sexta-feira, 27 de setembro de 2013

O Homem por Trás do Mito (parte 05 de 05)



Calvino passou três anos em Estrasburgo, e sem dúvida aqueles dias foram os mais felizes de sua vida. Foram também, talvez, os anos mais decisivos para seu desenvolvimento como reformador e teólogo. Observemos cinco dimensões de sua vida durante esse período crucial.

Em primeiro lugar, Calvino era um pastor. Naquela época, Estrasburgo não pertencia à França, mas era uma cidade imperial livre do Sacro Império Romano. Contudo, estava suficientemente perto da França para atrair um considerável número de refugiados franceses, os quais procuravam asilo da perseguição em sua terra natal. Calvino foi chamado como pastor da ecclesiola Gallicana, a pequena congregação francesa, que se reunia na igreja de S. Nicolau. Ali, Calvino celebrava o sacramento da ceia do Senhor e ocupava-se dos vários pormenores de seu ministério pastoral. Ele refletiu seriamente acerca do papel da adoração na igreja e traduziu vários salmos para a métrica francesa. Assim começou o canto congregacional dos salmos, o que se tornou parte integrante do culto reformado francês. Um refugiado que visitou a igreja de Calvino fez a seguinte descrição do culto:

Todos cantam, homens e mulheres, e é um belo espetáculo. Cada um tem um livro de cânticos nas mãos. [...] Olhando para esse pequeno grupo de exilados, chorei, não de tristeza, mas de alegria, por ouvi-los todos cantando tão sinceramente, enquanto cantavam agradecendo a Deus por tê-los levado a um lugar onde seu nome é glorificado.30

Calvino deve ter tido em mente cenas como essa quando declarou, posteriormente, que "nós sabemos por experiência que o canto tem grande poder e vigor para mover e inflamar os corações dos homens, a fim de invocar e louvar a Deus com zelo mais veemente e ardente" .31

Em segundo lugar, Calvino era um professor. John Sturm, também francês e erudito da Universidade de Paris, havia organizado uma escola em Estrasburgo para a qual Calvino foi indicado como "conferencista das Sagradas Escrituras". Ali, Calvino dava palestras três vezes por semana, oferecendo cursos exegéticos acerca do evangelho de João e das epístolas paulinas. Ele também pregava quatro sermões por semana a sua congregação. O currículo da escola de Sturm, com sua forte ênfase na literatura clássica, tornou-se um modelo para a escola de Calvino, em Genebra. No início, pagavam a Calvino apenas um florim semanal por suas palestras. Ele complementava sua renda dando aulas particulares, recebendo pensionistas, advogando nas horas vagas e, o que mais deve tê-lo feito sofrer, vendendo algo de sua preciosa biblioteca. Ele se queixava do alto custo de vida em Estrasburgo: "Não consigo chamar de meu um único centavo. É impressionante como o dinheiro some em despesas adicionais".32

Em terceiro lugar, Calvino era um escritor. Sua publicação mais importante foi uma edição totalmente revisada das Institutas, a qual surgiu em agosto de 1539. Era aproximadamente três vezes mais longa que a versão de 1536. Seu propósito expresso era "preparar e treinar estudantes de teologia para o estudo da Palavra divina, a fim de que possam ter fácil acesso a ela e manter-se nela sem tropeçar".33 Em 1541, publicou-se a primeira tradução francesa das Institutas. Foi um marco no desenvolvimento da língua francesa, comparável em seu efeito à Bíblia de Lutero em alemão ou à Versão Autorizada em inglês. Também em 1539, Calvino publicou seu Comentário sobre Romanos, uma abordagem magistral do que para ele, não menos do que para Lutero, era o mais importante livro da Bíblia. Esse foi o primeiro dos comentários bíblicos de Calvino; no final, ele publicou comentários sobre a maioria dos livros do Antigo Testamento e acerca de cada livro do Novo Testamento, exceto Apocalipse e 2 e 3 João.34

Devemos mencionar três breves mas brilhantes trabalhos que Calvino escreveu durante esses anos. Um foi a resposta ao Cardeal Jacopo Sadoleto, um prelado católico de mente reformadora que escrevera à igreja de Genebra tentando ganhá-la de volta para Roma. A Réplica a Sadoleto de Calvino é um tour de force literário, talvez a melhor apologia da fé reformada escrita no século XVI. Ele também publicou um livro de liturgia, A Forma das Orações e Hinos Eclesiásticos, que teria um efeito duradouro sobre a adoração reformada. O Pequeno Tratado sobre a Santa Ceia foi o primeiro esforço respeitado de Calvino por estabelecer uma posição intermediária entre os extremos luteranos e zuinglianos acerca da Eucaristia. Se Calvino tivesse falecido em 1541 na idade madura de 32 anos, ainda assim ele seria reverenciado hoje como um dos maiores teólogos e um dos mais hábeis escritores entre os reformadores.

