segunda-feira, 11 de abril de 2016

William Wilberforce - Um Líder pela Igualdade Bíblica


Muitas pessoas acreditam que a abolição da escravatura começou nos Estados Unidos durante a Guerra Civil americana da década de 1860. Na verdade, o movimento abolicionista começou décadas antes no Império Britânico, sob a liderança incansável de um homem, William Wilberforce.

William Wilberforce
levou o Parlamento à
abolição do comércio
de escravos em todo
o Império Britânico. 
Um mês antes de 
todos os escravos 
no Império Britânico 
serem libertos, William 
Wilberforce faleceu.
William Wilberforce nasceu em 1759 na cidade Inglesa de Kingston-upon-Hull. Ele foi educado na St. John College, em Cambridge, e foi eleito como membro do Parlamento de Hull em 1780.

Wilberforce se tornou um cristão em 1784. Sua salvação o levou a considerar profundamente a sua posição na política, ao ponto dele pensar em deixar a política para se tornar um ministro. Ele concluiu finalmente que Deus o havia chamado para um cargo público para promover causas que estavam alinhadas com a verdade bíblica. A mais famosa dessas causas era o seu compromisso com a abolição da escravatura. A salvação de Wilberforce, portanto, teve uma profunda influência sobre a história e o modo de vida no Reino Unido, o Império Britânico e, indiretamente, até mesmo os Estados Unidos e seus territórios.

A Sociedade para a Abolição do Comércio de Escravos foi fundada em maio de 1787. O suporte para o movimento era de âmbito nacional, mas foi particularmente forte no norte da Inglaterra.

Stephens, H. L. "A Venda". 
Litografia em cores. 
Copyright 1863. 
Divisão de impressões e fotografias,
Biblioteca do Congresso

Este cartão, por H. L. Stephens (1842-1882),
um ilustrador americano de sátira política,
era parte de uma série de cartões
colecionáveis descrevendo a
situação do escravo.
Em 1788, cem petições combatendo o comércio de escravos estavam diante da Câmara dos Comuns, e em 1792 esse corpo político votou a favor do princípio da abolição, 230 votos a 85. No entanto, ao ver o radicalismo extremo da Revolução Francesa, os Comuns reverteram em 1973 os votos de 1792, na esperança de evitar uma revolução semelhante no Império britânico.

Wilberforce e outros abolicionistas foram impulsionados por sua crença na infalibilidade da Escritura, reconhecendo que Deus fez todas as nações de um só sangue (Atos 17:26) e que todos os homens foram criados à imagem de seu Criador Deus (Gênesis 1:26). John Wesley descreveu a escravidão como "vilania execrável", e disse, "A menos que Deus tenha te levantado para isso [a abolição], você será extenuado pela oposição de homens e demônios. Mas se Deus é por você, quem pode estar contra você?"[1]

Wilberforce e outros abolicionistas foram impulsionados por sua crença na infalibilidade da Escritura, reconhecendo que Deus fez todas as nações de um só sangue (Atos 17:26) e que todos os homens foram criados à imagem de seu Criador Deus (Gênesis 1:26). John Wesley descreveu a escravidão como "vilania execrável", e disse, "A menos que Deus tenha te levantado para isso [a abolição], você será extenuado pela oposição de homens e demônios. Mas se Deus é por você, quem pode estar contra você?"[1]

Entre os oponentes de Wilberforce estava Lord Nelson, que mais tarde se tornaria o herói da Batalha de Trafalgar. Nelson escreveu sobre a "doutrina condenável de Wilberforce e seus aliados hipócritas."[2] Wilberforce era conhecido por ser um abolicionista, mas sua estratégia era antes de tudo acabar com o comércio de escravos. A Abolição dos acordos de Comércio de Escravos, que tornou a compra e venda de seres humanos ilegais em todo o Império Britânico e suas colônias, tornou-se lei em 25 de março de 1807.

O Parlamento da Grã-Bretanha 
foi onde William Wilberforce 
lutou pela igualdade do homem 
diante de Deus, e onde ele 
lutou para abolir o tráfico de 
escravos no Império Britânico.
Mesmo com este sucesso, Wilberforce foi incompleto. Ele esperava ver a escravidão completamente abolida, acreditando que todas as pessoas são descendentes de Adão e que ninguém era menos do que humano. Em congressos, em 1814 e 1815, realizados em Paris e Viena respectivamente, Wilberforce tentou, sem sucesso, convencer outras potências europeias a seguirem o caminho abolicionista.

Pouco antes de sua morte, Wilberforce soube que a Lei de Reforma de 1833 tinha passado. Dentro de quatro anos essa Lei pretendia proibir todas as formas de escravidão no Reino Unido e nas Antilhas.

Se a escravidão não fosse abolida no início do século XIX, sob a influência de tais cristãos que compreenderam o ensinamento da Bíblia sobre as origens, que chance teria havido posteriormente, quando o pensamento evolucionista tomou conta em meados do século XIX? Na verdade, a escravidão foi retrospectivamente justificada com base na suposta ordem inferior no processo evolutivo de certas "raças". Podemos agradecer a Deus por homens como Wilberforce e o Despertar Evangélico do século XVIII que trouxe tantas almas à fé em Cristo. Os cristãos de hoje devem aprender com a dedicação de Wilberforce à Palavra de Deus que as verdades da Palavra de Deus, desde o primeiro verso, devem governar nossos padrões. Wilberforce foi guiado pela verdade que todos os homens são descendentes de Adão, criados à imagem de Deus, e esta verdade continua a transformar as sociedades em todo o mundo.


Traduzido livremente de:

https://answersingenesis.org/ministry-news/ministry/william-wilberforce/


[1] A última carta de John Wesley, escrita para encorajar William Wilberforce em 24 de Fevereiro de 1791, citada no site da BBC:
www.bbc.co.uk/religion/religions/christianity/features/wilberforce/page6.shtml.


[2] Citado em uma carta escrita por Nelson da Vitória emblemática, citado no Telégrafo de Londres:
www.telegraph.co.uk/travel/main.jhtml?xml=/travel/2000/12/11/etfis11.xml.


Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...