quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Armados e Preparados: a tradição puritana de levar armas aos cultos (por Alice Morse Earle)


Por viverem em um ambiente hostil e anti-cristão com índios que não conheciam o Senhor, os puritanos da Nova Inglaterra consideravam que era melhor chegar em armados aos cultos para protegerem seus irmãos cristãos dos ataques.

O seguinte relato de Alice Morse Earle em "The Sabbath in Puritan New England" trata disso com detalhes e explica a tradição de homens sentados nas pontas dos bancos de igreja para que pudessem rapidamente agarrar suas armas em caso de ataque.

Sobre "O Sabbath na Nova Inglaterra puritana"


Durante muitos anos após a colonização da Nova Inglaterra, os puritanos, mesmo em tempos tranquilos, iam armados para a assembleia; e para santificar o carregamento de armas no domingo, eles eram expressamente proibidos de disparar suas munições em qualquer objeto naquele dia, salvo um índio ou um lobo, seus dois "maiores inconvenientes". Trumbull, em seu "Mac Fingal", escreve sobre esse costume de domingo:
"Então, uma vez, por temor a ataques indígenas,
N
ossos antepassados levavam suas armas ao se reunirem,
Cada homem equipado no domingo de manhã
Com o livro de salmos, munição e pólvora,
E considerado em forma, como todos devem admitir,
Como a antigo e verdadeira igreja militante ".
Em 1640, foi ordenado em Massachusetts que, em cada município, os participantes da igreja deveriam levar um "número apropriado de peças, funcionais e cheias de pólvora e munição e espadas a cada dia do Senhor para a congregação;" foi considerado conveniente e necessário para a segurança pública haver um homem armado para cada família. Em 1642, seis homens com mosquetes e pólvora e munição foram considerados suficientes para a proteção de cada igreja. Em Connecticut, mandatos semelhantes foram emitidos e, como as ordens foram negligenciadas "por diversos persones", uma lei foi aprovada em 1643 em que cada infrator devia pagar 12 centavos por cada transgressão. Em 1644, um quarto da "mão trêmula" foi obrigado a ir armada em cada Sabbath, e as sentinelas foram ordenadas a manter suas tochas constantemente acesas para serem usados em seus mosquetes. Também foram comandados a usar armaduras, que consistiam em "casacos com lã de algodão e, assim, defendiam das flechas indígenas". Em 1650 sentiram tanto medo e pavor dos ataques dominicais dos homens vermelhos que o número de guardas no Dia do Sabbath foi duplicado. Em 1692, o Legislativo de Connecticut ordenou que um quinto dos soldados em cada cidade fosse armado para cada reunião, e que em nenhum lugar deveria haver menos de oito soldados e um sargento como guardas durante o culto público. Em Hadley, a guarda recebia anualmente do tesouro público uma libra de chumbo e uma libra de pó para cada soldado.

Nenhum detalhe que pudesse aumentar a segurança no sabbath foi esquecido ou negligenciado pela igreja de New Haven; as balas foram transformadas em moeda comum no valor de um farthing (um quarto de centavo), para que elas pudessem ser abundantes e todos pudessem obter; os colonos foram obrigados a determinar antecipadamente o que fazer com as mulheres e as crianças em caso de ataque, "para que eles não os adiassem e os atrapalhassem"; os homens foram convidados a trazer pelo menos seis cargas de pólvora e munição para a reunião; os agricultores estavam proibidos de "deixar mais armas em casa do que homens para usá-las"; as lanças pequenas deveriam ser desbastadas e as inteiras remendadas, e as espadas "e todas as armas penetrantes arrumadas e desempenadas"; a madeira devia ser colocada na casa de vigia; foi ordenado que a "porta da casa de reunião, ao lado do assento dos soldados, ficasse limpa de mulheres e crianças sentadas lá, pois, havendo necessidade dos soldados subirem de repente, eles poderiam ter uma passagem livre". Os soldados sentavam-se de cada lado da porta principal, uma sentinela ficava na torre da reunião, e os observadores armados passavam pelas ruas; três canhões foram montados ao lado desta "igreja militante", que devia ser parecer fortemente com uma guarnição. ...

Apesar desses eventos na igreja de New Haven (que certamente foram excepcionais), a união aparentemente incongruente de igreja e exército era adequada em uma comunidade que sempre começava e terminava os exercícios militares no "dia do treinamento" com oração e cantando salmos solenes; e isso acostumou o exército e encorajou um verdadeiro espírito de soldado não principalmente como auxílio na guerra, mas para ajudar a conquistar e destruir os adversários da verdade, e "alcançar mediante este pequeno punhado de homens coisas maiores do que o mundo tem ciência".