Em quarto lugar, Calvino era um estadista da igreja. Bucer e Wolfgang Capito, reformadores de Estrasburgo, tentaram desesperadamente emendar o cisma entre os protestantes da Alemanha e os da Suíça. Eles também participaram de uma série de conferências com o objetivo de voltar a unir protestantes e católicos. A unidade ainda parecia possível em 1540, já que o Concílio de Trento não havia sido convocado nem as selvagens guerras religiosas tinham mostrado suas baixas. Calvino esteve envolvido em muitas dessas discussões. Ele viajou para Frankfurt, Hagenau e Worms como um tipo de conselheiro das delegações protestantes em tais conferências interconfessionais. Numa delas, encontrou Philip Melanchthon, com quem iniciou uma amizade que duraria a vida inteira. A verdadeira importância desses encontros, para Calvino, foi a visão universal da igreja que lhe foi confirmada. Ele lamentava o caráter fragmentado da cristandade: "Entre os maiores males de nosso século deve ser contado o fato de que as igrejas encontram-se tão divididas entre si e de que mal há um relacionamento humano entre nós".35 Calvino não estava disposto a comprometer pontos essenciais em favor de uma paz falsa, mas ele tentou chamar a igreja de volta à verdadeira base de sua unidade em Jesus Cristo.

Em quinto lugar, em Estrasburgo Calvino tomou-se um marido. Sem dúvida Calvino era um bom partido na cidade. Bucer, o casamenteiro entre os reformadores, tentou várias vezes conseguir uma noiva adequada para o jovem pastor. Uma das pretendentes não falava nada de francês. Visto que Calvino não sabia alemão, concluiu-se que haveria um problema de comunicação. Numa carta a Farel, Calvino descreveu o que ele realmente desejava numa esposa:

Eu não sou do tipo selvagem de amante que, ao ver pela primeira vez uma bela figura, aceita todos os defeitos de sua amada. Eis a única beleza que me seduz, se ela é casta, nem muito atraente nem muito desdenhosa, se é econômica, se é paciente, se há esperanças de que venha a interessar-se por minha saúde.36

Como observou uma de minhas alunas, com esse tipo de receita, foi uma surpresa ele ter encontrado uma esposa! De fato, ele desposou uma de suas próprias paroquianas, Idelette de Bure, a viúva de um anabatista francês convertida à fé reformada pelo próprio Calvino. Ela foi descrita por FareI, que realizou o casamento, como uma mulher "íntegra e honesta" e "até bonita".37

Gostaríamos de saber mais acerca da vida familiar no lar de Calvino; contudo, mais uma vez, muito disso está oculto por trás do véu da reticência. Podemos supor que o relacionamento entre Calvino e Idelette não foi um ardoroso caso de amor como o de Abelardo e Heloísa, nem mesmo talvez uma satisfação jovial como o de Lutero e Katie. Mas também não foi o acordo estóico e sem relações sexuais muitas vezes retratado pelos detratores de Calvino. Idelette deu a Calvino apenas um filho, um menino de nome Jacques, que nasceu prematuramente e morreu quando ainda bebê. Obtemos um vislumbre da dor de Calvino numa carta que escreveu a seu amigo Pierre Viret: "Certamente, na morte de nosso filho amado o Senhor afligiu-nos com uma profunda e dolorosa ferida. Mas ele é nosso Pai: ele sabe o que é melhor para seus filhos".38 Quando a própria Idelette faleceu, em 1549, Calvino novamente escreveu para Viret: "Você conhece a ternura, ou melhor, a doçura de minha alma. [...] A razão de minha tristeza não é comum. Fui privado de minha excelente companhia na vida, a qual, se alguma desventura tivesse ocorrido, teria sido minha companheira voluntária não só no exílio e na aflição, mas até na morte" .39 Calvino viveu por mais 15 anos após a morte de Idelette; contudo, não devemos imaginar que mesmo então sua vida ficou livre dos tumultos e aborrecimentos da vida doméstica diária. Idelette deixou duas crianças de seu primeiro casamento, a quem Calvino continuou a propiciar um cuidado solícito, conforme prometera à esposa em seu leito de morte. Além disso, Antonie, irmão de Calvino, e sua família - ele tinha oito filhos de duas esposas, sendo que da primeira ele se divorciou por causa de seu adultério com um servo - juntamente com vários outros amigos e parentes, partilhavam da modesta moradia do reformador no número onze da Rue des Chanoines, em Genebra. Na maior parte de sua vida, a casa de Calvino esteve cheia de crianças pequenas. Como um dos biógrafos sabiamente observou, "sem dúvida as mulheres protegiam ele e as crianças uns dos outros". Ainda assim, é sensato perceber que as Institutas e os comentários de Calvino e seus muitos tratados e sermões não foram "escritos numa torre de marfim, mas contra um contexto tumultuado" .40

