terça-feira, 3 de outubro de 2017

Infralapsarianismo ou Supralapsarianismo?? (por Timothy Peng)


Francisco Turretini e sua defesa ao Infralapsarianismo


Francisco Turretini (ou François Turretini) nasceu em Genebra em 1623, filho de um imigrante italiano Turrettini. Recebeu a educação teológica de Jean Diodati, Theodore Tronchin e o ancião F. Spanneim, os dois primeiros representantes oficiais de Genebra no Sínodo de Dort. Ele se tornou o pastor da igreja italiana em Genebra. Recusou a cadeira de filosofia e, em 1653, tornou-se professor de teologia e um dos pastores da cidade, mantendo ambos os títulos até sua morte em 1687. 
Turretini apoiou vigorosamente a ortodoxia escolástica contra todos os esforços pela modificação dos Cânones de Dort. Ele também desempenhou um papel importante na formulação da Fórmula Consensus Helvética de 1675.[1] Francisco Turretini é praticamente sinônimo do termo Escolasticismo Protestante. Muller comenta: "O trabalho de Turretini, o Compêndio de Teologia Apologética (Institutio theologiae elencticae) (1679-1685), está no ápice do desenvolvimento da teologia escolástica na era pós-Reforma, antes do declínio do sistema protestante sob o impacto do racionalismo, do pietismo e o iluminismo do século XVIII. [2] 

Turretini é conhecido por sua defesa do infralapsarismo contra o supralapsarianismo. Quase oitenta anos após o Sínodo de Dort, Francisco Turretini escreveu seu tratado sobre o tema do lapsarianismo no Compêndio de Teologia Apologética sob o título "O objeto da predestinação: se o objeto da predestinação era o homem criável, ou capaz de cair; ou criado e caído. O primeiro negamos; o último afirmamos ".[3] Os Cânones de Dort (1618) tomaram a visão Infralapsariana como a posição padrão das igrejas Reformadas, embora o sínodo não tenha subjugado o supralapsarianismo como uma heresia. Uma das principais razões pelas quais o Sínodo sustentou a visão Infralapsariana foi devido à maioria dos delegados serem Infralapsarianistas. Fesko observou: "Os infralapsários simplesmente possuíam mais influência em virtude de números superiores".[4] Fesko também observou que outro motivo seria que alguns proeminentes supralapsarianistas como Gisbert Voetius, Johannes Bogerman e Johannes Maccovius não expressaram sua visão na discussão sobre infra e supra lapsarianismos.

O debate de Supra e Infra (lapsarianismo) centrou-se na questão do decreto de Deus da predestinação (eleição e reprovação), a saber, se o decreto de predestinação de Deus precedeu o decreto de criação e queda (visão supra) ou se Seu decreto de predestinação procedeu o decreto de criação e queda. (visão infra). Muller explica: "Ambos os pontos de vista resultam da consideração de uma 
eterna e lógica 'ordem das coisas do decreto', ou ordo rerum decretarum, na mente de Deus". [5] Colocando de forma mais simples, a ordem lógica do decreto de Deus pode ser resumido como:
  • Infralapsarianismo: Criação, Queda, Predestinação.
  • Supralapsarianismo: Predestinação, Criação, Queda. 
Muller acrescenta: "A visão infralapsariana ... coloca a vontade divina de criar seres humanos com vontade livre e o decreto de permitir a queda antes da eleição de alguns para a salvação".[6] Por outro lado, os supralapsarianistas ensinam que "a eleição e a reprovação dos indivíduos é logicamente anterior ao decreto divino da criação e à ordenação divina de permitir a queda ".[7] Além disso, é importante notar que a ordem do decreto de Deus é uma ordem lógica e não uma ordem cronológica. Toda a ordem de criação, queda e predestinação aconteceu na mente de Deus antes da criação real ter ocorrido no tempo. Muller explica. "Ordo rerum decretarum refere-se ao arranjo (oro) de toda a causalidade da salvação sob o decreto divino. [O termo] surgiu da preocupação dos Reformados de construir uma ordem de causalidade salvífica divina que se baseia nas prioridades lógicas no decreto eterno à medida que surgem da natureza e propósito de Deus ". [8]

