quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

O Dilúvio de Gênesis é um plágio da Epopeia de Gilgamesh?


Em 1853, o arqueólogo Austen Henry Layard e sua equipe escavaram a livraria palaciana da antiga capital assíria, Nínive. Eles encontraram uma série de 12 tabletes de um grande épico (Epopeia de Gilgamesh). Os tabletes datavam de cerca de 650 a.C., mas o poema era mais antigo, sendo antes transmitido oralmente (tradição oral).

Céticos acusam a Bíblia de ter plagiado a narrativa sobre o dilúvio da Epopeia de Gilgamesh (antiga versão suméria do dilúvio). Eles se baseiam no fato de que a história suméria é mais antiga que o livro de Gênesis (o livro de Gênesis foi escrito por volta d 1400 a.C.). Todavia, Eles não dispõem de qualquer argumento bem embasado para validar esta acusação. Ora, várias pessoas podem escrever sobre um mesmo evento real sem que isso seja considerado "plágio".

Comparação de Gênesis e Gilgamesh


GênesisGilgamesh
 Extensão do Dilúvio  Global Global
 Causa  Maldade dos homens Pecados dos homens
 Quem era o Alvo?  Toda a humanidade Uma cidade e toda a
 humanidade
 Quem o enviou?  Yahweh Assembleia dos "deuses"
 Nome do herói  Noé Utnapishtim
 Caráter do herói  Justo Justo
 Meios de anunciação  Diretamente de Deus Em um sonho
 Foi ordenado a 
 construir  um barco? 
 Sim Sim
 O herói se queixou?  Não Sim
 Tamanho do barco  Três andares Sete andares
 Tinha compartimentos 
 internos
 Muitos Muitos
 Portas  Uma Uma
 Janelas  Pelo menos uma Pelo menos uma
 Revestimento externo  Piche Piche
 Forma do barco  Caixa oblonga Cubo
 Passageiros humanos  Somente os membros
 da família
 Família e alguns outros
 Outros passageiros  Todos os tipos de
 animais terrestres
 Todos os tipos de
 animais terrestres
 Meios do Dilúvio  Águas subterrâneas e
 chuva forte
 Chuva forte
 Duração do Dilúvio  Longo (40 dias e noites) Curto (6 dias e noites)
 Teste para encontrar terra  Envio de pássaros Envio de pássaros
 Tipos de pássaros  Corvo e três pombas Pomba, andorinha
 e corvo
 Lugar de repouso da Arca  Montanhas - de Ararat Montanhas - de Nisir
 Houve sacrifício 
 após Dilúvio? 
 Sim, por Noé Sim, por Utnapishtim
 O herói foi abençoado 
 após o Dilúvio? 
 Sim Sim

(Adaptado de Lorey, F., The Flood of Noah and the Flood of Gilgamesh, ICR Impact 285, Março 1997.)

A existência de histórias sobre o dilúvio, algumas bastante paralelas ao relato bíblico, é impressionante. A Epopeia de Gilgamesh é apenas um entre quase 300 relatos do dilúvio espalhados pelo mundo (até agora, os antropologistas já reuniram mais de 270 histórias acerca do dilúvio). Há relatos do dilúvio em contextos culturais tão diferentes como mexicanos, algonquinos, havaianos, sumerianos, guatemaltecos, Babilônia, Pérsia, Síria, Turquia, Grécia, Roma, Rússia, China, Índia, Ilhas Fiji, os Aborígines na Austrália, algumas civilizações das Américas do Norte, Centro e Sul, e muitos outros povos. Em 1963, o arqueólogo americano Howard F. Wos publicou o livro "Gênesis e Arqueologia", onde ele descreve com detalhes estes registros. Portanto, não se pode dizer que o dilúvio foi um mito, enquanto temos o testemunho de tantos povos dizendo que não foi. Isto seria ignorar as evidências.

Esses relatos, entretanto, sofreram certa influência das culturas locais, e por isso o nome de Deus muitas vezes foi substituído pelo nome de uma divindade local, assim como o nome do próprio Noé. Contudo, a história central continua sendo a mesma em praticamente todos os relatos.



Henry Morris, fundador da Creation Research Society (Instituto de Investigação para a Criação), dedicou grande parte de sua vida a estudar e comparar esses relatos sobre o dilúvio. Segundo ele, 95% das narrativas dizem que o dilúvio foi global e não local; 95% dos relatos afirmam que o dilúvio não foi apenas uma chuva, mas um conjunto de grandes catástrofes; 88% dos relatos afirmam que houve uma família que se salvou dessa inundação; 70% dizem que essa família se salvou num tipo de embarcação; 66% dizem que eles foram avisados; 66% afirma que o dilúvio foi enviado devido à abominação do homem; 67% dos relatos dizem que os animais também foram salvos; 35% dizem que as aves foram soltas para ver se a superfície estava seca; 13% dizem que os sobreviventes ofereceram sacrifícios após saírem da embarcação; e, em cerca de 9%, exatas oito pessoas foram salvas.
Por causa dessas similaridades, alguns historiadores têm sugerido que o relato bíblico não passa de um plágio de documentos mais antigos. Entretanto, como destaca Rodrigo Pereira da Silva, doutor em Teologia do Novo Testamento pela Pontifícia Faculdade Católica de Teologia N. S. Assunção, em São Paulo, e especializado em Arqueologia pela Universidade Hebraica de Jerusalém, "as diferenças (que são muito mais significativas que as similaridades) fazem supor não uma cópia de material, mas antes uma referência múltipla aos mesmos eventos." (Por Que Creio, Michelson Borges, CPB, 2003.)

