quinta-feira, 31 de março de 2022

Jesus é Deus? (por Rod Rhodes) - parte 02 de 02

Bookmark and Share Bookmark and Share


Paralelos do Antigo Testamento provam que Jesus é Deus

Uma comparação do Antigo e do Novo Testamento fornece um testemunho poderoso da identidade de Jesus como Deus. Por exemplo, um estudo do Antigo Testamento indica que é somente Deus quem salva. Em Isaías 43:11, Deus afirma: "Eu, eu mesmo, sou o Senhor, e além de mim não há salvador". Este versículo indica que (1) a afirmação de ser Salvador é, em si mesma, uma afirmação de divindade; e (2) há apenas um Salvador - o Senhor Deus. É, portanto, altamente revelador da natureza divina de Cristo que o Novo Testamento se refira a Jesus como "nosso grande Deus e Salvador" (Tito 2:13).

Da mesma forma, Deus afirmou em Isaías 44:24"Eu sou o Senhor, que faço todas as coisas, que sozinho estendo os céus, e espraio a terra por Mim mesmo" (grifo nosso). O fato de que somente Deus "faz todas as coisas" (Isaías 44:24) - e o fato concomitante de que Cristo é reivindicado como o Criador de "todas as coisas" (João 1:3; Colossenses 1:16Hebreus 1:2) - prova que Cristo é verdadeiramente Deus.


Aparições pré-encarnadas de Cristo

Muitos teólogos acreditam que as aparições do “anjo do Senhor” (ou, mais literalmente, “anjo de Yahweh”) nos tempos do Antigo Testamento eram aparições pré-encarnadas de Jesus Cristo. (A palavra pré-encarnadas significa “antes de se tornar um ser humano”.) Há várias evidências para essa visão:


O anjo de Yahweh apareceu a Moisés na sarça ardente e afirmou ser Deus (Êxodo 3:6).


No entanto, o anjo de Yahweh foi enviado ao mundo por Yahweh (Juízes 13:8-9), assim como Jesus foi enviado ao mundo nos tempos do Novo Testamento pelo Pai (João 3:17).


O anjo de Javé orou a Javé em favor do povo de Deus (Zacarias 1:12), assim como Jesus ora ao Pai pelo povo de Deus hoje (Hebreus 7:25; 1 João 2:1-2).


Parece que as aparições deste “anjo” não poderiam ser o Pai ou o Espírito Santo. Afinal, o Pai é Aquele "a quem ninguém viu nem pode ver" (1 Timóteo 6:16, NVI; ver também João 1:18, 5:37). Além disso, o Espírito Santo não pode ser visto fisicamente (João 14:17). Isso deixa apenas Jesus.


O anjo de Yahweh e Jesus se engajaram em ministérios surpreendentemente semelhantes - como libertar os escravizados (Êxodo 3; Gálatas 1:4; 1 Tessalonicenses 1:10; 2 Timóteo 4:18; Hebreus 2:14-15) e confortar os abatidos (Gênesis 16:7-13; 1 Reis 19:4-8; Mateus 14:14, 15:32-39).


Essas evidências sugerem que as aparições do anjo de Yahweh nos tempos do Antigo Testamento eram aparições pré-encarnadas de Cristo. Supondo que isso esteja correto, a palavra “anjo” é usada para Cristo nesses versículos de acordo com sua raiz hebraica, que significa “mensageiro, aquele que é enviado, enviado”. Cristo, como o anjo de Yahweh, estava agindo em nome do Pai, assim como fez nos tempos do Novo Testamento.


A Base Bíblica para a Trindade

A divindade de Cristo está intimamente ligada à doutrina da Trindade. Esta doutrina afirma que há apenas um Deus e que na unidade da divindade há três pessoas coiguais e coeternas - o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Consideremos brevemente a evidência para esta doutrina.


