sexta-feira, 25 de julho de 2014

Bahnsen em Guerra - uma análise sobre "Guerra Justa" (por Dr. Joel McDurmon) - parte 02 de 02


Só guerras defensivas, nenhum exército permanente 

Bahnsen argumenta ainda que uma "causa justa" deve ser "defensiva". 
Não há na Bíblia nenhum mandado para a guerra agressiva como regra geral para qualquer nação. Basta parar e pensar sobre o significado desse silêncio. Às vezes, podemos falaciosamente apelar ao silêncio. No entanto, eu não acredito que isso é falacioso. Para você ver, nenhum homem tem o direito de tomar a propriedade de outro homem, tomar a liberdade de outro homem, tirar a vida de outro homem sem o mandado de Deus. E, portanto, a ausência de qualquer mandado de Deus em Sua Palavra para a guerra agressiva é um silêncio ensurdecedor, moralmente falando. Nenhum homem pode tomar para si tero  juízo sobre a vida e a propriedade de outrem. 
Com base nesse princípio, as vidas perdidas em guerras injustas devem ser considerados como "assassinato". 
Se Deus não sancionou o assassinato de um outro indivíduo, sabemos muito bem que nós consideramos isso assassinato. Se Deus não tem, portanto, sancionado guerra agressiva, aqueles que morrem nessa situação foram assassinados. 
Além disso, Deuteronômio 17:16 comanda que os cavalos - uma "arma ofensiva" da época - deveriam ser limitados. Assim segue o aviso de Bahnsen de como a lei bíblica proíbe um exército permanente: "Israel não devia ser uma nação agressiva depois de tomar a terra. E não devia haver nenhum exército permanente em Israel" Isto é evidente em outros lugares também. "Deuteronômio 20:09 indica que não havia funcionários regulares em Israel. Isso apareceria em mais textos do que temos tempo para estudar esta noite, que Israel usou um sistema de milícia que foi chamado para fins especiais "

Bahnsen deixou claro que este é um comando moral de Deus: "Somente guerra defensiva. . . do ponto de vista moral" A menos que Deus especialmente justifique tirar a vida e propriedade dos outros "então isso é imoral". E isso se aplica a nós: ".. aquele princípio da Lei de Deus se aplica a todas as nações "

Não-intervenção 

Bahnsen julgou que existe algo como uma "guerra preventiva", mas o seu uso do termo está muito longe da de crusados e gaviões (crusaders e hawks). Para Bahnsen, guerra preventiva só pode ser usada em um contexto estritamente defensivo exigindo clara intenção de agredir um inimigo. 
"A guerra defensiva, pode envolver o que hoje chamaríamos de guerra preventiva. Às vezes, é o caso que você em defesa dá o primeiro passo para atacar contra o seu oponente quando você tem uma indicação - uma clara indicação - da intenção do adversário de atacá-lo ou o seu país."
Para que isso seja tomado como suporte para as ações militares em seu próprio tempo, Bahnsen notaria mais tarde nesta palestra: 
"Eu, por exemplo, estou convencido de que nós não temos nenhuma jurisdição ou direito de ser travando uma guerra no Oriente Médio." 
Em vez disso, Bahnsen foi notando uma ressalva polêmica para a teoria da guerra justa. Mesmo assim, ele continuou com forte cautela e reconhecimento do gelo fino: "Agora isso chega a ser muito complicado", e, por essa razão, a discussão da guerra preventiva exige "regras e limitações" que se aplicam "apenas quando há uma clara intenção por parte desta nação em guerra contra nós. Assim, a fim de salvar a vida humana podemos dar o primeiro passo e impedir que isso aconteça. "

Mas a regra mais importante, e uma que Bahnsen gasta tempo desenvolvendo, é a exigência de jurisdição, bem como o princípio que deve governar a época: uma política externa não-intervencionista. 

Ele pergunta: "E sobre a questão de não intervir nos assuntos de outro país por boas causas? O que dizer de travar cruzadas por fins justos em outras nações?" Ele responde: uma guerra justa deve envolver o direito de intervir
Houve muitas cruzadas travadas na história do mundo ocidental, e em nossa própria nação, para o que são, supostamente, causas justas. Para tornar o mundo seguro para a democracia temos entrada em guerra. Estamos envolvidos em guerra para acabar com todas as guerras. Dedicamo-nos à guerra para resgatar os oprimidos. Entramos em guerra para proteger o mundo contra a proliferação nuclear. E assim por diante a lista poderia continuar - todos elas boas causas para se envolver em uma cruzada. Mas a questão diante de nós esta noite agora é: "Será que temos o direito de intervir - gastar dinheiro e sangue por causa dessa causa?" 
Bahnsen dá duas analogias. Eu acho que elas são pouco desenvolvidas e, portanto, fracas, mas elas têm o princípio correto: a jurisdição é limitada

Você tem o direito o direito de intervir, por exemplo, para assumir o controle e disciplina dos filhos do seu vizinho, para fiscalizá-los, por exemplo, em escovar os dentes? Não. Seria uma infração dos limites jurisdicionais. (Reconhecidamente, há infrações para as quais a intervenção seria justificada - abuso, etc. Mas aqui não seria por outra família, mas pela autoridade civil legal. Isso precisa ser mais bem concretizados, mas o princípio está de pé.) 

Em segundo lugar, por exemplo, nós temos o direito de excomungar os pecadores impenitentes de uma denominação em que não estamos? Obviamente que não. Embora a causa seja correta, não há jurisdição. 

Assim Bahnsen conclui na esfera civil entre as nações: "O fato de que uma causa ser justa, não significa que qualquer pessoa pode tornar-se o poder de polícia para lidar com a injustiça que está sendo corrigida." 
O problema moral vai tornar-se um de jurisdição: a área circunscrita de autoridade legítima ou o Estado. E eu acredito que a área circunscrita de autoridade para o Estado é os seus próprios cidadãos, e não os cidadãos de outra terra ou de outra nação. . . .  
Nações acumulam a responsabilidade moral em nome da justiça pelo que acontece em regimes estrangeiros? Se sim, onde Deus nos diz isso? Onde é que Deus nos diz que temos o direito de intervir em outro país, mesmo em uma causa justa? E a resposta para isso é aquele silêncio ensurdecedor: Ele não faz. 
Os Estados e os povos que desejam abusar destes limites morais estão pressionando por um estado messiânico: "As pretensões messiânicas equivocadas de estados devem ser evitadas. Para você ver, boas intenções, mesmo em uma causa justa, não são suficientes para fazer a ação de guerra moralmente correta. . . . Nós não podemos garantir a liberdade de outras pessoas. Não podemos garantir o seu tratamento justo, e não é o nosso negócio fazê-lo "(Provérbios 26:17; 11:15; 17:18). 

Mas não temos como cristãos a obrigação de ajudar nossos próximos quando eles são atacados? Bahnsen repreende esta questão como "raciocínio enviesado, o raciocínio falacioso." Isso reflete uma atitude de coerção: "O que eu escolho fazer é uma coisa. Mas não tenho o direito de escolher por um outro algo que eu escolhofazer. " O que ele quer dizer com isso no que diz respeito à guerra? Ele diz: 
Eu posso optar por desistir da minha vida, da minha liberdade, da minha segurança para o bem, causas justas. Mas eu não posso escolher isso por você, nem você pode escolhê-lo para mim, nem os Estados Unidos podem escolhê-lo para as pessoas que não escolheram para si. . . . 
Os políticos que escolhem intervenção pela guerra, vamos lembrar, estão sempre gastando o dinheiro vidas e liberdade dos outros, e eles não têm o direito de fazer isso, exceto onde Deus tenha autorizado. Eles não têm o direito de tomar jurisdição, aplicar a polícia, poderes coercitivos do Estado, exceto onde Deus autoriza. O estado é uma agência de coerção, e sempre que o estado decide ajudar uma pessoa ou ajudar um grupo, deve coercitivamente tomar essa ajuda de outras pessoas. 
Isto inclui a defesa. A mesma regra que condena os estados de bem-estar também condena o estado de guerra. O Estado não tem o direito de efetuar a redistribuição da riqueza, Bahnsen diz: 
nem o Estado tem o direito de escolher o sangue do meu filho por causa de seus fins políticos, mesmo que seja uma causa justa. Porque a questão é se Deus autorizou o estado - os Estados Unidos da América - a intervir nos assuntos de outro país. Será que Deus fez os Estados Unidos da América a polícia do mundo? E assim, o problema moral é de jurisdição. 
Bahnsen é muito sincero em aplicar isso ao nosso próprio tempo: "Se olharmos para os fatores que entram em uma guerra justa, podemos estar inclinados a dizer que alguns dos conflitos militares, até mesmo por nossa própria nação maravilhosa, os Estados Unidos da América, não foram guerras justas. "

Três aplicações / Qualificações 

Bahnsen fornece três elucidações ao que ele ensinou até agora. 
Em primeiro lugar, a Bíblia ensina o direito de objeção de consciência seletiva. Isso significa que as pessoas têm "o direito moral de se recusar a apoiar a guerra ímpia. . . . As pessoas têm o direito de se opor à guerra quando essas qualificações não sejam atendidas. "

Mas aqui está um problema: "A Suprema Corte descartou e proibido objecção de consciência seletiva." Não se pode opor seletivamente guerra-por-guerra na América moderna, mas devem declarar-se opositores conscientes em todos os sentidos. Mas isso é pacifismo "que não é o que a nossa confissão de fé e não é o que a Bíblia ensina a todos." Nos Estados Unidos, a objeção consciente ou é tudo ou nada, e isso é errado. 

Em segundo lugar, Bahnsen quer distinguir entre o apoio moral que damos a administração política e o apoio moral que damos a tropas que realizam essas decisões. Ele explica: 
Assim, embora eu, pessoalmente, esteja convencido de que nós não temos nenhuma jurisdição ou direito de ser travando uma guerra no Oriente Médio, eu também sou um defensor fervoroso desses compatriotas meus que estão lá lutando na guerra. Para você ver que uma coisa é dizer que o comando mais elevado está errado no que ele está fazendo, e outra coisa é não apoiar aqueles estão lá para fazer algo no interesse da justiça. 
Esta é uma das poucas áreas em que eu não acho que Bahnsen é totalmente consistente, porque eu não acho que essa nuance aplica plenamente seus próprios ensinamentos acima relativos a um exército permanente e objeção de consciência seletiva. Este dilema moral é aquele que surge com o problema de um exército permanente. Uma vez que você se inscreve, você assinou um contrato para lutar em quaisquer guerras para as quais você for enviado, ou então enfrentar a corte marcial. Se inscrever é renunciar o direito que você tem à objeção consciente seletiva. Assim, você concordou em lutar, potencialmente, em guerras injustas. E assim, eu tenho o direito moral de apoiar essa pessoa quando o evento surge? Eu gostaria de ter a oportunidade para fazer esta pergunta a  Bahnsen

Além disso, esta distinção leva ao beco sem saída lógico potencial da defesa de Nuremberg. Mesmo que você implicitamente concordar em lutar em quaisquer guerras injustas à frente, o soldado e os apoiadores de soldados que estão lutando em uma guerra injusta podem simplesmente dizer: "É responsabilidade da administração. Estou apenas cumprindo ordens "

Bahnsen não desempacota esta questão a esse ponto. Mas ele retornou mais plenamente à lógica de liberdade e de uma milícia livre durante o Q&A. subseqüente. Alguém lhe perguntou se seria aceitável para as pessoas ir voluntariamente lutar nas causas justas de outras nações, mesmo que isso fosse errado sua própria nação intervir a nível nacional. Bahnsen respondeu que os soldados podem voluntariamente aderir a um esforço promovido em outra nação - ele apenas objeta que eles sejam coagidos a fazê-lo. Esta é a resposta correta, e compactua muito bem com sua posição contra um exército permanente e as guerras de intervenção. 

