quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Antes de você chamar Lutero de anti-semita (por rev. Christian McShaffrey)


Como a maioria de vocês, eu ouvi a acusação de anti-semitismo contra Martinho Lutero muitas vezes. Ao contrário da maioria, no entanto, eu decidi descobrir se a acusação foi fundamentada pela leitura de seu livro "On The Jews and Your Lies" (Sobre os judeus e suas mentiras) (1543).

Na verdade, e no interesse da divulgação completa, eu tive que ler o livro três vezes. Na primeira vez eu li em puro choque, perguntando-me: "Como ele poderia escrever isso?" Na segunda vez, o li de forma mais acadêmica, perguntando: "O que exatamente ele está dizendo e por quê?" A terceira vez, eu tentei pegar uma abordagem mais simpática, ponderando: "Eu realmente teria feito melhor do que ele?"

O objetivo deste artigo não é dar um veredicto final sobre o suposto anti-semitismo de Lutero, mas solicitar que os cristãos sejam um pouco mais cuidadosos em seu julgamento e muito mais respeitosos com o pai alemão na fé.

Conheça toda a história


Vinte anos antes, Lutero escreveu "Sobre os judeus e suas mentiras", ele escreveu: "That Jesus Christ Was Born a Jew" (Jesus Cristo nasceu um judeu). Naquele livro, ele criticou os papistas por tratar os judeus "como se fossem cães em vez de seres humanos. Ele também pediu aos cristãos que obedecessem a "lei do amor cristão" para que os judeus fossem conquistados para Cristo.

Martinho Lutero amou o povo judeu com um zelo missionário que é indiscutível. Na verdade, e devido a uma leitura prima facie de Romanos 9-11, ele esperava sinceramente ver conversões judias em massa durante sua vida. Foi só depois de duas longas décadas de esforços de evangelização "falidos" que o amor de Lutero se esfriou.

Combater com sua teologia


Como Reformados, acreditamos que a Palavra de Deus, mesmo quando compartilhada da maneira mais afetuosa e evangélica, acabará cumprindo apenas dois possíveis fins: suaviza os corações ou endurece os corações.

Infelizmente, Lutero observou o último fim ocorrer durante o seu ministério e, ao invés de adaptar seus métodos (como muitos fazem hoje), ele se voltou para as escrituras para consolo e conselho. Ele concluiu que chegou a hora de sacudir o pó de seus pés e declarar: "Somos inocentes do seu sangue".

Se Lutero estava correto em sua avaliação dessa geração em particular talvez nunca possamos saber. No entanto, ele nos dá motivos para combater com nossa própria teologia. "Não atirem suas pérolas aos porcos ..." (Mateus 7:6). Como podemos saber quando chegou esse momento?

Entenda os tempos


Martinho Lutero não era um homem comum. Ele era um ministro ordenado e um "Reformador Magisterial" (que nos lembra que o estado no seu dia procurou ativamente a orientação da igreja em matéria de fé e moral).

Não só os judeus rejeitaram a oferta gratuita do Evangelho de Lutero, mas também responderam com esforços contra-missionários que pareciam estar prejudicando a igreja e a comunidade alemã. Lutero menciona blasfêmia, proselitismo e usura como exemplos.

"Sobre os judeus e suas mentiras" foi escrito como conselho da igreja para o estado sobre como abordar essas ameaças percebidas contra sua sociedade. Parte do conselho incluiu proibir os rabinos de ensinar e queimar suas sinagogas.

Isso, é claro, é onde os leitores modernos se tornam desconfortáveis, mas precisamos argumentar com essas questões historicamente e honestamente.

Lutero não pediu aos cristãos que tomassem as armas contra seus vizinhos judeus. Na verdade, ele exortou os Pastores a lembrar às pessoas que não era seu chamado para amaldiçoar ou prejudicar os judeus. O conselho mais severo de Lutero foi dirigido aos príncipes da Alemanha.

Podemos não aprovar o sistema medieval, mas não nos anatematizemos de nossa distância segura com um tipo de desprezo anacrônico. Nossos pais pré-iluminismo podem ter entendido mais sobre as diferenças funcionais entre igreja e estado do que muitas vezes assumimos.

Honra teu pai


Nosso Catecismo Maior nos lembra que o alcance do Quinto Mandamento se estende além da família natural para os domínios da Igreja e do Estado [c.f., CMW 123-133]. Martinho Lutero, devido a seu ofício eclesiástico e influência civil, tem o direito, dado por Deus, de receber honra especial de nós.

Além de seu chamado superior, deixe-me sugerir que Lutero possuía alguns dons superiores. O que mais me surpreendeu sobre seu livro não era sua linguagem cáustica, mas seu constante apelo às escrituras. Lutero conhecia as escrituras (sim, mesmo na língua nativa do judeu) e baseava seus argumentos através delas.

Nós, é claro, não somos obrigados a concordar com todas as suas interpretações ou aplicações, mas esse julgamento despreparado do hipster milenar - "Lutero estava no lado errado da história!" -, parece afirmar o próprio desprezo que o Quinto Mandamento é tão claro em proibir.

Chega de "sinalização de virtude"


Todos nós queremos ser curtidos pelos outros. Este é um desejo humano muito básico e natural. Quão longe, no entanto, vamos nos certificar de que outros  são como nós? Quanto mais cuidadosamente eu escuto conversas casuais, mais eu me convenço de que estamos obcecados com a aprovação dos homens.

"Virtue Signaling" (sinalização de virtude) é uma tática comum que empregamos para aumentar a posição social. Aqui está um exemplo: "Eu estava na casa do meu amigo ontem, que inclusive é judeu, e ele disse a coisa mais engraçada ..."

Por que o falante inclui a frase gramaticalmente supérflua "que inclusive é"? A resposta é óbvia. A inclusão dessa cláusula foi um esforço calculado para alertar o ouvinte sobre o fato de que o falante tinha amigos judeus.

Pare com isso. Nunca seremos amados pelo mundo. Jesus disse assim (João 15:19) e devemos parar de tentar tanto obter sua vã aprovação e louvor.

Abandonar o termo?


O termo "Anti-semita" não foi cunhado até três séculos após a morte de Lutero. Foi inventado por um agitador político na Europa Central e continua a ser usado para fins políticos hoje.

Você pode pesquisar por si mesmo a política das relações entre alemão e judeu no final do século XIX, o único ponto aqui é o seguinte: a acusação de "anti-semitismo" é tecnicamente anacrônica no caso de Martinho Lutero.

Além de ser anacrônico, o termo também é um pouco impreciso. De acordo com as escrituras, os "semitas" são descendentes do filho de Noé, Sem. À medida que olhamos a população mundial hoje, isso incluiria raças além dos judeus, como árabes, assírios, samaritanos, etc.

O termo "antisemita" era - e é - uma palavra inerentemente política. Ele também evoluiu tanto ao longo dos anos que a sua extinção apenas pode estar atrsada. Ao menos, mantenhamos a nossa doutrina da "espiritualidade da igreja" e leiamos com cuidado palavras carregadas de política.




Christian McShaffrey é pastor da Grace Reformed Church of Reedsburg, WI (uma congregação membro da Igreja Presbiteriana Ortodoxa).



Traduzido livremente de:


Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...