sexta-feira, 11 de maio de 2018

Compreendendo o Sábado Cristão (por Mark R. Rushdoony)


“Portanto, resta ainda um repouso para o povo de Deus.”

(Hebreus 4:9)


Nota: O "Sabbath" (sabá) é comumente confundido com "sábado", mas no idioma inglês é mais fácil de identificar a diferença.O Sábado (Saturday, em inglês) era no antigo testamento o Sabbath de cada semana, o dia semanal a ser separado. No entanto, o Sabbath não se resumia ao sábado, havendo outras festividades nas quais havia a ordem divina de ser guardado o Sabbath.Ou seja, seriam como os feriados aos quais estamos acostumados.O Sabbath era um dia de descanso (assim como os feriados sugerem), e que não necessariamente ocorriam aos sábados.Conforme o entendimento reformado, o Sabbath semanal dos cristãos é o Domingo e não mais o Sábado.


Um clichê comum é que os cristãos precisam ir “além da letra da lei”. A própria Escritura às vezes nos leva além da letra da lei para uma compreensão de seu significado. Jesus freqüentemente fez comentários sobre leis que eram observadas apenas externamente pelos líderes religiosos de seus dias. Além da condenação ao ato de adultério, por exemplo, nos é dito que entendemos a própria luxúria como uma forma de adultério (Mt 5:28). O clichê é muitas vezes mal utilizado, no entanto. Sugerir que devemos ir além da letra da lei é uma sugestão maléfica se olhar para um significado espiritualizado e místico que deprecia a obediência real à letra da lei em si. Muitas vezes, “ir além da letra da lei” é usado como um eufemismo para deixar a obediência para trás.
Eu pretendo que esses comentários sobre a observância do Sábado sejam considerados como expansão do significado de nossa observação do descanso sabático; eles não devem ser considerados como sugestão de que devemos abandoná-lo. Existem vários tipos de descanso sabático nas Escrituras, mas vou me concentrar no sábado semanal e em seu significado. Com muita frequência, as discussões sobre o descanso sabático concentram-se nas regras que se devem observar para não violar o dia por nossas ações. Eu acho que Paulo foi claro sobre não devermos julgar uns aos outros em tais coisas (Cl 2:16), então deixo essas questões para a consciência do leitor. Acredito que o que muitas vezes se perde nas discussões do dia de sábado é o motivo por que descansamos e qual deveria ser nosso entendimento autoconsciente do significado e implicação de nosso descanso.

Descanso sabático

O descanso mais negligenciado do sábado é o mencionado no terceiro e quarto capítulos de Hebreus. Essa passagem fala do fracasso dos israelitas nos dias de Moisés em entrar no lugar de descanso, que era Canaã. Esse fracasso foi causado por falta de fé (Hb 4:6), mas o destino deles era um lugar muito real, não um estado espiritual. Seu fracasso foi um ato de omissão em vez de comissão, uma recusa de avançar em termos do futuro que Deus prometeu a eles. Somos especificamente advertidos contra a falha semelhante em entrar em nosso descanso (Hebreus 4:1). Há muito mais aqui do que a observância das regras do Dia do Senhor ou um fracasso “espiritual”.

Deus sentenciou toda uma geração a morrer sem ver Suas futuras bênçãos. Seu pecado foi uma falha em agir em termos da certeza do futuro que Deus havia revelado a eles. Eles temiam os perigos de entrar em Canaã, então o julgamento de Deus foi para que essa geração se estagnasse. Seu pecado não foi uma violação de um dos Dez Mandamentos ou qualquer jurisprudência dada a Moisés, mas uma recusa em agir na expectativa de que cada promessa de Deus seja verdadeira.

Esse castigo foi para aquela geração no deserto e foi encerrado uns 1400 anos antes de Hebreus ser escrito. Como podem os cristãos, então, estarem sujeitos a um destino semelhante no primeiro século, para não mencionar hoje? Hebreus 4, no entanto, muito claramente conecta todos os cristãos a essa geração do deserto e nos adverte sobre repetir o pecado deles.

O que o descanso sabático representa?

O descanso sabático significa mais do que não trabalhar; é assim que nos dizem para observar o dia sagrado semanal. O “descanso” da entrada em Canaã na verdade inaugurou gerações de trabalho, mas o descanso que Canaã representava era uma realização de algo, um ponto escatológico. Hebreus 4:10 faz referência ao descanso de Deus, mas é importante que a cessação da criação de Deus (Gn 2) tenha sido dada no contexto de Sua conclusão da Criação. Deus havia terminado aquilo que Ele chamou de “muito bom”. Essa é a base histórica do descanso sabático mais referenciada pelos cristãos, mas há três eventos históricos dados como base para o descanso sabático nas Escrituras. Alguns se referem a estes como três sábados, mas todos são um, com três razões anexadas. Cada uma das três são obras completas de Deus, com a nossa observância do descanso sendo uma consciência autoconsciente de que tudo o que fazemos depende do que Deus já fez por nós.

A primeira menção ao sábado é Gênesis 2:1–3, repetida em Êxodo 20: 8–11. Um descanso foi ordenado para recordar o fato histórico de que Deus criou todas as coisas e as apresentou ao homem como seu lar e o local de seu trabalho.

A segunda razão para o descanso sabático referia-se ao êxodo do Egito, a salvação da escravidão por Deus. Depois que Moisés quebrou as primeiras tábuas de pedra, Deus deu outro conjunto, mas desta vez deu uma segunda razão para o descanso (Deut. 5:12-15). Esse descanso era relacionados à salvação de Deus, da escravidão para as bênçãos de uma terra que mana leite e mel. Mais uma vez a observância foi baseada em um evento histórico da mão de Deus e suas implicações para o futuro.

O terceiro evento histórico mencionado nas Escrituras como base para o descanso sabático é a vitória de Jesus Cristo (Hb 4). Sua entrada no descanso (v. 10) está associada àquela do descanso da criação de Deus (v. 10, cf. Gn 2:1–3) e o descanso no qual Josué liderou os israelitas quando eles entraram na terra (v. 8, note que a KJV diz “Jesus” mas essa é a forma grega de “Josué” e a referência dos versículos 7–8 é claramente aos dias de Josué.

O "sábado cristão" foi imediatamente transferido para o primeiro dia da semana. Esta não foi uma mudança arbitrária ou injustificada, mas representa exatamente o que Hebreus 4 expôs mais tarde, que "Portanto, resta ainda um repouso [a guarda do sábado] ao povo de Deus" (v. 9). Os discípulos reconheceram Jesus como o maior Josué e entenderam que seu descanso era agora em termos de Sua obra consumada. A libertação do pecado que Ele deu era muito maior do que a libertação da escravidão egípcia. O tipo foi substituído pela realidade.

A criação representou uma promessa da provisão de Deus para o homem. O êxodo foi Seu cenário do cenário para um futuro sob Sua lei. Os discípulos sabiam que Jesus havia estabelecido firmemente o Seu Reino dos Céus.

O significado do descanso sabático

Cada base histórica para o descanso sabático faz referência a uma obra acabada de Deus que estabeleceu Sua provisão para o homem. A cessação das atividades do homem em um dia que é separado dos outros seis significa que seu contexto de vida e obra está na provisão de Deus para ele.

O resto da criação foi uma cessação da atividade de criação. Nessa obra divina realizada por Deus o homem tem tal segurança na providência de Deus em que ele também pode descansar. Meu pai muitas vezes repetia uma frase em suas orações que expressa isso: “Tu cuidas de nós melhor do que cuidamos de nós mesmos”. A observância do sábado representa uma confiança atual e uma segurança futura em termos do cuidado providencial de Deus em Sua criação e de nós, Suas criaturas. .

Da mesma forma, o descanso baseado no êxodo era uma visão da salvação que relatava um milagre de Deus. Ele trouxe Israel da escravidão para um lugar de descanso em Canaã. O descanso semanal era então visto também em termos daquele ato divino realizado, mas também referenciava o seu futuro em Canaã com relação às promessas de Deus.

Além do vínculo especificado do sábado semanal com o êxodo, a Festa dos Tabernáculos (tendas) também comemorava essa ocasião pela construção de tendas ou cabanas durante uma celebração anual de uma semana. Não foi totalmente passado, no entanto. O ritual diário do templo era uma procissão festiva onde os sacerdotes reuniam água fora de Jerusalém e a levavam ao altar, onde tanto a água (representando a provisão de Deus para a vida) quanto o vinho (representando prosperidade) eram despejados na base do altar. A água referenciava várias passagens proféticas ainda obviamente orientadas para o futuro, incluindo a promessa de “águas vivas” que sairão de Jerusalém (Zacarias 14:8) e a visão de Ezequiel da água que fluía do altar e se tornaria um rio “que não podia seja atravessado”(Ezequiel 47:1-10, nota v.5). Jesus apareceu no templo no último dia da festa (João 7:37–53) provavelmente quando esta cerimônia foi concluída, e ofereceu toda a “água viva”, conectando assim a bênção do Seu Reino com as esperanças de Israel. A celebração da Festa dos Tabernáculos, embora baseada no êxodo histórico, representava uma expectativa presente e a certeza futura da bênção de Deus.

O sábado cristão inclui um terceiro evento histórico como base para descansar na obra consumada de Deus - a vitória consumada de Jesus Cristo. Sua expiação representa uma razão pela qual podemos descansar de nossos trabalhos e por que nosso futuro é certo.

Em todos os três contextos históricos, o sábado representa a segurança do homem em termos da obra acabada de Deus. Nosso trabalho pode fazer uma pausa pelas ordens de Deus, porque é uma resposta à nossa salvação e não a sua causa. A atividade da observância do sábado não é um cumprimento arbitrário das regras, mas nossa cessação do trabalho em uma consciência autoconsciente de que a obra salvadora de Deus é determinante, não a nossa. Nosso futuro é certo e nossos trabalhos são importantes porque Deus realmente se importa conosco melhor do que nós mesmos.

O trabalho do homem não salva, mas é ordenado como um ato de obediência. A geração “cujos cadáveres caíram no deserto” (Hb 3:17) falhou em obedecer, em avançar na confiança de que Deus cumpriria Suas promessas. Eles achavam que estavam sendo práticos, mas as Escrituras nos dizem que agiram em “incredulidade” (Hb 3:19). A questão em Hebreus 4 é essencialmente: “Você fará o mesmo? Você deixará de agir em termos do que Deus fez e prometeu ainda fazer?”

Os cristãos judeus aos quais Hebreus foi escrito estavam olhando para trás, não para frente. Eles não viram as implicações de quem Jesus era e o que isso significava para servir o Seu Reino. Como os israelitas no deserto, eles não estavam prontos para seguir em frente. Este texto é geralmente limitado a uma advertência contra a apostasia. É isso, mas é mais, ou a referência à geração no deserto seria pobre. Seu pecado específico é a inatividade, a incapacidade de avançar na confiança na promessa de Deus. Aplica-se a nós porque somos também chamados a seguir em frente, a agir em relação ao que Cristo fez.

Mesmo quando a geração do deserto falhou no teste, a promessa de Deus permaneceu para os filhos. A promessa estava lá, mas não lhes fez bem (Hb 4:2). As promessas de Deus eram certas desde a criação (Hb 4:3), mas elas não viam sua realização.

O sábado não deve ser reduzido a suas observâncias externas. Deve ser entendido em uma cosmovisão que reconhece a obra consumada de Deus. Nós descansamos nesse trabalho; nós celebramos isto, e nos levantamos outro dia refrescado para nos movermos para os Canaans deste mundo, espalhar a água viva do altar da expiação de Cristo até que a influência do Reino dele seja um rio que nenhum homem pode atravessar. Porque o nosso descanso final ainda permanece, nós nos levantamos do nosso descanso sabático semanal para buscar o Reino de Deus e Sua justiça.

Traduzido livremente de:
https://chalcedon.edu/magazine/understanding-sabbath-rest


Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...