Existe Um Deus

No curso da auto-revelação de Deus à humanidade, Ele revelou Sua natureza em estágios progressivos. Primeiro, Deus revelou que Ele é o único Deus verdadeiro. Este foi um ponto de partida necessário para a auto-revelação de Deus. Ao longo da história, Israel foi cercado por nações pagãs profundamente envolvidas na crença de que existem muitos deuses. Através dos profetas, Deus comunicou a Israel que existe apenas um Deus verdadeiro (Deuteronômio 6:4, 32:39; Salmo 86:10; Isaías 44:6). Mesmo nesta conjuntura inicial, no entanto, encontramos indicações preliminares da Trindade (Gênesis 1:26, 11:7; Isaías 6:8, 48:16). A unidade de Deus também é enfatizada no Novo Testamento (Romanos 3:29-30; 1 Coríntios 8:4; Gálatas 3:20; 1 Tessalonicenses 1:9; 1 Timóteo 1:17, 2:5; Tiago 2:19; Judas 25).


O Pai é Deus

À medida que a história se desenrolava, Deus progressivamente revelava mais sobre si mesmo. Por fim, ficou claro que, embora haja apenas um Deus, há três pessoas distintas dentro de uma divindade, cada uma individualmente reconhecida como Deus (Mateus 28:19).


O Pai, por exemplo, é explicitamente chamado de Deus (João 6:27; Romanos 1:7; Gálatas 1:1; 1 Pedro 1:2). Ele também é retratado como tendo todos os atributos da divindade, como estar presente em todos os lugares (Mateus 19:26), onisciente (Romanos 11:33), todo-poderoso (1 Pedro 1:5), santo (Apocalipse 15:4), e eterno (Salmo 90:2).


O Filho é Deus

Jesus também é explicitamente chamado de “Deus” nas Escrituras (Tito 2:13; Hebreus 1:8). E Ele também tem todos os atributos da divindade, incluindo ser onipresente (Mateus 28:20), onisciente (Mateus 9:4), todo-poderoso (Mateus 28:18), santo (Atos 3:14), e eterno (Apocalipse 1:8,17).


O Espírito Santo é Deus

O Espírito Santo também é reconhecido como Deus (Atos 5:3-4). Ele também possui os atributos da divindade, incluindo estar presente em todos os lugares (Salmo 139:7-9), onisciente (1 Coríntios 2:10-11), todo-poderoso (Romanos 15:19), santo (João 16:7-14) e eterno (Hebreus 9:14).


Três-em-Unidade na Divindade

A Escritura também indica que há três-em-unidade na divindade. Em Mateus 28:19, o Jesus ressuscitado instruiu os discípulos: "Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo" (Mateus 28:19). A palavra nome é singular no grego, indicando assim a unidade de Deus. No entanto, os artigos definidos na frente de Pai, Filho e Espírito Santo (no original grego) indicam que são personalidades distintas, embora haja apenas um Deus.


Essas personalidades distintas se relacionam entre si. O Pai e o Filho, por exemplo, se conhecem (Mateus 11:27), se amam (João 3:35) e falam um com o outro (João 11:41-42). O Espírito Santo desceu sobre Jesus em Seu batismo (Lucas 3:22), é chamado de outro consolador (João 14:16), foi enviado pelo Pai e Jesus (João 15:26) e busca glorificar Jesus (João 16: 13-14).


Uma Analogia

Uma analogia útil da Trindade é que Deus é como um triângulo que é uma figura, mas tem três lados (ou cantos) diferentes ao mesmo tempo. Portanto, há uma trindade e uma unidade simultâneas. É claro que nenhuma analogia é perfeita, pois em toda analogia há uma semelhança e uma diferença. Por exemplo, a água pode existir simultaneamente em três estados diferentes como gelo, água e vapor; isto é, como um sólido, líquido e um gás à pressão de 4 Torr e temperatura de 273K. Uma substância, mas três personalidades totalmente diferentes.


Respondendo Objeções

Cultos e religiões falsas muitas vezes levantam objeções contra a divindade de Cristo e a doutrina da Trindade. A seguir, as principais objeções serão brevemente resumidas e respondidas.