Esses relatos apontam para um acontecimento real, ocorrido em tempos remotíssimos. Se o dilúvio realmente teve as proporções que a Bíblia lhe atribui, era de se esperar que a humanidade jamais o esquecesse. E isso certamente justifica o fato de a história ter sido passada entre os povos das nações e culturas que foram surgindo e se espalhando sobre a terra depois do dilúvio.
Kenneth A. Kitchen, professor emérito de Egiptologia, em sua obra Ancient Orient and Old Testament, diz que:
"A suposição comum de que este relato [bíblico] é simplesmente uma versão simplificada de lendas babilônicas é um sofisma em suas bases metodológicas. No antigo Oriente Próximo, a regra é que relatos e tradições podem surgir (por acréscimo ou embelezamento) na elaboração de lendas, mas não o contrário. No antigo Oriente, as lendas não eram simplificadas para se tornar pseudo-história, como tem sido sugerido para o Gênesis."
Ou seja, a Bíblia é uma correção e não um plágio dos mitos antigos. Uma prova disso é o fato de que a arca de Gilgamesh possuía medidas iguais, ou seja, ela formaria um cubo perfeito e, assim, com toda certeza naufragaria. Já a arca de Noé era perfeita para flutuar, sendo longa e retangular. Neste caso, é evidente que o relato bíblico é mais consistente. Além disso, a Bíblia é a única que mantém o monoteísmo clássico, enquanto o épico sumério é politeísta. Os tabletes de Ebla, datados de cerca de 2580-2450 (Giovanne Pettinato, Paolo Matthiae, 2400-2250 a.C.), são os mais antigos relatos escritos, e narram a criação a partir do nada por um Deus único, o que está de acordo com a narrativa bíblica.

Portanto, dizer que a bíblia plagiou a Epopeia de Gilgamesh é contradizer as regras culturais na elaboração de lendas. Na verdade, ambas as histórias poderiam provir de uma mesma fonte comum: Os filhos de Noé. A origem dos sumérios é explicada na Bíblia. Após o dilúvio, alguns descendentes de Noé encontraram um vale na terra de Sinar e resolveram habitar ali (Gênesis 11:2). Sinar é o nome que o Antigo Testamento dá ao território da antiga Suméria, que posteriormente viria a se chamar Babilônia ou Mesopotâmia (atual Iraque).

Além disso, nosso Senhor Jesus Cristo, falando sobre Sua Segunda Vinda, disse: "Como foi nos dias de Noé, assim também será na vinda do Filho do homem. Pois nos dias anteriores ao dilúvio, o povo vivia comendo e bebendo, casando-se e dando-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca; e eles nada perceberam, até que veio o dilúvio e os levou a todos. Assim acontecerá na vinda do Filho do homem." (Mateus 24:37-39; cf. Lucas 17:26-27). Aqui Jesus se refere a Noé como uma pessoa real, ao dilúvio como um evento real e à arca também como uma embarcação real. Seu Apóstolo Pedro também mencionou o dilúvio de Noé, dizendo: "E pela água o mundo daquele tempo foi submerso e destruído. Pela mesma palavra os céus e a terra que agora existem estão reservados para o fogo, guardados para o dia do juízo e para a destruição dos ímpios." (2 Pedro 3:6-7). Então, se cremos no Senhor Jesus e no santo apostolado de Pedro, não temos motivo para duvidar da veracidade do relato bíblico acerca do dilúvio.


Extraído de:
https://defendendoafecrista.wordpress.com/2015/12/11/o-diluvio-de-genesis-e-um-plagio-da-epopeia-de-gilgamesh/

Referências:
López, R.E., The antediluvian patriarchs and the Sumerian king list, Journal of Creation 12(3):347-357, 1998.
Heidel, A., The Gilgamesh Epic and Old Testament Parallels, University of Chicago Press, p. 3, 1949.
The Epic of Gilgamesh, Tablete XI,<www.ancienttexts.org/library/mesopotamian/gilgamesh/tab11.htm>, 12 Março 2004.
De Monty White.
The flood narrative from the Gilgamesh Epic, <www.piney.com/Gilgamesh.html>, 12 Março 2004.
Grigg, R., Did Moses really write Genesis? Creation 20(4): 43-46, 1998.
Schmidt, W., The Origin and Growth of Religion, Cooper Square, New York, 1971.
Barnett, A., For want of a word, New Scientist 181(2432):44-47, 31 Janeiro 2004.


Collins, D.H., Was Noah’s Ark stable? Creation Research Society quarterly 14(2):83-87, Setembro 1977.


Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...