Um dos pontos de disputa entre Supralapsários e Infralapsários é sobre o objetivo da predestinação, ou para ser exato, o status do objeto de predestinação. O Supralapsarianista afirma que, na mente divina, o objeto humano de predestinação é "creabilis et labilis, criável e falível, ou seja, como uma possibilidade de criação e capaz de cair". [9] Por outro lado, os Infralapsários vêem o objeto de predestinação como "creatus et lapsus, criado e caído", na mente divina. [10]

O outro ponto de disputa é a finalidade da existência do homem, ou seja, se o fim da existência do homem é para a demonstração da glória de Deus (como alegaram os Supralapsários) ou o fim foi a salvação do homem (como alegaram os Infralapsários). Com diferentes extremidades em vista, os meios para os fins também diferem um do outro. Na visão Supralapsariana, os meios para o fim são criação e queda, enquanto na visão Infralapsariana, os meios para o fim são a predestinação. Muller explica: "Na visão [Supralapsariana], o propósito anterior de Deus é a manifestação de Sua glória na mercê da eleição e da justiça da reprovação, enquanto a própria criação e o decreto de permitir a queda são propósitos secundários ou meios para o fim, da eleição e da reprovação ... Na visão [Infralapsariana], o propósito mais importante de Deus é a criação de seres humanos para a comunhão consigo mesmo, e o decreto de eleger alguns para a salvação aparece como um meio para a finalidade dessa irmandade ".[11] O escopo deste trabalho é examinar brevemente os argumentos apresentados no capítulo "O objeto da predestinação" de seus Compêndio de Teologia Apologética e comparar aos argumentos do Supralapsarianismo, especialmente os de William Twisse (sendo o campeão do Supralapsarianismo [12]).

Turretini em seu capítulo sobre o Objeto da Predestinação oferece cinco argumentos para o Infralapsarianismo: 1) Uma não-entidade não pode ser objeto de predestinação. 2) o homem criável é apenas uma das muitas criações possíveis; portanto, ele não é elegível para a predestinação. 3) O homem criado não é elegível para predestinação ou reprovação porque ainda não caiu. 4) A criação e a queda não são meios de predestinação (meios e condição são distintos). 5) O supralapsarianismo teria dado a Deus homens reprovados antes de serem reprováveis pelo pecado. [13]

Seu primeiro argumento é: "Uma não-entidade não pode ser objeto de predestinação".[14] Ele ressalta que a predestinação (salvação e destruição) são os fins do sujeito existente, e é ilógico que os Supralapsários afirmem que haveria final para o objeto "criável ainda inexistente". Ele explica:

"Para que a salvação e a destruição que são planejadas pela predestinação sejam os fins que são introduzidos no sujeito (que, além disso, já se supõe existir) ... então o decreto relativo à salvação ou à condenação do homem deve considerar o homem como caído (porque a redenção ou a destruição estavam destinadas a ele). Além disso, cada sujeito deve ser concebido antes de seus complementos". [15]
Este é um argumento lógico da Turretini, de que Deus não poderia decretar predestinar um objeto que não foi decretado a existir e, portanto, é ilógico para os Supralapsários afirmarem que o objeto de predestinação era um "homem criável ". Beardslee comenta o argumento de Turretini: "Turretini argumenta em grande parte no âmbito da especulação escolástica, declarando que nada pode ser decretado em relação a um não-ser (non ens)". [16] 

Turretini enfatizou que o fim da existência do homem é a predestinação para a salvação. Ele assume que o fim da existência do homem é a salvação sem oferecer argumentos para isso. De fato, o argumento de Turretini de non ens seria válido se a finalidade da existência do homem fosse, de fato, salvação (comunhão com Deus). É lógico que, se uma finalidade deve existir para uma entidade, então essa entidade deve existir.

No entanto, os supralapsarianistas como Twisse não pensam que a salvação é a finalidade da existência do homem, mas sim a Glória de Deus. Twisse reconheceu que a finalidade da existência do homem realmente determina a ordem do decreto de Deus. Ele escreve: "A ordenação dos decretos de Deus, da Criação e Permissão da Queda de Adão, dando ou negando graça, salvação ou condenação ... a determinação depende da definição correta desses decretos, em referência ao fim, e os meios tendendo a esse fim." [17] Uma finalidade diferente alterará naturalmente a ordem dos decretos e os meios até o fim.

