quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Blaise Pascal (1623-1662) - Um cientista Evangelístico (por Peter Hammond)


Blaise Pascal (1623-1662) é para a França o que Platão é para a Grécia, Dante para a Itália e Shakespeare para a Inglaterra. A Biblioteca Nacional em Paris protege os manuscritos de Pascal com mais ciúmes do que qualquer outro. Apesar de ter sofrido problemas de saúde durante a maior parte de sua vida, e morrido antes de chegar aos 40 anos, Pascal começou aos dezesseis anos a fazer grandes contribuições para a geometria, a física, a mecânica aplicada e a teoria matemática.

Criado como católico romano, tornou-se mais tarde um cristão devoto e comprometido, sempre consciente da sua natureza pecaminosa e da necessidade da graça de nosso Senhor Jesus Cristo. Crescido no auge do Iluminismo Blaise Pascal, matemático e físico francês, foi dramaticamente convertido por Cristo e se tornou um apologista cristão eficaz e cientista realizado.

A mãe de Pascal morreu quando ele tinha quatro anos. Seu pai mudou a família de Clermont'Ferrand para Paris. Blaise e suas irmãs foram educadas em casa por seu pai. Aos dezesseis anos, Blaise estava fazendo experiências originais em matemática e ciência física.

Juntamente com suas duas irmãs, Gilberte e Jacqueline, seu pai Etienne pessoalmente guiou sua educação. Em 1639, a família mudou-se para Rouen, onde Etienne Pascal foi nomeado Comissário de Finanças da Normandia. Os tratados de Blaise Pascal , escritos quando ele tinha apenas 16 anos, foram recebidos com espanto pela comunidade científica.

Para ajudar seu pai, que era um cobrador de impostos, Blaise inventou o primeiro dispositivo de cálculo, que alguns chamaram de precursor do computador. (Em sua homenagem, uma linguagem de computador seria nomeada Pascal).

Quando adolescente, Blaise obteve renome como cientista. Ele desenvolveu a lei da hidráulica. Blaise Pascal provou que a pressão sobre a superfície de um fluido é transmitida igualmente para cada ponto do fluido. Ele produziu materiais importantes sobre o peso e a densidade do ar, e o triângulo aritmético, e o vácuo. Ele inventou a seringa, o elevador hidráulico, e é creditado pela invenção do relógio de pulso e por mapear a primeira rota de ônibus (cavalo) em Paris.

Em 23 de novembro de 1654, Blaise Pascal experimentou, o que ele descreveu como uma "conversão definitiva". Ele descreveu ver uma visão clara da Crucificação: "Das dez e meia da noite até meia-noite e meia, Deus dos filhos de Abraão, Deus de Isaque, Deus de Jacó, e não dos filósofos e dos sábios. Certeza. Certeza. Sentimento. Alegria. Paz. Deus de Jesus Cristo. Meu Deus e seu Deus. O teu Deus será meu Deus ''

Ele escreveu sobre uma visão da Luz do Fogo do Deus Vivo que o purgou dos seus pecados, e lhe trouxe segurança, alegria, paz e amor. Ele sabia que, doravante, ele deveria viver para Deus e para Deus somente; para Ele, tudo o resto deveria ocupar o segundo lugar. Seu estilo de vida mudou. Ele deu muito aos pobres. E enquanto seus estudos científicos não foram abandonados, eles ocuparam o segundo lugar, para ele viver em comunhão com Deus Todo-Poderoso.

Ele gravou essa experiência em um pedaço de pergaminho (chamado 'Memorial'), que ele carregava consigo o resto de sua vida.

Seus escritos foram descritos não somente como obras-primas da prosa francesa, mas defesas destacadas da fé cristã. Suas Les Provinciales foram 18 ensaios atacando os jesuítas católicos e defendendo a moral reformada e a crença de Santo Agostinho na graça soberana e na predestinação. A Igreja Católica colocou Les Proviciales no Índice de Livros Proibidos.

Blaise ficou atraído pela visão agostiniana da graça e da moralidade. Ele se juntou aos jansenistas que se opuseram ao catolicismo dos jesuítas e ensinaram as doutrinas da graça e ética de Santo Agostinho. Blaise escreveu mais tarde sobre duas conversões em sua vida, a primeira uma conversão de sua mente para a teologia certa, e a segunda uma conversão de seu coração para o amor de Deus.

A irmã de Blaise Jacqueline também foi convertida logo após a morte de seu pai em 1651. Pascal sentiu uma profunda fome espiritual pela realidade.

