terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

É hora de boicotar a "Indústria da Adoração" (por Jonathan Aigner)


Nota: A intenção dessa postagem não é gerar uma revolta por si só, nem o de fazer ataques diretos aos músicos populares no meio gospel, mas sim apontar um problema comum encontrado em muitas igrejas evangélicas. 
No texto original (cujo link está no final) o autor faz menção a artistas americanos, mas tomei a liberdade de adaptar ao nosso contexto brasileiro.
Se você é membro de uma igreja que foge dessa prática, seja grato(a) a Deus por isso, mas caso perceba que isso ocorre na sua igreja reflita sobre o que pode ser feito a respeito.
O autor do texto sugere uma espécie de boicote, mas isso só pode ser levado a frente se for algo voluntário. Se você concorda com a ideia, pratique, mas não cobre legalisticamente de outras pessoas essa atitude, pois elas podem ter seus motivos para consumirem produtos de certos artistas. Focalizem na questão da adoração na igreja, no culto público coletivo.
Sugestão de leitura complementar: Devo ficar ou devo sair?



Boicotes da cultura cristã raramente fazem algum bem. Eles geralmente nos fazem parecer arrogantes, distantes e desconectados, sempre aumentando a publicidade de seja lá o que for que tem nos irritado.

Alguém se lembra dos Batistas do Sul e sua estranha obsessão pela Disney há cerca de 20 anos atrás?

Não, esses tipos de boicote geralmente não são uma boa ideia.

Mas eu acho que pode ser a hora de um tipo diferente de boicote. Não contra as corporações e organizações que, como a Disney, não poderia me importar menos com o que nós pensamos.

É hora de boicotar uma indústria que se preocupa muito com o que toda a igreja pensa. Nós somos sua única esperança de ficar à tona.

É hora de boicotar a "indústria da adoração".


1. É hora de boicotar a "indústria da adoração", porque o dinheiro não deve dirigir o que as igrejas cantam. 


Isso uma indústria, pelo amor de Deus. Ela deve ganhar dinheiro, e deve manter meios estratégicos de trazer ainda mais. Por isso, não nos dá o que realmente precisamos, como boa música congregacional faz, nos dá o entretenimento que almejamos. Enquanto a música congregacional já foi trabalhada por pastores, teólogos e poetas, a "indústria da adoração" tem feito a adoração à sua própria imagem, dando-nos apenas os "artistas" mais comercializáveis ??e música. E como todo bom marketing faz, ele apela para as partes menos exigentes de nós. Então, ao invés de olhar para a beleza e arte, nós nos deixamos ficar viciados no mundano.


2. É hora de boicotar a "indústria da adoração", porque ele cria seus próprios ídolos.


Você conhece este ídolo:



Por causa da "indústria da adoração", você também conhece 'ídolos' como estes:


A cultura cristã está obcecada com essas celebridades "líderes de louvor." Eles desenvolvem essas enormes comitivas, com fãs dedicados, livros best-sellers, camisetas, contratos de gravação, você sabe, todo o negócio. E assim como as estrelas de um filme de grande sucesso, eles são as atrações. Eles são aqueles que são pagos com as gordas quantias. Eles são aqueles que vendem ingressos e tem audiência. 
O problema com isso é que as igrejas estão modelando suas reuniões conforme o entretenimento comercial, trazendo o ambiente de show de rock em templos, e transformando os congregantes de adoradores em seguidores de Thalles Roberto (e outros). A "indústria da adoração" precisa que isso aconteça. Ela precisa que caiamos na obsessão em relação a esses astros e suas músicas. 
Tenho certeza que a maioria deles são excelentes pessoas com intenções puras, mas são meros peões no jogo da indústria. E nós somos avidamente compelidos por tanto tempo. A indústria tem tomado o controle sobre o tempo sagrado da igreja, uma vez reservado para a nossa narrativa cristã, e o enchido com bezerros de ouro de entretenimento.


3. É hora de boicotar a "indústria da adoração", porque a voz da congregação deve ser primária. 


A indústria de culto imita o estilo dos gêneros comerciais tradicionais, que são puramente representação. O material deles não está crescendo organicamente do povo. Não é trabalhada com um bom canto congregacional em mente, mas para um indivíduo ou grupo específico se apresentar para uma audiência passiva. 
Não que a música comercial seja inerentemente má, apenas não é adequada para nós. 
Precisamos de música que nós podemos cordialmente e saudavelmente conduzir a partir do banco, não uma experiência que simplesmente deixamos acontecer para nós.


4. É hora de boicotar a "indústria da adoração", porque emocionalismo não é adoração. 


A única finalidade de música comercial é nos fisgar, nos fazer sentir alguma coisa, para nos fazer almejar seu produto em um nível sensorial de base. Isso é é manipulação emocional no seu melhor. Devemos nos irritar com isso, ao invés de estar extasiados.


5. É hora de boicotar a "indústria da adoração", porque simplesmente ser um cliente silenciosamente insatisfeito não vai resolver nada. 


Há muitos de vocês: todas as idades, denominações e origens culturais. O que nós fizemos com o culto que te faz estremecer. Seus sentidos estão embotados pela falta de talento artístico, a manipulação emocional generalizada. Mas você permanece em igrejas controladas pela "indústria da adoração", talvez por causa de sua família, talvez porque todos os seus amigos vão lá, talvez porque você encontra uma aparente racionalidade teológica. Mas é hora de falar ou seguir em frente. Nós devemos.
A adoração coletiva é mais importante do que os programas para a sua família. É mais importante do que os seus relacionamentos em grupo. É teológica na sua essência, então a aparente racionalidade que você sente pode ser mais rasa do que você imagina. Temos que nos fazer ouvir. O estrangulamento da indústria está nos matando de fome sem os nutrientes vitais dos quais precisamos tão desesperadamente - a Palavra e os Sacramentos - e oferecendo os carboidratos vazios de entretenimento comercial no lugar. Ela está nos matando, e estamos autorizando a morte lenta e agonizante.




Então, eu estou cansado da "indústria da adoração". Não é por maldade. Não é falsa piedade ou o sensacionalismo. É uma questão de consciência. Eu não posso mais fazer isso.

Eu não vou comprar a música deles. Eu não vou ouvir as suas estações de rádio. Não vou para os seus concertos. Eu não vou comprar seus songbooks. Eu não vou participar ou servir uma igreja que faz isso sem se manifestar.


Então, quem está comigo?


É hora de parar de imitar a cultura pop.

É hora de aprender a cantar e fazer música de novo, ao invés de permitir que outros façam por nós.

É hora de redescobrir o lugar da música na adoração coletiva.

É hora de acabar com a Lagoinização, destronar nossos Ídolos Gospel, e mais uma vez promover a beleza e a arte criativas, especialmente aos nossos filhos.

É hora de fazer adoração com o trabalho das pessoas, uma vez mais, não apenas um bom show e uma hora de inércia.

É hora de dar um passo radical. Isso está estabelecido para nos enfraquecer, e não há correção.

A coisa toda é absurda, de qualquer maneira. Não há uma verdadeira "indústria da adoração", de qualquer maneira, apenas a um grupo de entidades comerciais que devem chamar-se assim porque sua própria existência exige.

Não deixe que eles te enganem. A adoração coletiva não depende da produção em massa de matérias-primas e bens.

A coisa toda começou do nada quando o nosso bom Criador chamou tudo à existência.

Nosso Redentor foi gerado, não criado.

Você pode manter sua "indústria da adoração"Com um grande livro, um pedaço de pão e um pouco de vinho temos todos os materiais de que precisamos.


Traduzido e adaptado a partir de:


Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...