As sentinelas de Salem usavam, sem dúvida, algumas das boas armaduras inglesas de propriedade da cidade, - "corselets" para cobrir o corpo; "gorgets" para proteger a garganta; "tasses" para proteger as coxas; todos envernizados de preto, e cada terno custando "vinte e quatro xelins por peça". A sentinela também usava uma bandoleira, um grande cinto de "couro puro" jogado sobre o ombro direito e pendurado abaixo do braço esquerdo. Essa bandoleira matinha doze caixas de cartuchos e uma bolsa de balas bem cheia. Cada homem trazia um "mosquete alterado com uma alavanca", uma "longa peça de caça com furo de mosquete", um "mosquete cheio", um "barril com uma válvula de fósforo", ou talvez (pois elas eram comprados pela cidade) uma arma de couro (embora estas armas de couro possam ter sido canhões). Outras armas que havia para escolher, com nomes misteriosos: "sakers, minions, faulcons, rabinets, morteiros (ou "assassinos", como às vezes eram chamadas apropriadamente), câmaras, arcabuzes, carabinas ", ...

O observador armado de Salem, além de suas armas de fogo e munições, tinha preso ao pulso por um cordão um descanso de arma ou forquilha, que ele colocava no chão quando desejava disparar o mosquete e sobre o qual o acionador descansava quando tocado. Ele também carregava uma espada e, às vezes, uma lança. Portanto, estando fortemente sobrecarregado com inúmeras armas e uma armadura pesada, nunca poderia fugir de um índio ou persegui-lo com muita agilidade ou celeridade; embora ele pudesse estar na porta da igreja com sua arma de couro, - uma figura inspiradora, - e ele pudesse atirar com seu "arcabuz" ou sua "carabina", como bem sabemos.

Essas "sentinelas" armadas eram sempre vistas como um acompanhamento mais pitoresco do culto religioso puritano, e os homens armados de Salem e Plymouth eram imponentes, embora desajeitados. Mas os soldados de New Haven, com as suas roupas volumosas, comprimidas e cheias de espessas camadas de algodão, deviam parecer mais protetores e reconfortantes do que românticos ou heroicos; mas talvez eles também usassem armaduras de estanho pintadas, "corselets e gorgets e tasses".

Em Concord, New Hampshire, os homens, que vinham todos armados para se encontrarem, empilhavam seus mosquetes em torno de uma coluna no meio da igreja, enquanto o honrado pastor, que era um bom atirador e possuía a melhor arma no estabelecimento, pregava com sua preciosa arma ao seu lado no púlpito, pronta em uma lugar estratégico para explodir qualquer homem vermelho que ele visse se esgueirando, ou para liderar, se necessário, a sua congregação para a batalha. A igreja em York, Maine, até o ano de 1746, considerou necessário manter o costume de levar armas para a casa de reunião, pois os índios do Maine eram abundantes e agressivos.

Não somente no tempo das guerras indígenas foram vistos homens armados na congregação, mas em 17 de junho de 1775, o Congresso Provincial recomendou que os homens "a menos de vinte milhas da costa do mar levassem suas armas e munições com eles para se encontrarem no sabbath e outros dias em que se encontrassem para o culto público". E em muitos dias de sabbath e conferências, durante os anos de guerra que se seguiram, foram provadas a sabedoria e a previdência dessa sugestão.

Os homens naqueles velhos tempos do século XVII, embora em constante pavor pelos ataques de índios, sempre apareciam quando os cultos eram encerrados e deixavam o local antes das mulheres e das crianças, assegurando assim a saída segura destas últimas. Este costume prevaleceu como hábito até pouco tempo em muitas igrejas na Nova Inglaterra. Todos os homens, após a bênção e a saída do pastor, saíam antecipadamente às mulheres. Assim também, o costume dos homens sentados sempre na "cabeceira" ou na ponta do banco surgiu da necessidade inicial de estarem sempre prontos para agarrarem suas armas e se apressarem, desobstruídos para lutar. Em algumas igrejas da aldeia da Nova Inglaterra até hoje, o homem que se deslocasse do seu extremo do banco e deixasse uma mulher sentar-se à porta, mesmo que fosse num assento mais desejável para ver o clérigo, seria considerado um tipo de criatura miserável.


Alice Morse Earle, The Sabbath in Puritan New England (O sabbath na Nova Inglaterra puritana) (NY: Charles Scribner's Sons, 1891), 19-25.



Traduzido livremente de:
https://theonomyresources.blogspot.com.br/2017/11/armed-and-ready-puritan-tradition-of.html

Nota: O "Sabbath" (sabá) é comumente confundido com "sábado", mas no idioma inglês é mais fácil de identificar a diferença.
O Sábado (Saturday, em inglês) era no antigo testamento o Sabbath de cada semana, o dia semanal a ser separado. No entanto, o Sabbath não se resumia ao sábado, havendo outras festividades nas quais havia a ordem divina de ser guardado o Sabbath.
Ou seja, seriam como os feriados aos quais estamos acostumados.

O Sabbath era um dia de descanso (assim como os feriados sugerem), e que não necessariamente ocorriam aos sábados.
Conforme o entendimento reformado, o Sabbath semanal dos cristãos é o Domingo e não mais o Sábado.


Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...