terça-feira, 8 de março de 2016

A Separação Marxista de Igreja e Estado (por R. J. Rushdoony)


A compreensão da doutrina marxista da separação de igreja e estado é urgentemente necessária, porque há uma crescente confusão entre a visão marxista e a posição americana antiga.

No mundo marxista, como na União Soviética, a separação de igreja e estado significa que a igreja deve ser totalmente separada de todas as áreas da vida e do pensamento. Não pode ser permitido educar ou influenciar a educação, e muito menos o estado. Devido às crianças serem vistas como propriedade do Estado, a igreja não pode influenciar ou ensinar crianças. Em todas as esferas, a igreja está isolada do mundo e da vida dos seus tempos e é levada a ser irrelevante e impotente. Na visão marxista, a separação entre Igreja e Estado é um sério obstáculo legal e castigo impostos sobre a igreja. É na verdade uma separação de relevância, o poder de influenciar, e a liberdade de operar.

Na visão histórica americana, a Primeira Emenda coloca todas as restrições sobre o governo federal, que é impedido de estabelecer, governar, controlar ou regular a igreja. A visão marxista algema a igreja; a visão americana algema o estado.

Nos últimos anos, os estados, o Congresso, os tribunais e os vários presidentes tem manifestado em graus variados uma adesão à visão marxista. Assim como o poder estatal tem invadido todas as outras esferas da sociedade, agora está invadindo a igreja. Assegura-se que o Estado tem jurisdição total sobre cada esfera, e os tribunais nos últimos anos têm se pronunciado sobre absurdos tais como os códigos de vestimenta da escola, e o comprimento do cabelo de um menino. Nenhuma preocupação é demasiada insignificante para ser ignorada pelos tribunais em seu zelo pela jurisdição totalitária. Sem serem marxistas, eles compartilham a crença marxista na jurisdição total do Estado. Previsivelmente, eles estão se movendo na mesma direção.

Isso não deveria nos surpreender. Dada a crença humanista no homem ou o estado como fim, qualquer liberdade ou poder reivindicado pela igreja são vistos como irrelevantes ou errados. O humanista está sendo fiel à sua fé, seus pressupostos.

O fato triste é que muitos clérigos compartilham da visão marxista. Para eles, a separação de igreja e estado significa que a igreja nunca deve envolver-se com tudo o que é motivo de preocupação política. Sou regularmente informado por leitores de pastores e líderes de igreja que não permitirão a menção do aborto, a homossexualidade, eutanásia, ou qualquer assunto a partir do púlpito ou mesmo nas instalações da igreja. Tais assuntos, eles insistem que são agora "política" e "violam" a separação de igreja e estado. Eles reivindicam o nome da ortodoxia para a sua confusão, covardia e heresia.

Os profetas, antigos pregadores de Deus, foram ordenados pelo Senhor a preparar a lei-palavra de Deus concernente a todas as coisas e a corrigir e repreender reis e governadores. Quando nosso Senhor promete aos discípulos que eles serão levados perante governadores e reis, por amor a Ele, e "em testemunho contra eles" (Mateus 10:18), Ele não quis dizer que eles deveriam, em seguida, renegar a fé, piscar para o aborto e a homossexualidade, e estar em silêncio sobre os pecados do estado!

Não há limites para a área do governo, a lei e a influência soberana de Deus. Não pode, então, haver limites para as áreas de testemunho da igreja, a sua pregação, e seu interesse ordenado.

(Originalmente extraído do livro Christianity and the State, (1986), pp. 191-192)

Traduzido de: Chalcedon Foundation


Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...