segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

Colombo e o Mito da Terra Plana (por Gary DeMar)

Resultado de imagem para colombo cristovao

Em cada "dia de Colombo"[1], Cristóvão Colombo é atacado por suas viagens de exploração de povos nativos. Ao mesmo tempo, os cristãos são ridicularizados por se oporem ao visionário Colombo pela sua rejeição à mitologia da terra plana, que se dizia ter sido mantida pela igreja medieval. 
Isso é verdade? Deixarei que a questão da exploração seja respondida por outras pessoas, mas a questão da terra plana é facilmente respondida. Nos onze volumes de Our Wonder World, publicados pela primeira vez em 1914, os editores apresentaram as seguintes alegações não documentadas: "Todos os povos antigos pensavam que a Terra era plana, ou, se não perfeitamente plana, uma grande superfície levemente curvada" e "Colombo estava tentando convencer as pessoas de que a Terra era esférica."[2]

Ainda em 1961 a Enciclopédia Britânica perpetuou o mito de que a viagem de Colombo consistia em provar que a Terra era redonda: "Antes de Colombo provar que o mundo era esférico, as pessoas pensavam que o horizonte marcava seu limite. Hoje sabemos melhor". 
As pessoas sabiam melhor nos dias de Colombo.

Um livro didático de 1983 para alunos da quinta série relatou que Colombo “sentiu que acabaria alcançando as Índias no Oriente. Muitos europeus ainda acreditavam que o mundo era plano. Colombo, eles pensavam, cairia da terra."[3]
Um texto de 1982 para alunos da oitava série dizia que os europeus "acreditavam que… um navio poderia navegar para bem longe para o mar, até cair na beira do mar…. As pessoas da Europa há mil anos sabiam pouco sobre o mundo."[4]


Image result for columbus flat earth myth


Conhecimentos Estéreis

Estudiosos proeminentes como John D. Bernal (1901-1971), em seus quatro volumes de Science in History (1954), e Daniel J. Boorstin (1914-2004), autor premiado e bibliotecário do Congresso de 1975 a 1987, propagaram o mito sem qualquer comprovação histórica. Boorstin derrama muita tinta inventando uma história de crenças da terra plana que ele remonta a um monge obscuro do século VI, Cosmas Indicopleustes, que, segundo o estudioso medieval Jeffrey Russell, "não tinha seguidores: seus trabalhos foram ignorados ou descartados. com escárnio por toda a Idade Média." ((Jeffrey Burton Russell, Inventing the Flat Earth: Columbus and Modern Historians (New York: Praeger, 1991), 4. ver Daniel J. Boorstin, The Discoverers: A History of Man’s Search to Know His World and Himself (New York: Random House, 1983), chaps. 11-14.))

Tentativas anteriores de apresentar Colombo como um iconoclasta científico podem ser encontradas em duas obras anticristãs padrão do século XIX, colocando a ciência contra a religião. John William Draper afirma que os cristãos não se preocupavam com descobertas científicas. Em vez disso, "elas se originaram em rivalidades comerciais, e a questão da forma da terra foi finalmente resolvida por três marinheiros, Colombo, Da Gama e, acima de tudo, por Fernão Magalhães."[5] Enquanto Colombo e outros marinheiros informados que navegavam regularmente além do horizonte acreditavam na "figura globular da terra", tal ideia, "como era de se esperar. . . era recebida com desagrado pelos teólogos."[6] Um argumento semelhante aparece em A History of the Warfare of Science with Theology in Christendom, de Andrew D. White.[7]

A "forma da terra" não estava em questão nos dias de Colombo. "Colombo, como todas as pessoas instruídas de seu tempo, sabia que o mundo era esférico…." [8]
É amplamente aceito o mito de que estudiosos da Renascença acreditavam que a Terra era plana e Colombo precisou provar que estavam errados navegando para o oeste para a "Índia". Isso dá uma ótima história, exceto por ser categoricamente falsa. Desde o início da história registrada, as pessoas perceberam que a Terra era uma esfera. Aristóteles chegou a essa conclusão através da geometria; os estudiosos Romanos também foram claros neste ponto. Explicações documentadas dão conta de como o mastro de um navio permanece visível depois que o corpo desaparece no horizonte. Até os marinheiros antigos tinham que estar cientes da curva da Terra. (JSTOR)
A imagem acima é de uma edição de 1550
de uma reprodução da obra On the Sphere of the World,
originalmente escrita por volta de 1230.

O culpado de terra plana

Como e por que o mito da terra plana começou? A lenda entrou na história quando Washington Irving publicou seus três volumes History of the Life and Voyages of Christopher Columbus (1828). Irving, mais conhecido por "The Legend of Sleepy Hollow" e "Rip Van Winkle", usou suas habilidades de escrita de ficção para fabricar um suposto confronto que Colombo teve com clérigos que sustentavam que a Bíblia ensinava que a Terra era plana. Esse encontro nunca aconteceu. Samuel Eliot Morison, um notável biógrafo de Colombo, descreve a história de Irving como "um absurdo enganoso e travesso ... um dos mitos colombianos mais populares". [9]

O relato ficcionalizado de Colombo, de Irving, descreve-o como sendo "atacado por citações da Bíblia e do Testamento: o livro de Gênesis, os salmos de Davi, as orações dos profetas, as epístolas dos apóstolos e os evangelhos dos evangelistas. A estes foram acrescentadas exposições de vários santos e reverendos Comentadores. . . . Tais são exemplos dos erros e preconceitos, da ignorância e da erudição misturadas e do fanatismo pedante com o qual Colombo teve que enfrentar."[10] Há apenas um problema no relato de Irving: "É fabricação, e é amplamente sobre esse construção que a ideia de uma terra plana medieval foi estabelecida."[11]

Semelhante aos mapas de hoje, os mapas medievais eram planos. "O mapa mundi [abaixo] interpretou o mundo em termos espirituais e geográficos, e incluiu ilustrações bíblicas e representações de lendas e aprendizados clássicos. Como descrições pictóricas do mundo exterior, esses mapas impressionantes também eram educativos; eles foram usados para ensinar história natural e lendas clássicas e reforçar crenças religiosas."


Mapa Mundi de Hereford (século XIII)


Atacando a Igreja

Boorstin afirma que de 300 d.C. a pelo menos 1300, a Europa sofreu sob o que ele descreve como "amnésia acadêmica" devido ao surgimento de "fé e dogma cristãos [que] suprimiram a imagem útil do mundo que havia sido tão lentamente, tão dolorosamente e tão escrupulosamente esboçada por geógrafos antigos."[12] Ele também afirma que os avanços científicos feitos pelos gregos foram desmantelados pelos cristãos com base em um apelo à Bíblia. Na verdade, é a Bíblia, independente de qualquer cosmologia concorrente, que apóia os dados empíricos de que a Terra é um globo:
A demonstração científica da rotundidade da Terra foi imposta pela religião; Deus fez da terra uma esfera porque essa era a forma mais perfeita. No Antigo Testamento, há uma referência a isso em Isaías 40.22: "Ele é o que está assentado sobre o círculo da terra" - sendo "círculo" a tradução da esfera hebraica: khug. [13]
Mapa mundi do Saltério, meados do século XIII
Obviamente, nem todos os cristãos apelaram à Bíblia por seus pontos de vista sobre a forma da terra. Na verdade, a Bíblia tem pouco a dizer sobre o assunto. Nada na Bíblia, no entanto, contradiz os dados empíricos. Por exemplo, o Venerável Bede (673-735), um monge de Jarow e "o Pai da história inglesa", sustentou "que a Terra é um globo que pode ser chamado de esfera perfeita, porque as irregularidades da superfície das montanhas e vales são muito pequenas em comparação com seu vasto tamanho." Ele especifica que "a terra é 'redonda' não no sentido de 'circular', mas no sentido de uma esfera".[14]


Profundo e Amplo

O debate nos dias de Colombo não era se a Terra era plana ou redonda. "A questão era a largura do oceano; e aí a oposição estava certa."[15] Colombo havia subestimado a circunferência da terra e a largura do oceano em um número significativo de quilômetros. "De fato, a distância que Colombo planejava percorrer [com base em mapas precisos] era de 16.600 milhas por via aérea."[16] Providencialmente para Colombo e sua tripulação nervosa, as Américas estavam no seu caminho.

Mesmo considerando suas conclusões equivocadas sobre medições, "Colombo sempre recebe os mais altos elogios dos estudiosos quando se trata de marinharia. Ele foi, sem dúvida, o melhor marinheiro do seu tempo."[17] Praticamente todo estudante de Colombo aceita a opinião de Bartolome de Las Casas (1484-1566), que escreveu em sua Historia de las Indias, que "Cristóvão Colombo superou todos os seus contemporâneos na arte da navegação."[18]


Conclusão

Nome do livroO mito de Colombo é outro exemplo de revisionismo histórico, a tentativa dos secularistas de lançarem a Igreja sob uma luz negativa. Historiadores liberais apreciam o fato de que crianças em idade escolar em todo o país estão sendo ensinadas que os cristãos são ignorantes e malucos que não querem ouvir a razão e a ciência. 
Quando os fatos da história são examinados com precisão, no entanto, descobrimos que a verdadeira ciência nunca entra em conflito com a Bíblia. A desinformação científica nunca é promovida através de um entendimento preciso da Bíblia. Em vez disso, a manipulação da verdade sempre ocorre fora da cosmovisão bíblica.


Extraído e traduzido livremente de:
https://americanvision.org/3040/columbus-and-the-flat-earth-myth



Notas:

[1] O  "Dia de Colombo" ou Dia da Hispanidade é um feriado nacional que celebra a chegada de Cristóvão Colombo à América em 12 de outubro de 1492. A data é comemorada em todos os países de Língua espanhola e também nos Estados Unidos.

[2] Howard Benjamin Grose, ed., Our Wonder World, 11 vols. (Chicago: George L. Shuman & Co., [1914] 1918), 1:1, 5.

[3] America Past and Present (Scott Foresman, 1983), 98. Quoted in Russell, Inventing the Flat Earth, 3.

[4] We the People (Heath, 1982), 28-29. Quoted in Russell, Inventing the Flat Earth, 3.

[5] John William Draper, History of the Conflict Between Religion and Science (New York: D. Appleton and Co., 1875), 159.

[6] Draper, History of the Conflict Between Religion and Science, 160.

[7] Andrew D. White, A History of the Warfare of Science with Theology in Christendom (New York: George Braziller, [1895] 1955), 108.

[8] Zvi Dor-Ner, Columbus and the Age of Discovery (New York: William Morrow, 1991), 72.

[9] Samuel Eliot Morison, Admiral of the Ocean Sea: A Life of Christopher Columbus (Boston, MA: Little, Brown and Co., 1942), 89.

[10] Citado em Russell, Inventing the Flat Earth, 53.

[11] Russell, Inventing the Flat Earth, 53.

[12] Boorstin, The Discoverers, 100.

[13] Samuel Eliot Morison, The European Discovery of America: The Northern Voyages (New York: Oxford University Press, 1971), 6.

[14] Russell, Inventing the Flat Earth, 20.

[15] Morison, Admiral of the Sea, 89.

[16] Kenneth C. Davis, Don’t Know Much About History: Everything You Need to Know About American History but Never Learned (New York: Crown Publishers, 1990), 6.

[17] Robert H. Fuson, The Log of Christopher Columbus (Camden, ME: International Marine Publishing Co., 1987), 29.

[18] Citado em Fuson, The Log of Christopher Columbus, 29.

Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...