Twisse afirma que a Glória de Deus é a finalidade última da existência do homem, e, portanto, a predestinação, a criação e a queda são todos os meios para essa finalidade definitiva. 

"Mas se a salvação e a condenação não forem fins destinados por Deus, mas meios, bem como a criação, e a permissão de todos para pecarem em Adão, juntamente com o surgimento de alguma circunstância, e deixando algo no lugar, tendendo para um fim mais distante, a saber, a manifestação da glória de Deus de uma certa forma, como a Escritura juntamente com a razão manifesta justifica. Para Deus ser o supremo eficiente, deve necessariamente ser o fim último".[18]
Para Twisse, Deus é o Ser Supremo, que necessariamente deve ser o fim definitivo de tudo. Por outro lado, Turretini argumentou (sob seu quarto argumento) que a criação e a queda não são os meios para a predestinação. Twisse concordaria com ele nisso, exceto que ele argumentaria que a predestinação em si não é um fim, mas também um meio para um fim. Twisses explica:
"Para que se Deus se agrade de manifestar a Sua gloriosa beneficência ao homem no mais alto grau, e de forma que a misericórdia se misture com a justiça; este fim exige e revela a criação (nenhuma glória é manifestável sem isso) e a permissão do pecado (senão não se manifesta a misericórdia) e a satisfação pelo pecado (caso contrário, essa misericórdia não poderia ser exatamente misturada com a justiça) e fé e arrependimento (de outra forma, o bem que Deus pretende não pode ser concedido por meio de recompensa) e, em última instância, a salvação, sob a qual compreendemos a condição mais elevada e abençoada que a natureza do homem, continuando um mero homem, é capaz de receber. "[19]
Assim, ele classificou todos esses decretos como meios para o fim, a glória de Deus. Além disso, Twisse classifica todos esses decretos sob um meio, e um decreto, que ele chamou de "um decreto formal" ou "o decreto dos meios".
"Aqui, concluímos que, se a finalidade for tal que tenha sido especificada, e todas essas ações seguintes, meios congruentes tendentes a essa finalidade, portanto, o decreto de manifestar a glória de Deus, como acima especificado, é primeiramente com Deus e, em segundo lugar, o decreto dos meios; o que significa que eles são muitos materialmente, no entanto, eles estão todos sob uma única noção formal de meios que tendem a um determinado fim, que de acordo com as várias partes deles os ensina a todos e, consequentemente, todos devem ser considerados, como constituindo o objeto de um decreto formal, chamado decreto dos meios: e a concepção de nenhum deles vem antes de outro, mas todos intencionados de uma só vez, como meios que tendem a esse fim que é primeiramente intencionado". [20]
A última frase é a parte mais fascinante. Ele afirma que essas ordenações de decretos não são motivo de discórdia, porque todos são decretados de uma vez e todos pertencem a um decreto, a saber, o decreto dos meios. Por que se deve argumentar sem parar sobre a ordenação desses decretos quando todos pertencem a um decreto formal? Ele expõe:
"Os meios necessários são, a criação, a permissão do pecado e a condenação ao castigo, e os três constituem o objeto de um decreto formal, que deve ser chamado de decreto dos meios. Assim como convém que Deus não pretenda a criação das criaturas antes de pretender a sua condenação, no mesmo sentido, não pode ser dito que Ele pretende a sua condenação antes que Ele pretenda sua criação, ou a permissão de seu pecado ". [21]
Todos esses decretos são interdependentes uns dos outros. Deus não pode decretar a criação sem a predestinação em mente, e Deus não pode decretar a predestinação sem a criação em mente. Portanto, o primeiro argumento de Turretini da não-entidade não é tão inválido, mas é irrelevante. Para um Supralapsarianista como Twisse, a ordem dos decretos é uma questão irrelevante, mas a glória de Deus ser o objetivo é a questão relevante.

O segundo argumento de Turretini é: o homem criável é uma das muitas criações possíveis; portanto, eles não são elegíveis para a predestinação. Ele explica: "havia inúmeros homens possíveis que nunca seriam criados e, conseqüentemente, nem salvos, nem condenados".[22] Ele argumentou que, se o decreto de predestinação precede o decreto de criação, então dentro desse decreto de predestinação, muitos homens criáveis seriam predestinados, mas contudo nunca criados. "É absurdo"[23], declarou Turretini. "Além do absurdo de dizer que eles eram criáveis (se eles não pudessem ser criados), nenhuma razão pode ser trazida do porquê tantos quantos eram criáveis não se enquadram como objeto de predestinação". [24]

Novamente, Turretini ofereceu um argumento bastante lógico, se a ordem dos decretos fosse linear na ordem da predestinação-criação-queda, então seria absurdo que Deus predestinar os homens-criáveis-ainda-que-nunca-fossem-criados. No entanto, se Twisse tinha razão em apresentar o Supralapsarianismo, (no qual existe apenas um decreto formal de meios), seria perfeitamente lógico que os Supralapsários afirmassem que o homem criável e o homem criado-e-caído são um e o mesmo. Não são dois grupos diferentes de homens sob dois decretos diferentes, mas o mesmo grupo de pessoas sob o mesmo decreto. As palavras de Twisse ainda são relevantes aqui: "Assim como convém que Deus não pretenda a criação das criaturas antes de pretender a sua condenação, no mesmo sentido, não pode ser dito que Ele pretende a sua condenação antes que Ele pretenda sua criação, ou a permissão de seu pecado".[25] É inútil para Turretini separar o homem criável e o homem criado e construir um argumento sobre isso. Mais uma vez, o argumento de Turretini 
não alcançou a meta

O terceiro argumento de Turretini é: o homem criável não é elegível para predestinação ou reprovação porque ainda não caiu. Ele escreve: "O objeto da predestinação divina deve ser ou um elegível através da misericórdia ou reprovável através da justiça. Isso não pode ser dito sobre o homem criável e susceptível de cair, mas apenas sobre o homem criado e caído".[26] Aqui, Turretini introduz o conceito de misericórdia e justiça na discussão. Turretini argumenta que, se os Supralapsários estivessem certos, Deus teria que predestinar homens que ainda não foram caídos à destruição e homens que ainda não foram caíram à salvação. Os homens que ainda não caíram não podem ser justamente destruídos e os homens que ainda não caíram não precisam de salvação através da misericórdia. Ele desenvolve a questão da justiça e da misericórdia de forma mais completa no quinto argumento, então analisaremos esta questão da justiça e da misericórdia em detalhes, juntamente com o quinto argumento. Basta dizer que Turretini trouxe um bom argumento de que os homens que ainda não caíram não são elegíveis para o justo castigo ou para a salvação misericordiosa. Um homem que não está doente não precisa de um médico.

No quarto argumento de Turretini, ele respondeu a questão dos meios e dos fins. Ele argumentou que a Criação e a queda não são os meios de predestinação, mas são as condições em que a predestinação opera. Ele dá quatro razões pelas quais a criação e a queda não são os meios para o fim da predestinação.

1) A Escritura nunca fala dessa forma.

2) O meio tem conexão com o fim, mas nem a criação nem a queda são necessárias para se conectarem a eleição ou reprovação.

3) Os meios devem ter a mesma ordem e dispensação. A criação e a queda pertencem à ordem natural da dispensação e da providência, mas a eleição e a condenação pertencem à ordem sobrenatural da predestinação.

4) Se fossem meios, é absurdo que Deus decrete salvar e destruir alguém antes de decretar qualquer coisa sobre seu futuro e queda. [27]
É interessante para Turretini colocar a criação e queda sob a ordem natural (providência) e a predestinação sob ordem sobrenatural. Se essas são as categorias corretas a colocá-las estão além do escopo deste trabalho, mas não há nada de ilógico na ordem natural ser os meios dos fins sobrenaturais. Deus poderia ter usado quaisquer coisas para serem os meios de Seus fins sobrenaturais. Jesus se tornou carne na ordem natural para ser o meio do fim sobrenatural, isto é, a nossa salvação. No entanto, uma vez que Turretini não elaborou sobre este assunto, mas avançou rapidamente para distinguir os meios das condições, então também passaremos a examinar sua diferenciação entre meios e condições.

Turretini enfatizou que a criação e a queda não são meios para o fim da predestinação, mas são apenas as condições necessárias para que os homens recebam salvação e punição. Ele escreve:

"Pois, embora o pecado e a criação sejam necessários antecipadamente para a ilustração da misericórdia e da justiça, não se infere que fossem meios, mas apenas as condições necessárias ... assim, a existência e a ductilidade são presumíveis na argila como condição para fazer vasos de honra ou para desonra, mas não são o meio. A doença nos doentes é a condição anterior, sem a qual ele não é curado, mas não é o meio pelo qual ele é curado ". [28]
Aqui Turretini trouxe um forte argumento contra os supralapsarianistas. De acordo com Twisse, a criação, a queda (pecado) e a predestinação são todos os meios para o fim final - a glória de Deus. Turretini argumenta aqui que a criação e a queda não são meios para nada, mas são as condições necessárias para a predestinação operar. Como uma doença é a condição em que a cura pode ser realizada, então criação e queda são apenas a condição em que a salvação e a reprovação podem ser realizadas. No entanto, uma questão que Turretini não prevê deve ser levantada aqui: a predestinação depende da queda e, portanto, é necessária pela queda? Se a criação é a condição necessária para a queda, e a queda a condição necessária para a predestinação, a predestinação é, de fato, um evento contingente que é necessário para a queda. Se a queda não acontecesse, a predestinação também não teria acontecido. Se a salvação do homem é de fato o fim segundo Turretini, esse fim é dependente de uma contingência?

Twisse abordou esta questão de um ângulo ligeiramente diferente. Sua pergunta para os infralapsarianistas foi: o pecado é a causa da predestinação? Ou 
para mais ser preciso: o pecado é a causa da reprovação? Embora as causas e as condições não sejam exatamente termos idênticos, Turretini argumenta que Deus não pode decretar a salvação a menos que o homem caia primeiro. A ação do pecado do homem deve ser logicamente antes da ação de Deus de eleição e reprovação. Deus não pode reprovar um pecador, a menos que o pecador cometa os pecados primeiro. A ação (ou condição) do pecado do homem se torna a causa eficiente da reprovação de Deus; o decreto de Deus é retido pela vontade livre do homem e, até o homem agir primeiro, Deus não pode agir de modo algum. Twisse pensa que é loucura para qualquer homem afirmar que a queda é a causa da reprovação. "Agora, no tocante ao ato de predestinação, nenhum homem (diz Tomás de Aquino) seria tão louco a ponto de dizer que os méritos do homem são a causa da predestinação".[29] Twisse constrói um argumento para sua afirmação. 
1) Que a causa que leva à reprovação é a vontade única de Deus, e não o pecado do homem original ou real.

2) Isso é verdade em relação à eleição, que não repousa na boa obra do homem como causa da eleição, mas somente a vontade de Deus; assim, nenhum pecado ou má obra do homem é a causa da reprovação, mas apenas a vontade de Deus. [30]
Twisse primeiro afirma que o pecado do homem não pode ser a principal causa do ato de predestinação de Deus. Deus não predestinou o homem porque o homem pecou; Deus predestinou o homem de acordo com Sua vontade e Seu beneplácito. (Efésios 1:5). Esta é a preocupação fundamental de todo o debate, porque a predestinação dos eleitos de Deus nunca se baseia nas ações dos eleitos. Nenhum infralapsarianista concordaria que a eleição do homem de Deus é baseada na fé prevista, e Twisse argumenta aqui que é igualmente absurdo afirmar que Deus reprova ao homem pela condição de incredulidade (pecado) prevista. Pois esta é a posição dos semi-palegianos contra a qual Turretini fala veementemente.[31] Em outras palavras, Twisse está essencialmente dizendo que Deus com Sua vontade absoluta não precisava que o homem fosse caído fosse a condição da predestinação. Deus decretou criação, queda e predestinação, e os efetivou no tempo para Sua própria Glória. Não houve condições ou motivações para Deus criar, decretar a queda e decretar eleição/reprovação. 

Twisse cita Romanos 9 para complementar ainda mais o argumento: "
Porque, não tendo eles ainda nascido, nem tendo feito bem ou mal (para que o propósito de Deus, segundo a eleição, ficasse firme, não por causa das obras, mas por aquele que chama)". 

Aqui, neste ponto, Turretini afirma que os irmãos gêmeos Esaú e Jacó já estão na condição caída: "A massa de que Paulo fala (Romanos 9:21) é a ... massa corrupta". No entanto, se Paulo fala de uma massa corrupta ou não é irrelevante aqui, porque a condição da massa não é a causa que vela à eleição e reprovação de Deus. Esaú foi reprovado (ou morto como Turretini diria) não porque ele era corrupto (pois Jacó era igualmente corrupto), e Jacó foi escolhido não porque ele fosse melhor do que Esaú. A eleição de Jacó e a reprovação de Esaú são inteiramente baseadas na  vontade eterna de Deus. Twisse está simplesmente argumentando que Deus não precisa que o homem seja uma massa corrupta para reprová-lo e elegê-lo. Twisse conclui: "Portanto, a reprovação não depende de obras (isto é, de obras malignas), mas do mero beneplácito de Deus ... como o apóstolo depois professa, Ele tem piedade de quem Ele quer." [32]

O quinto argumento que Turretini usou foi: para o supralapsarianismo Deus teria reprovado homens antes deles serem reprováveis pelo pecado. Ele escreve:

"Esta opinião é facilmente falsificada (eudiabletos), como se Deus reprovasse os homens antes de serem reprováveis pelo pecado e destinado os inocentes ao castigo antes que qualquer criminalidade fosse prevista neles. Isso não significaria que Ele quisesse condená-los porque eram pecadores, mas que ele permitia que eles se tornassem pecadores para que fossem punidos. E isso implicaria que Ele determinou criar os que Ele poderia destruir ". [33]
Esse argumento é essencialmente a extensão do quarto argumento de condição (embora também implique a questão da misericórdia e da justiça do terceiro argumento). Turretini argumenta que, de acordo com os supralapsarianistas, Deus teria reprovado o homem antes de estarem na condição reprovável e ao fazer isso Deus estaria essencialmente criando o homem para que Ele pudesse destruí-los. No entanto, Turretini parece ignorar o fato de que a mesma coisa pode ser dita sobre o Infralapsarianismo aqui. O decreto de Deus sobre a queda é um decreto para que o homem se torne creatus et lapsus, criado e caído. A queda do homem está no eterno decreto de Deus; não importaria se você fosse um Supralapsarianista ou um Infralapsarianista, você teria que lidar com o fato de que Deus quis (ou decretou) que o homem caísse. Os infralapsarianistas ainda teriam que responder à pergunta: por que Deus decretaria que o homem caísse e depois o ignoraria ao não elegê-lo para a salvação? Turretini argumentaria que é apenas para que Deus punisse o reprovado. Mas a questão ainda permanece, é justo que Deus decrete a queda do homem em primeiro lugar? Se Deus não decretasse a queda, então Ele não teria que punir "justamente" os reprovados. A questão que Turretini criou em seu quinto argumento certamente não é uma questão com a qual apenas os Supralapsarianistas que tiveram de lidar. Os semi-Pelagianos definitivamente teriam uma resposta para isso, mas ambos os Infralapsarianistas e Supralapsarianistas condenariam essa resposta.

O ponto de Twisse sobre a causa da predestinação de Deus ainda é relevante aqui. Deus não reprovou algumas pessoas de acordo com os crimes previstos, e os homens não precisam estar na condição reprovável para que Deus os reprove. O ato de eleição e reprovação de Deus não é causado pelas ações do homem, e a vontade de Deus sozinha é a causa de seu ato de predestinação. Twisse acrescenta mais razões para o seu ponto e eu só citarei dois que são relevantes aqui.

1. A predestinação e a reprovação são eternas, mas as boas obras e as obras malignas da criatura são temporais; mas é impossível que uma coisa temporal possa ser a causa daquilo que é eterno.  
2. O ato de predestinação e reprovação é o ato da vontade de Deus, e o ato da vontade de Deus, assim como o ato de Seu conhecimento, é a própria essência do próprio Deus; e, portanto, apresentar uma causa da vontade de Deus, é trazer uma causa ao próprio Deus. [34]
Os dois motivos podem ser resumidos como: 1. As coisas temporais não podem ser a causa do ato eterno. 2. A vontade de Deus é a essência de Deus e, como Deus não pode ser causado, a vontade de Deus também não pode ser causada. Turretini criou um cenário no qual a vontade eterna e a justiça de Deus são questionadas e seu Infralapsarianismo também não pode resolver o problema.