Jesus é o Filho de Deus

Alguns afirmam que porque Jesus é o Filho de Deus, Ele deve ser um Deus menor do que Deus Pai. Entre os antigos, porém, um significado importante de Filho de é "aquele que tem a mesma natureza que". Jesus, como o Filho de Deus, tem a própria natureza de Deus (João 5:18, 10:30, 19:7). Ele não é, portanto, um Deus menor.


O Pai é "Maior" que Jesus

Alguns cultos argumentam que, porque Jesus disse que o Pai é “maior” que Ele (João 14:28), isso deve significar que Jesus é um Deus menor. Biblicamente, porém, Jesus é igual ao Pai em Sua natureza divina (João 10:30). Ele era posicionalmente inferior ao Pai do ponto de vista de se tornar um servo ao assumir a semelhança humana (Filipenses 2:6-11). Posicionalmente, então, o Pai era “maior” do que Jesus.


Jesus é o Primogênito

Alguns cultos argumentam que, porque Jesus é o “primogênito da criação” (Colossenses 1:15), Ele é um ser criado e, portanto, não pode ser verdadeiramente Deus. Biblicamente, porém, Cristo não foi criado, mas é o Criador (Colossenses 1:16; João 1:3). O termo primogênito, definido biblicamente, significa que Cristo é “o primeiro em posição” e “preeminente” sobre a criação que Ele trouxe à existência..


Jesus Não é Onisciente

Alguns cultos argumentam que, porque Jesus disse que ninguém sabe o dia ou a hora de Seu retorno, exceto o Pai (Marcos 13:32), Jesus não deve ser onisciente e, portanto, não deve ser verdadeiramente Deus. Em resposta, Jesus nos Evangelhos às vezes falava da perspectiva de Sua divindade e outras vezes da perspectiva de Sua humanidade. Em Marcos 13:32, Jesus estava falando da perspectiva limitada de Sua humanidade (ver Filipenses 2:5-11). Se ele estivesse falando de Sua divindade, Ele não teria dito que não sabia o dia ou a hora. Outros versículos mostram que Cristo, como Deus, conhece todas as coisas (Mateus 17:27; Lucas 5:4-6; João 2:25, 16:30, 21:17).


Jesus Orou

Alguns cultos argumentam que porque Jesus orou ao Pai, Ele não poderia ser verdadeiramente Deus. Biblicamente, porém, foi em Sua humanidade que Cristo orou ao Pai. Uma vez que Cristo veio como um homem - e uma vez que um dos deveres apropriados do homem é cultuar, orar e adorar a Deus - era perfeitamente apropriado que Jesus se dirigisse ao Pai em oração. Posicionalmente falando como um homem, como um judeu e como nosso Sumo Sacerdote - "em todas as coisas Ele teve que ser feito como Seus irmãos" (Hebreus 2:17) - Jesus podia orar ao Pai. Mas isso de forma alguma diminui Sua divindade intrínseca.


A Trindade é Ilógica

Alguns cultos afirmam que a Trindade é ilógica ("três em um"). Em resposta, a Trindade pode estar além da razão, mas não é contra a razão. A Trindade não implica três deuses em um Deus, ou três pessoas em uma pessoa. Tais alegações seriam absurdas. Não há nada de contraditório, porém, em afirmar três pessoas em um Deus (ou três quems em um o quê).


A Trindade é Pagã

Alguns cultos afirmam que a doutrina da Trindade está enraizada no antigo paganismo na Babilônia e na Assíria. Em resposta, os babilônios e assírios acreditavam em tríades de deuses que lideravam um panteão de muitos outros deuses. Essas tríades constituíam três deuses separados (politeísmo), o que é totalmente diferente da doutrina da Trindade que sustenta que há apenas um Deus (monoteísmo) com três pessoas dentro de uma divindade.



Conclusão: Jesus é Deus

Vimos que Jesus deve ser visto como Deus em virtude do fato de que Ele tem os nomes de Deus, os atributos de Deus e a autoridade de Deus; Ele faz as obras de Deus; e Ele é adorado como Deus. Também vimos evidências bíblicas persuasivas para a doutrina da Trindade. Nosso Deus trino é um Deus maravilhoso!


Traduzido livremente de: 


Parte 1: