quinta-feira, 24 de julho de 2014

Bahnsen em Guerra - uma análise sobre "Guerra Justa" (por Dr. Joel McDurmon) - parte 01 de 02




Nota: Eu, "Barrabás", atualmente tenho a mesma opinião que o autor do artigo sobre os temas tratados, mas ainda preciso me aprofundar em algumas partes para ter plena convicção.
Peço que encarem esse texto como um ponto de vista e julguem biblicamente e segundo as suas consciências.
O título do texto original é: "Bahnsen On War"


Comentários iniciais do autor:
Meus artigos sobre a visão bíblica da guerra e dos militares, e meu livro subseqüente The Bible & War in America nos Estados Unidos, estimularam muita discussão e, para alguns, considerável introspecção. Muitos seguidores da teonomia ou Reconstrução Cristã já entendem a posição, mas alguns nunca haviam considerado a lei bíblica em relação a estes assuntos, e muito menos pensaram nas aplicações modernas da mesma lei. Estamos prestes a ver que Greg Bahnsen não as tinha considerado também, mas quando o fez, isso o mudou. 


Existem vários pontos de vista de guerra, mas simplesmente não tem havido muita exegese sobre o tema em nossos círculos. Um fenômeno comum, portanto - e que eu acho que é um resultado dessa relativa negligência - foi a aceitação do status quo do exército permanente, belicista, da política externa intervencionista, etc, que é comum entre os tipos de establishment e neoconservadores. Não foi ainda emitida uma opinião definitiva "cruzada" de guerra - da política externa agressiva, conquista - por alguns no mundo Reformado. 

Entre as poucas tentativas de exegese, além da minha, ergue-se um grande exemplo por Greg Bahnsen, em sua série de três palestras sobre Guerra (disponível em inglês no Covenant Media Foundation). Para vermos um modelo de como quem parte do ponto de vista da lei bíblica deve compreender essas questões, vamos olhar para a essência de sua segunda palestra, "A Condução de Guerras". Ao fazê-lo, veremos praticamente a mesma posição delineada no meu livro: sem exército permanente, sem guerras de agressão, política externa não-intervencionista, e muito mais. 

A Realização de Guerras: Teoria da Guerra Justa e Deuteronômio 20 

Dr. Bahnsen começa por referir a deficiência de pensamento bíblico racional sobre este assunto: "Há demasiada retórica e respostas automáticas emocionais, cheias de slogans, muito pouco pensamento analítico e, acima de tudo, muito pouco pensamento bíblico". E assim, a visão bíblica da guerra é um chamado ao arrependimento para muitas pessoas. Mas o próprio Bahnsen conduz o caminho até um certo ponto. Ele mostra como até mesmo ele teve que ser corrigido e ter um espírito dócil sobre esta questão. Quando ele começou a estudar a visão bíblica da guerra. Ele diz:
Eu tinha sido prejudicado, eu suponho, pelos meus professores e quaisquer outras influências que estavam lá, que a Bíblia diria algumas coisas gerais, muito vagas sobre a guerra que nós, então, teríamos que ter um árduo período aplicando devido à generalidade e à dispersão de material. Mas quando você vai a Deuteronômio capítulo 20, você vê que a Bíblia tem muito a dizer (e poderíamos ler outros capítulos também). A Bíblia tem muito a dizer sobre a condução de guerras. . . . Jeová deseja que guerras sejam realizadas corretamente. Jeová tem regras para a guerra; porque, você vê (que), o Senhor não dá ao homem a autoridade indiscriminada ou o direito de exercer a violência e tomar a propriedade e a vida de outras pessoas. 
Assim, como teonomistas, devemos reconhecer que Deus é soberano, mesmo na guerra. Todas as autoridades civis e terrenas vão dar contas a Deus pela forma como conduzem a guerra. Isto significa que devemos levar a sério como a Bíblia coloca restrições reais sobre como conduzimos a guerra: "A ética bíblica não é uma ética de todos os meios para o fim desde que o fim seja bom. Mesmo os meios em direção a um bom final deven ser bons". Uma guerra justa, se é que podemos usar essa frase, deve não somente ter uma causa justa, mas uma conduta justa. 

Guerra Justa 

A este respeito, Bahnsen recua para dar uma visão geral da teoria tradicional  da Guerra Justa. Ele dá "seis elaborações": 

1.  A causa e a intenção de uma guerra devem ser justas. Deve haver objetivos limitados e justos. Conquista, por exemplo, é injusto.

2. Deve haver um direito legítimo para intervir com violência, e uma declaração do governo legítimo de sua intenção de fazê-lo. Bahnsen declara: 

Uma coisa é dizer que alguma coisa que está acontecendo no mundo é injusta e exige retificação e restauração; e outra coisa é dizer: "Eu tenho o direito de ser o único que se envolve nessa causa justa". Há uma diferença entre uma causa ser justa e alguém ter o direito de policiar o assunto. 


3. Guerra deve ser um último recurso absoluto. Todas as formas de negociação pacífica precisam ser tentadas em primeiro lugar. "Primeiro o apelo à razão deve se fazer antes de à força recorrer.”

4.  Deve haver uma probabilidade de ganhar. A guerra não é apenas não ser que seja inserido com a probabilidade de sucesso. Bahnsen justifica:

Nós não gostamos de ouvir isso, mas é um dos fatos brutos da vida que nem todas as causas justas podem ser exercidas com sucesso. E é injusto pedir um sacrifício inútil de propriedade, dinheiro e vidas; é injusto pedir o abandono da liberdade e da vida de um indivíduo, quando a perspectiva de sucesso nesse empreendimento não é grande. 

Como uma nota lateral, esta é uma das poucas áreas que eu poderia discordar da visão de Bahnsen, pelo menos até o ponto de qualificar esta regra como não absoluta. Afinal, se este princípio fosse inviolável, descartaria casos como a famosa Batalha de Termópilas e Revolução Americana chamada de "Liberdade ou Morte". 

5. O custo potencial a serem incorrido pela guerra não deve ser um mal maior do que aquele que está a ser remediado. Bahnsen explica:

Basta parar e pensar sobre isso: há provavelmente algumas coisas ruins que acontecem no mundo que podemos ser capazes de cuidar com muito sucesso, mas o custo de cuidar delas viria a ser uma carga maior, um mal maior para nós do que o remédio dos próprios males. Isso tem de ser levado em conta. 


6. Finalmente, os meios de violência empregados devem ser tanto discriminados como proporcionais. Os meios não devem ser "uma guerra total, fazer o que puder para destruir o inimigo. . . . A violência que é empregada deve ser apenas aquilo que é suficiente para restaurar a paz que foi destruída pela nação agressora. "

Além disso, isso significa que deve ser "uma guerra que distingue cuidadosamente os civis dos combatentes." Portanto, danos colaterais de inocentes, através de ataques aéreos por exemplo, Bahnsen provavelmente não teria sancionado. 

Doutrina reformada 

Bahnsen observa que esta teoria compactua basicamente com a doutrina reformada. A Confissão de Fé de Westminster, capítulo 23, seção 2 afirma que o magistrado civil, em seu trabalho de manter a justiça, pode "fazer guerra mediante justa e necessária ocasião". 

Mas as explicações estão em ordem. O que constituiria uma "ocasião justa"? Bahnsen argumenta que o fim de manter a "piedade, justiça e paz" significa que uma guerra justa seria "uma guerra defensiva para proteger a vida e a propriedade dos cidadãos que estão sob a jurisdição do magistrado, ou em alguns casos para proteger a ordem civil si em si mesma".

Mas, a fim de autorizar essas definições, Bahnsen se vira para o único guia infalível e autoritativo. 

Lei bíblica 

Além das generalidades, o principal argumento de Bahnsen na palestra é que a nossa instrução primária e final vem da Lei de Deus encontrada nas Escrituras. 

Ele acredita que os pontos básicos da teoria da guerra justa "podem ser biblicamente sustentados". Mas ele quer nos mostrar que a Escritura vai muito além. Agora é hora de levar em consideração. Isto irá separar os homens dos meninos: 
No entanto, antes que possamos ir e falar sobre a guerra justa, é preciso tomar alguns minutos antes de olharmos para a Bíblia e nos perguntar: "Será que realmente queremos que a Bíblia seja o nosso guia na condução de guerras?" 
Existem várias razões para isso. A primeira é que alguns são rápidos ou para criticar ou a adotar a proibição do Antigo Testamento cananeu: 
Aqueles que tomam uma posição antagônica serão muito rápidos em nos dizer que a Bíblia não pode ser o nosso guia, porque quando olhamos para a Bíblia, vemos o que vieram a ser chamadas de "guerras santas" de Jeová. E nós desejamos realmente de dizer que estamos na mesma posição de Israel do Antigo Testamento, aquela nação especial escolhida por Deus para ser o Seu povo redimido; eleita, nação santa que está sendo enviada por Deus para a guerra? Será que realmente desejamos dizer que nós, talvez porque somos uma "nação cristã", temos o direito de ir e destruir o comunismo em qualquer lugar do mundo? Será que realmente queremos levar esse manto sobre nós mesmos de "guerra santa"? 
Bahnsen refuta essa posição: há um "lugar especial para as disposições da guerra santa, as cruzadas de Deus, na Bíblia" .
É verdade que Deus deu comandos positivos para um tempo e lugar particulares para impor uma maldição especial da pena de morte em massa sobre as tribos de Canaã conforme Israel ocupou a terra. E eu acredito que essa orientação de Deus tem um papel único na história da redenção. Ou seja, o que lemos na Bíblia sobre as disposições da guerra santa de Deus tem um lugar único - não um normativo, não um trivial, não um contínuo, nem um lugar sólido - em nosso raciocínio sobre a guerra. 
É necessário, portanto, que "temos de distinguir entre os atos de Deus de um lado e a Lei de Deus do outro." Atos podem ser únicos por revelações especiais do Deus soberano que tem o direito e a autoridade para os proclamar e executar. A lei, no entanto, é a "diretriz de política permanente para o Seu povo." 

Bahnsen quer que sejamos claros sobre isso: "As Leis de Deus tem um mandado ou uma orientação geral e permanente para o Seu povo." A Lei é, de fato, "a diretiva de política para todos os homens e todas as nações" .

É o nosso trabalho, portanto, fazer a distinção entre as partes da lei de Deus que foram dadas como diretiva especial para Israel na terra de Canaã, e as partes que permanecem para todas as nações e épocas. Este é o método teonômico básico, e Bahnsen nota que a distinção é muito clara na Lei do Antigo Testamento sobre a questão da guerra: "No entanto, em nossa leitura da Escritura. . . no capítulo 20 de Deuteronômio, você vai notar que existem leis dadas por Deus que são especificamente distintas do que temos que acabamos falando [a proibição cananéia]. Existem leis dadas por Deus que não são para a ocasião especial de guerra santa". Os requisitos para a oferta de "Paz "e as leis para "espólios" são exemplos deste último, eles são especificamente o oposto da proibição. Eles  se aplicam para as nações que não estão envolvidas na proibição especial sobre cananeus. 

Bahnsen então se vira para aquelas leis permanentes para a guerra. Primeiro, ele observa que Números 1:2-3 estipula que o exército deve ser composto de todos os homens de 20 anos e mais velhos. Bahnsen usa o termo "convocado" (drafted) aqui. Eu não usaria esse termo, mas ele o fez. No entanto, é claro como ele continua dizendo que não imagina o tipo de "convocação" (draft) obrigatória usada na história americana. 

Ele observa em Deuteronômio 20:4-5 que "mesmo quando uma convocação foi feita - o recrutamento para o serviço militar era usado - havia isenções para a convocação." Estas isenções referiam-se a propriedades recém-compradas, novas vinhas, e recém-casados. Bahnsen comenta: "A questão toda da guerra é preservar casas e famílias, e propriedade. Portanto, para o bem de casas e famílias e bens, aqueles que recentemente fizeram essas coisas não precisam desistir de seu direito de apreciá-las. "

Mas as isenções não param por aí. Elas também incluem "os fracos", ao que Bahnsen diz: "Há um grande senso comum sobre isso", e para aqueles que são chamados para o serviço religioso (Nm 1:48-49). 

Bahnsen vai mais longe nesta questão, no entanto, como veremos a seguir, ele acredita que a Lei ensina "objeção consciente seletiva", o que significa que nós devemos ter o direito de discordar de qualquer guerra, que nação empreende que consideramos ímpias. Ele também acredita em uma milícia seletiva em vez de um exército permanente. 

Além disso, antes da condução efetiva de uma guerra, Deuteronômio 20:10-12 declara que devemos proclamar a paz ao inimigo primeiro. Devemos oferecer cláusulas de paz que poderiam impedir a guerra. 

Só depois que os termos de paz estejam impossibilitados, a guerra deve prosseguir. E, no entanto, mesmo assim, ela deve ser adequada. Ela começa com "cerco." Obviamente, não temos cidades muradas hoje em dia, e cerco nesse sentido literal não se aplica. No entanto, existe ainda uma forte aplicação do conceito. De acordo com Bahnsen, "cercar" significa "você não atacar essa cidade, mesmo depois dela recusar os artigos convenientes de paz que você já ofereceu. Mesmo assim, o primeiro passo para a guerra é cercar a cidade. Você os esperar fora, privá-los fora, corta o abastecimento fora, porque seria melhor para fazer isso do que ir e violentamente tirar a vida humana. "

Na condução de tal cerco/guerra, ou mesmo uma guerra subsequente, Deuteronômio 20:19-20 exige que você não deve destruir as árvores frutiferas daquela terra; as árvores não frutíferas só poderiam ser cortada, e apenas para o esforço de guerra. Bahnsen explica: "O que isto nos diz é que a destruição total de uma cultura e a destruição total de seu sustento não são o caminho divino para fazer a guerra. Não deve haver guerras de aniquilação. . . . A guerra é para ser travada contra combatentes e não contra a terra, e, assim, o poder destrutivo deve ser utilizado discriminadamente. "




Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...