Em conclusão, o debate entre o Supralapsarianismo e o Infralapsarianismo deve ser re-focado no objetivo da existência do homem. O homem é criado para ser eleito ou o homem é criado para glorificar a Deus e O apreciar para sempre? O foco do debate deve se afastar da ordem dos decretos para o tema dos meios e fins. Os debates intermináveis sobre a ordem dos decretos só produzirão exaustão, mas descobrir o fim principal do homem e os meios para o fim são edificantes. O Catecismo Maior de Westminster aborda esta questão como a primeira e principal questão.

O infralapsarismo e o supralapsarianismo coexistiram dentro da tradição reformada por muitos séculos. Embora o Sínodo de Dort tenha adotado uma enganosa visão Infralapsariana, não desprezou o supralapsarianismo como heresia. Homens muito capazes como Turretini e Twisse argumentaram muito bem em sua defesa. Embora o argumento de Turretini pareça inadequado às vezes, o Infralapsarianismo não é de forma alguma um erro. A igreja católica continuará a ter debates sobre este assunto importante, mas o exame atento de Turretini e Twisse realmente nos ajudou a entender os principais problemas aqui. Espero que as investigações neste artigo ofereçam um contexto no qual os Infralapsarianistas e os Supralapsarianistas possam humildemente continuar a discussão que traz a unidade e a exaltação da glória de Deus.




Tradução livre de: 
http://www.timothypeng.org/infralapsarianism-or-supralapsarianism/

Obs.: Em alguns momentos mantive na tradução as diferentes forma como apareceram os termos (infra ou supra)-lapsarianos (ex.: lapsários, lapsarianistas..), mas todos tem o mesmo significado.


[1] Veja John Walter Beardslee, Theological Development At Geneva Under Francis Turretin, (Ph.D. diss., Universidade de Yale, 1956), 1-4.


[2] Richard A. Muller, “Scholasticism Protestant and Catholic: Francis Turretin on the Object and Principles of Theology” in Church History, Vol. 55, No. 2 (Jun., 1986), Cambridge University Press on behalf of the American Society of Church History pp. 193.


[3] Francis Turretin, Trans. George Musgrave Giger. Institutes of Elenctic Theology, Volume 1. Phillipsburg, NJ: P & R Publishing, 1992, IV, ix.

[4] J. V. Fesko, Diversity within the reformed tradition : supra- and infralapsarianism in Calvin, Dort, and Westminster, (Ph.D diss., University of Aberdeen, 1999), 243.

[5] Richard A. Muller, Dictionary of Latin and Greek theological terms : Drawn principally from Protestant scholastic theology. Grand Rapids, Mich.: Baker Book House, 1985, 292.

[6] Ibid.

[7] Ibid.

[8] Ibid., 215

[9] Ibid., 292.

[10] Ibid.

[11] Ibid.

[12] See William Young, “The Life and Work of William Twisse” PRC Magazine, Spring, 1993.

[13] Turretin, 343-44.

[14] Ibid., 343.

[15] Ibid.

[16] Beardslee, 404.

[17] William Twisse, "As riquezas do amor de Deus para os vasos de misericórdia, consistentes com o seu ódio absoluto ou reprovação dos vasos da ira ..." Primeiros livros em inglês on-line - EEBO. http://eebo.chadwyck.com/search/full_rec?SOURCE=pgimages.cfg&ACTIO, pp. 10. 

[18] Ibid. 

[19] Ibid., 11. 

[20] Ibid.

[21] Ibid.

[22] Turretini, 343.

[23] Ibid.

[24] Ibid.

[25] Twisse, 11.

[26] Turretini, 343.

[27] Ibid. 344

[28] Ibid.

[29] Twisse, 36.

[30] Ibid., 35

[31] Turretini, 342.

[32] Twisse, 36

[33] Turretini, 344.

[34] Twisse, 36. 


Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...