Quando o povo de Genebra implorou a Calvino que voltasse à igreja deles, onde as coisas tinham ido de mal a pior, ele contestou. Calvino preferia a feliz situação em Estrasburgo ao perigoso "abismo e redemoinho" que ele havia deixado três anos antes, "aquela cruz na qual eu tinha de morrer mil vezes a cada dia".41 Mas não foi precisamente isso o que Jesus prometera a seus seguidores - uma cruz? O consenso entre os amigos de Calvino era de que ele deveria retomar. Desta vez, Bucer levantou o tema do julgamento divino: se você se recusar a retomar seu ministério, estará agindo como Jonas, que tentou fugir de Deus!42 Totalmente persuadido a voltar, Calvino reentrou em Genebra em 13 de setembro de 1541. O restante de sua carreira como reformador foi simbolizado pelos dois atos oficiais que ele realizou ao retomar. Um foi apresentar ao conselho da cidade um plano detalhado para a ordem e o governo da igreja. Estas Ordenanças Eclesiásticas exigiam o estabelecimento dos quatro ofícios de pastor, doutor (professor), ancião e diácono, que correspondiam a doutrina, educação, disciplina e serviço social.43 O conselho aprovou o plano de Calvino, mas ele passou o resto de sua carreira tentando, nunca com sucesso absoluto, assegurar sua execução.

O outro ato de Calvino também foi de importância decisiva. No primeiro domingo após seu retorno, ele subiu ao púlpito da Catedral de São Pedro. A grande catedral gótica estava abarrotada de genebreses curiosos, que esperavam ouvir um Calvino exultante açoitando seus oponentes, os quais o haviam tirado da cidade, e lançando um inflamado sermão do tipo "eu-os-avisei" à assembléia inteira. Numa carta a Farel, Calvino contou o que fez: "Depois de um prefácio, continuei com a exposição de onde havia parado - com o que mostrei que havia interrompido meu ofício de pregador durante algum tempo, e não que tinha desistido dele inteiramente".44 Nada poderia ter sido menos impressivo ou mais eficaz. Calvino simplesmente começou de onde tinha parado três anos antes, no mesmo capítulo e versículo do livro da Bíblia (não sabemos qual era, nem isso importa) que estava pregando. Dessa forma, Calvino demonstrou que ele pretendia que sua vida e sua teologia não fossem um recurso de sua própria criação, mas um testemunho responsável da Palavra de Deus.



30 Parker, p. 69.

31 Esse trecho é do prefácio ao Saltério de Calvino de 1542. Cf. McNeill, History and Character, p. 148.

32 Parker, p. 69.

33 lbid., p. 72; OS 1, pp. 25-256.

34 A mais recente edição crítica do Comentário sobre Romanos foi publicada por T. H. L. Parker, Iohannes Calvini Commentarius in Epistolam Pauli ad Romanos (Leiden: E. J. Brill, 1981). Veja também T. H. L. Parker, Calvin's New Testament Commentaries (Londres: SCM Press, 1971) e Calvin's Old Testament Commentaries (Edimburgo: T. and T. Clark, 1986).

35 Calvino para o Arcebispo Cranmer: CO 14, coI. 313. q. Jean Cadier, "Calvin and the Union of the Churches", in: John Calvin: A Collection of Essays, ed. G. E. Duffield (Grand Rapids: Eerdmans, 1966), pp. 118-130.

36 Jules Bonnet, ed., Letters of John Calvin (Nova Iorque: Burt Franklin, 1972; edição original, 1858), I, p. 141.

37 A. L. Herminjard, ed., Correspondence des Réformateurs dans les pays de langue française (Genebra e Paris: 1866-1897), VI, p. 285.

38 lbid., VIII, p. 109.

39 CO 13, col. 230. Citado parcialmente em Stauffer, p. 45.

40 T. H. L. Parker, Calvin: A Portrait (Londres: SCM, 1954), p. 72.

41 Herminjard, VI, pp. 199, 325-326.

42 Assim Beza relatou em seu "Life of Calvin". Tracts and Treatises, I, p. lxxv.

43 Karl Holl, Johannes Calvin (Tübingen: J. C. B. Mohr, 1909), p. 12: "Wenn Calvin die vier Aemter der Pastoren, Lehrer, Aeltesten, Diakonen aus dem Neuen Testament übernahm, so fand er in ihnen zugleich die Frunktionen der Kirche ausgedrückt, die er für konstitutiv hielt: Lehre, Zucht, Jugendunterricht und soziale Fürsorge". 



Extraído de:


Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...