Em terceiro lugar, Bahnsen argumenta que o realismo bíblico exige que decisões morais sejam feitas mesmo depois que uma decisão preliminar que é imoral foi feita. Em outras palavras, só porque foi feita uma decisão imoral, nós não cancelamos todas as decisões subsequentes por causa disso. 

Novamente, eu não entendo bem Bahnsen especificamente aqui, mas apenas em plena forma geral. Mais uma vez, acho que suas analogias são subdesenvolvidas, mas ao contrário dos relativos à competência acima, eu não acho que isso pode ser melhorado. Ele argumenta que a Lei do Antigo Testamento tem prevenções para o abuso de poligamia, embora a Lei condenasse a poligamia. O mesmo aconteceu com o divórcio e escravidão. Bahnsen argumenta que essas coisas indicam que Deus espera que façamos a coisa certa, mesmo depois que erros críticos foram feitos. 

Em suma, se uma nação entra em uma guerra ímpio, temos de perguntar: "Agora o que vamos fazer?" 
Quando uma nação entra em uma causa justa, sem o direito de fazê-lo e, portanto, está envolvida em uma guerra injusta, ainda há outra questão ética de 'O que devemos fazer agora? Agora que as tropas foram enviadas? Agora que todo este tempo, e esforço, e dinheiro tem ido para isso? 
"Antes de tudo, às vezes, sair de um conflito militar naquele momento pode criar piores condições para corrigir. . . . É certamente uma possibilidade teórica." Isto é certamente verdadeiro, e fornece o contexto adequado para a questão. Isso nos traz de volta a todos os outros princípios que discutimos - contando os custos da guerra, etc. Bahnsen está dizendo que, às vezes se retirar imediatamente, ou possivelmente até mesmo de qualquer forma, pode ser mais custoso. 

Mais uma vez, temos de reconhecer que, infelizmente, 1 hora de aula de Bahnsen não poderia desempacotar tudo o que sua mente brilhante e incisiva poderia ter fornecido sobre o assunto. Eu gostaria que ele tivesse sido muito mais detalhado em alguns lugares. 

Conclusão 

Bahnsen conclui a noite, lembrando-nos de que a causa da guerra é o pecado. Mas, enquanto muitos líderes usariam esse fato como uma razão para a necessidade de cruzadas e agressão, Bahnsen vê isso como uma razão para defender a não-intervenção: 
No final, a resposta para o problema da guerra nunca vai ser encontrado com mais violência. Tão inteligentes quanto pudermos, e conforme as muitas regras para guerra que nós olhamos, no final haverá uma outra abordagem inteira para pôr fim à guerra no mundo, e eu vou te dar uma pequena dica: acredito que a resposta a essa vai ser enviar missionários e não bombas. 
Na verdade, há algo muito mais poderoso que o intervencionismo. Nós temos armas muito mais poderosas do que as bombas. Esta não é a uma chamada para o pacifismo, de qualquer forma, mas às prioridades. 

No final, Bahnsen virou-se para as escrituras para as leis militares e de guerra. Ele encontrou Leis muito específicas de Deus. Essas leis nos chamam para a guerra apenas em causas justas, apenas para guerras defensivas, com milícias de voluntários, só depois de todas as vias possíveis de paz estarem esgotadas, só em respostas calculadas, somente quando viável física e financeiramente, e apenas quando temos a competência legítima para fazê-lo. Essas leis, de acordo com Bahnsen, proíbem exércitos, guerras de agressão e intervencionismo. O princípio não-intervencionista do Bahnsen teria nos dado, como uma nação, a maior parte do tempo cuidando de nossas próprias obrigações, buscando a paz e enviando missionários em vez de soldados. 


Tradução livre a partir de: http://americanvision.org/9926/bahnsen-war/

- Aceito sugestões de correção na tradução, caso necessário.


Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...