tudo em nome de ativismo LGBT?


Traduzido livremente de:


Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...