sábado, 2 de abril de 2011

Deus, o humor e o perigo

“Poucas coisas são tão benéficas na vida cristã como um agradável senso de humor, e poucas são tão mortais como um senso de humor descontrolado”
(A. W. Tozer) 


Em seu texto “Uso e abuso do humor”, Tozer faz considerações importantíssimas sobre como um cristão deve lidar com esse dom divino que é o humor. 
A primeira coisa que Tozer destaca é que o humor é uma dádiva que nos foi concedida pelo próprio Deus, sendo um elemento constituinte da  própria formação humana: 
“Quando Deus nos fez, incluiu o senso de humor como um traço característico embutido em nossa estrutura, e o ser humano normal possui este dom “. E ele prossegue dizendo que o humorismo surge da nossa habilidade em perceber o que está fora do lugar, fora de foco: “A fonte do humorismo é capacidade de perceber o incôngruo. As coisas que estão fora de foco nos parecem engraçadas, e podem despertar em nós um sentimento de diversão que irromperá em risada”.

Sendo assim, a falta de humor seria algo anormal, uma anomalia típica de ditadores e fanáticos: “Hitler nunca percebeu como ele parecia divertido, nem Mussolini soube como soava ridículo quando declamava solenemente as suas frases bombásticas. … O religioso fanático olha para situações tão cômicas que chegam a provocar incontrolável hilaridade em pessoas normais, e não vê nada de divertido nelas. … E na medida em que é cego para o incôngruo, é anormal; não é integralmente o que Deus quer que ele seja”.

Sem dúvida alguma, Deus nos deu o humor e com certeza o aprecia. Afinal, Deus viu que tudo quanto criara era bom. Contudo, é imprescindível que façamos uma clara e nítida distinção entre o humor e a frivolidade: “O cultivo de um espírito que não pode levar a sério nada é uma das grandes maldições da sociedade e, dentro da igreja, tem servido para impedir muita bênção espiritual que doutro modo teria descido sobre nós”. E para enxergarmos o limite que separa o humor da frivolidade, é preciso saber que há coisas das quais podemos e até mesmo devemos rir, doutra forma seríamos anormais. Todavia, há coisas com as quais não devemos brincar. Não se deve fazer piada com o que entristece a Deus: “o pecado não é divertido; a morte não é divertida. Não há nada de engraçado num mundo cambaleando à beira da destruição … nada de engraçado nos milhões que perecem a cada ano sem jamais terem ouvido o Evangelho de amor”.

Não há nada de engraçado ao ver a Igreja, que é o corpo de Cristo, a família do Pai e o Templo do Espírito,  infiltrada por inimigos da cruz de Cristo. Não há nada de engraçado por ver a Igreja abrindo-se para a heresia e o engano. Não há nada de engraçado em ver a hipocrisia. Não há nada de engraçado ver o povo padecendo por falta de conhecimento. Tais coisas deveriam nos fazer chorar e agir em direção à edificação da Igreja e o resgate dos que se encontram perdidos. Como disse Tozer: “quando o humorismo toma a religião como seu objeto de diversão, já não é natural – é pecaminoso e deve ser denunciado pelo que é. E deve ser evitado por todo aquele que deseja andar com Deus”.

Por fim, no último parágrafo de seu texto, Tozer nos ensina: “Não estou argumentando em prol de uma solenidade anti-natural; não vejo valor na melancolia, e não vejo mal numa boa risada. Minha luta é por uma seriedade grandiosa que harmonizará a n0ssa disposição de ânimo com a do Filho do homem, dos profetas e dos apóstolos das Escrituras”.




Extraído de:
http://pensandoavida.com/blog/2010/08/22/deus-o-humor-e-o-perigo/

Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...