Suas 18 Cartas Provinciais (1656-1657), porque criticavam os ensinamentos dos jesuítas, foram publicadas anonimamente para evitar a prisão.

A irmã de Pascal, Gilberte, escreveu sobre seu irmão: "Ele tinha uma eloquência natural que lhe dava uma facilidade maravilhosa para dizer o que queria dizer, mas para isso ele havia adicionado certas regras que ele havia desenvolvido para si mesmo, que o serviram tão bem que ele não somente podia dizer o que queria dizer, mas diria isso na melhor maneira de sua escolha, e então seu discurso produzia exatamente o efeito que ele pretendia."

Pensees, uma coleção de pensamentos de Pascal, foi publicado após sua morte. Nela, ele retratava a humanidade como estendida entre a miséria e a alegria, indefesa sem Deus. As pessoas tentam evitar enfrentar a realidade se engajando em distrações. Blaise Pascal rejeitou a noção de que a razão e a ciência sozinhas podem levar uma pessoa a Deus. Ele insistiu que, só pessoalmente experimentando Cristo, alguém pode conhecer Deus.

"Não se surpreenda com a visão de pessoas simples que acreditam sem discutir. Deus os faz amá-Lo e odiá-los. Ele inclina seus corações a acreditar. Nunca devemos acreditar com uma fé vigorosa e inquestionável a menos que Deus toque nossos corações; e nós devemos crer assim que Ele fizer isso."

O Pensees contém a famosa aposta de Pascal: "Se você ganhar, você ganha tudo; Se você perder, você não perde nada." Ele afirmou que, como a razão por si só não pode trazer uma certeza absoluta, cada pessoa deve arriscar a crença em algo. Quando se trata da fé cristã, uma pessoa sábia irá apostar nela. Certamente viveremos uma vida mais alegre e longa na Terra aderindo à moral e à fé cristãs. Se o cristianismo é verdade, você ganha a vida eterna também. Se não estiver, você não perdeu nada.

Alguns colocaram os Pensees de Pascal - que ele havia planejado como "A Defesa da Religião Cristã" -, como semelhante a obras tão excelentes quanto as Confissões de Santo Agostinho. Blaise Pascal viveu durante a maior parte da Guerra dos Trinta Anos. Ele foi um homem de extraordinária conquista científica com uma mente brilhante e inovadora.

Os Pensees de Pascal foram escritos para falar diretamente aos agnósticos e ateus da França. Em vez de basear sua causa em argumentos intelectuais tradicionais, Pascal usou provas tiradas da moral e da história para atrair o coração e a experiência pessoal. Blaise Pascal foi atacado por humanistas anti-cristãos como Voltaire.

Blaise Pascal escreveu: "Toda religião é falsa, se, quanto à sua doutrina, não adora um só Deus como a origem de todas as coisas e, na sua moralidade, não adora um só Deus como fim de todas as coisas".

"É perigoso fazer o homem ver sua igualdade com os brutos sem lhe mostrar sua grandeza. Também é perigoso fazê-lo ver sua grandeza com muita clareza, além da sua vilania. Ainda é mais perigoso deixá-lo ignorante de ambos. Mas é muito vantajoso mostrar a ambos."

"O coração tem suas razões que a razão não conhece".

"A razão age lentamente e com visões lentas, em tantos princípios, que deve sempre permanecer perante ela, que constantemente tropeça e se desvia de ter seus princípios à mão. O coração não age assim; ele atua em um momento, e está sempre pronto para agir. Devemos então colocar a fé no coração ou sempre será vacilante."

"Conhecemos a verdade, não só pela razão, mas também pelo coração, e é a partir deste último, que conhecemos os primeiros princípios".

Pascal escreve sobre o Deus dos Milagres, inclusive da experiência pessoal da cura milagrosa de sua sobrinha em 1656. As realizações científicas de Pascal tiveram muito a ver com experimentação rigorosa, levando ao conhecimento experimental. Da mesma forma, sua fé baseou-se muito em suas experiências de coração com o Deus Vivo.

Para Blaise Pascal, o próprio Deus é a fonte de toda sabedoria e conhecimento, aquele que ordena todas as coisas e de quem, e através de quem, todas as coisas prosseguem e retornam.

"Que grande distância existe entre conhecer Deus e amá-lo. Os seres humanos devem ser conhecidos por serem amados, mas Deus deve ser amado por ser conhecido."


Traduzido livremente de:


Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...