segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Deus controla eventos "aleatórios"?? (por Vern S. Poythress)




E os eventos aparentemente aleatórios? Deus os controla?

O VOO DE UMA FLECHA


I Reis 22 contém um caso impressionante. Micaías (falando como um profeta do Senhor) prediz que Acabe, o rei de Israel, cairá em batalha em Ramote-Gileade (1 Reis 22:20-22). Acabe se disfarça na batalha para evitar ser um alvo especial para o ataque inimigo (v. 30). Mas o plano de Deus não pode ser frustrado. A narrativa descreve o evento crucial:
De repente, um soldado disparou seu arco ao acaso, e atingiu o rei de Israel entre os encaixes da sua armadura. Então o rei disse ao condutor do seu carro: "Tire-me do combate. Fui ferido!" (v. 34).
“Um soldado disparou seu arco ao acaso.” Isto é, ele não estava mirando em nenhum alvo em particular. Uma tradução alternativa seria que ele disparou seu arco “em sua inocência” (leitura marginal de ESV). A tradução alternativa pode significar que o homem atirou em Acabe, mas ele não sabia quem era (ele era "inocente" de saber que era o rei). Qualquer que seja a interpretação que tomemos desse detalhe, devemos notar que a flecha atingiu exatamente o lugar certo. Acabe estava vestido de armadura. Se a flecha atingisse o peitoral de Acabe, poderia simplesmente ter saltado. Se tivesse atingido sua armadura de escala, não o teria ferido. Mas houve um pequeno espaço entre a armadura e o peitoral. Talvez por um momento Acabe tenha se virado ou dobrado de tal maneira que uma abertura fina aparecesse. A flecha foi para a direita, exatamente no lugar certo. Isso o feriu fatalmente. Ele morreu no mesmo dia (1 Reis 22:35), exatamente como Deus havia dito.

Deus mostrou naquele dia que ele estava encarregado de eventos aparentemente aleatórios. Ele controlou quando o homem disparou com seu arco. Ele controlou a direção de seu alvo. Ele controlou o momento em que a flecha foi liberada. Ele controlou o vôo da flecha. Ele controlou a maneira como a armadura de Acabe foi colocada no início do dia, e a posição que Acabe tomou quando a flecha chegou mais perto. Ele controlou a flecha quando atingiu o ponto certo e entrou fundo o suficiente para causar dano fatal aos órgãos. Ele trouxe Acabe para a sua morte.

Para não sentirmos muito por Acabe, devemos nos lembrar de que ele era um rei iníquo (1 Reis 21:25-26). Além disso, ao entrar em batalha, ele desobedeceu diretamente ao aviso que Micaías, o profeta, deu em nome de Deus. Foi um ato de arrogância e desobediência a Deus. Deus, que é um Deus de justiça, executou julgamento justo sobre Acabe. A partir deste julgamento, devemos aprender a reverenciar a Deus e honrá-lo.

A morte de Acabe foi um evento de significado especial. Tinha sido profetizado de antemão, e o próprio Acabe era uma pessoa especial. Ele era o rei de Israel, um líder proeminente, uma pessoa chave em conexão com a história do povo de Deus no reino do norte de Israel. Mas o evento ilustra um princípio geral: Deus controla eventos aparentemente aleatórios. Um único evento notável, como a flecha que aponta para Acabe, não foi narrado como uma exceção, mas sim como um exemplo particularmente importante do princípio geral, que a Bíblia articula em passagens onde ensina o controle universal de Deus.

COINCIDÊNCIAS


Podemos encontrar outros eventos na Bíblia onde o resultado depende de uma aparente coincidência ou acaso.

Em Gênesis 24, Rebeca, que pertencia ao clã dos parentes de Abraão, veio ao poço logo após a chegada do servo de Abraão. O servo estava orando e esperando, procurando uma esposa para o filho de Abraão, Isaque (Gn 24:15). O fato de Rebeca ter saído na hora certa foi claramente a resposta de Deus à oração do servo. Rebeca mais tarde se casou com Isaque e deu à luz Jacó, um ancestral de Jesus Cristo.

Anos depois, Raquel (que pertencia ao mesmo clã) saiu para um poço logo após a chegada de Jacó (Gn 29:6). Jacó a conheceu, se apaixonou por ela e se casou com ela. Ela se tornou a mãe de José, a quem Deus mais tarde levantou para preservar toda a família de Jacó durante uma fome de sete anos (Gênesis 41–46). Quando Deus providenciou Raquel para Jacó, estava cumprindo Sua promessa de que Ele cuidaria de Jacó e o traria de volta a Canaã (28:15). Além disso, Ele estava cumprindo Sua promessa de longo alcance de abençoar os descendentes de Abraão (vs. 13-14).

Na vida de José, depois que seus irmãos o jogaram em um buraco, uma caravana de ismaelitas passou, viajando a caminho do Egito (Gn 37:25). Os irmãos venderam José aos ismaelitas. Eles, por sua vez, venderam José a Potifar, “oficial de Faraó” (v. 36). As experiências de José eram sombrias, mas estavam levando-o para a nova posição que ele acabaria por assumir no Egito.

A falsa acusação da esposa de Potifar levou José a ser lançado na prisão (Gn 39:20). O Faraó ficou com raiva de seu copeiro-chefe e de seu padeiro-mor, e eles foram jogados na prisão onde José agora tinha uma posição de responsabilidade (40:1–4). Enquanto eles estavam na prisão, tanto o copeiro quanto o padeiro tiveram sonhos especiais. A interpretação que José fez de seus sonhos levou a sua oportunidade posterior de interpretar os sonhos do Faraó (Gênesis 41). Esses eventos levaram ao cumprimento dos sonhos proféticos anteriores que Deus havia dado a José em sua juventude (37: 5–10; 42:9).

Depois que Moisés nasceu, sua mãe o colocou em uma cesta feita de junco e colocou-o entre os juncos pelo Nilo. A filha do faraó desceu ao rio e por acaso notou. Quando ela abriu, o bebê chorou. A filha do faraó teve pena e adotou Moisés como seu próprio filho (Êxodo 2: 3–10). Como resultado, Moisés foi protegido da sentença de morte para crianças do sexo masculino hebreus (1:16, 22), e ele "foi instruído em toda a sabedoria dos egípcios" (Atos 7:22). Assim, Deus elaborou seu plano, segundo o qual Moisés acabaria por libertar os israelitas do Egito.

Josué enviou dois espiões a Jericó. De todas as possibilidades, eles passaram a ir para a casa de Raabe, a prostituta (Josué 2:1). Raabe escondeu os espias e fez um acordo com eles (vv. 4, 12-14). Conseqüentemente, ela e seus parentes foram preservados quando a cidade de Jericó foi destruída (6:17, 5). Raabe então se tornou um ancestral de Jesus (Mt 1: 5).

Rute "passou a chegar à parte do campo pertencente a Boaz" (Rute 2: 3). Boaz notou Rute, e então uma série de eventos levou Boaz a casar-se com Rute, que se tornou antepassada de Jesus (Rute 4: 21-22; Mt 1: 5).

Durante a vida de Davi, lemos o seguinte relato do que aconteceu no deserto de Maon:
E Saul ia deste lado do monte, e Davi e os seus homens do outro lado do monte; e, temeroso, Davi se apressou a escapar de Saul; Saul, porém, e os seus homens cercaram a Davi e aos seus homens, para lançar mão deles.Então veio um mensageiro a Saul, dizendo: Apressa-te, e vem, porque os filisteus com ímpeto entraram na terra.Por isso Saul voltou de perseguir a Davi, e foi ao encontro dos filisteus; por esta razão aquele lugar se chamou Rochedo das Divisões.

(1 Sam. 23: 26–28)
Davi escapou por pouco de ser morto, porque os filisteus realizaram uma incursão em um determinado momento, e o mensageiro chegou a alcançar Saul quando o fez. Se nada tivesse acontecido para interferir com a perseguição de Saul, ele poderia ter conseguido matar Davi. A morte de Davi teria cortado a linha de descendentes que leva a Jesus (Mt 1: 1,6).

Quando Absalão arquitetou sua revolta contra o governo de Davi, um mensageiro veio a Davi, dizendo: “O coração dos homens de Israel foi atrás de Absalão” (2 Sm 15:13). Davi imediatamente fugiu de Jerusalém, onde de outro modo ele teria sido morto. Durante o vôo de Davi, Husai, o arquita, veio ao encontro dele, “com o casaco rasgado e sujeira na cabeça” (v. 32). Davi disse a Husai para que este voltasse a Jerusalém, fingisse apoiar Absalão e derrotar o conselho de Aitofel (v. 34). Como resultado, Husai conseguiu persuadir Absalão a não seguir o conselho de Aitofel para a batalha, e Absalão morreu na batalha que eventualmente aconteceu (18:14–15). Assim, os acontecimentos contribuíram para a sobrevivência de Davi.

Quando Ben-Hadade, rei da Síria, estava sitiando Samaria, a cidade estava morrendo de fome. Eliseu previu que no dia seguinte a cidade de Samaria teria farinha e cevada (2 Reis 7:1). O capitão expressou descrença, e então Eliseu previu que ele “veria isto ... mas ... não comeria” (v. 2). No dia seguinte, o capitão foi atropelado pelas pessoas que estavam correndo para fora do portão em direção à comida (v. 17). "morreu, como falara o homem de Deus" (v. 17), vendo a comida, mas não vivendo para participar dela. Sua morte foi um cumprimento da profecia de Deus.

Quando Atalia estava prestes a usurpar o trono de Judá, ela se comprometeu a destruir todos os descendentes da família davídica. Josebate passava por lá, e ela tomou Joás, filho de Acazias, e o escondeu (2 Reis 11:2). Assim, a linhagem da família davídica foi preservada, o que deveria ser o caso se o Messias viesse da linhagem de Davi, como Deus havia prometido. Joás foi um ancestral de Jesus Cristo.

Durante o reinado do rei Josias, os sacerdotes encontraram o Livro da Lei enquanto estavam consertando os recintos do templo (2 Reis 22:8). Josias tinha lido para ele, e assim ele foi energizado para inaugurar uma reforma espiritual.

A história de Ester contém outras ocorrências. Ester, por acaso, estava entre as moças levadas para o palácio do rei (Est 2:8). Ela foi escolhida para ser a nova rainha (v. 17). Mordecai descobriu sobre o plano de Bigtã e Teres contra o rei (v. 22), e o nome de Mordecai passou a ser incluído nas crônicas do rei (v. 23). Na noite anterior, quando Hamã planejava enforcar Mordecai, o rei não conseguiu dormir (6:1). Pediu a um assistente que lesse as crônicas e leu a parte em que Mordecai havia descoberto o complô contra o rei (vs. 1 e 2). Hamã estava entrando na corte do rei naquele exato momento (v. 4). Uma série de acontecimentos ocorreram juntos para levar Hamã a ser enforcado, os judeus sendo resgatados e Mordecai sendo homenageado.



Texto retirado de Chance and the Sovereignty of God: A God-Centered Approach to Probability and Random Events, de Vern S. Poythress. Usado com permissão da Crossway, um ministério de publicações da Good News Publishers, Wheaton, Il 60187, www.crossway.org.




E se todos os eventos - grandes e pequenos, bons e ruins - forem governados por mais do que apenas um acaso cego? E se eles forem governados por Deus? Nessa introdução teologicamente informada e filosoficamente diferenciada ao estudo da probabilidade e do acaso, Vern Poythress argumenta que todos os eventos - incluindo o aparentemente aleatório ou acidental - caem sob o olhar atento de Deus como parte de seu plano eterno. Abrangente em seu escopo, este livro estabelece a base teísta de nossas suposições científicas sobre o mundo, ao mesmo tempo em que aborda questões pessoais sobre o significado e a importância dos eventos cotidianos.



Traduzido livremente de: 
https://www.biblestudytools.com/bible-study/topical-studies/does-god-control-random-events.html


Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...