sexta-feira, 21 de junho de 2013

A Perpetuidade da Lei de Deus (C. H. Spurgeon) - Parte 05 de 05


II. Venho mostrar, em segundo lugar, QUE A LEI DEVE SER CUMPRIDA. Espero que existam pessoas aqui dizendo: “Não podemos cumpri-la.” É exatamente o que desejo trazer a vocês! A salvação baseada nas obras da Lei deve ser percebida como impossível por todo homem que a ela aspira! Devemos aprender que a salvação é pela Graça através da fé em Jesus Cristo nosso Senhor; não por nossos feitos ou sentimentos. No entanto, esta é uma doutrina que ninguém entenderá até que tenha aprendido esta Verdade de Deus – que a salvação pelas obras da Lei não pode sobrevir a nenhum homem nascido de mulher!
Mesmo assim a Lei deve ser cumprida. Muitos dirão como Nicodemos, “Como pode suceder isto?” Respondo, a Lei é cumprida em Cristo e pela fé recebemos os frutos. Em primeiro lugar, como já afirmei, a Lei é cumprida no inigualável sacrifício de Jesus Cristo. Se um homem a transgrediu, o que acontece? Ela diz: “Devo ser honrada. Você transgrediu meu mandamento, o qual foi sancionado com a pena de morte. Visto que não me honrou pela obediência, mas me desonrou pela transgressão, você deve morrer.” Nosso Senhor Jesus Cristo, o maior Representante do Pacto, o segundo Adão, tomou a frente em prol de todos os que Nele estão e se apresentou como vítima frente à Justiça Divina.
Visto que Seu povo estava condenado à morte, Ele, como o Cabeça do Pacto, veio a morrer em seu lugar! Que fato glorioso ter sido possível tal morte representativa; a qual só foi possível por causa da constituição original da raça, que nasceu de um pai em comum e foi posta sob um único cabeça. Na medida em que caímos através de um Adão, foi possível sermos levantados através de outro Adão! “Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo.” Tornou-se possível para Deus, sob o princípio da representação, permitir a substituição. Nossa primeira queda não aconteceu por nossa própria culpa, mas pela falha do nosso representante; e agora vem nosso segundo e magnificente Representante, o Filho de Deus, o qual nos liberta, não porque a lei é honrada por nós, mas porque é honrada por Ele!
Ele nasceu sob a Lei. E sendo achado carregando a culpa de todo o Seu povo, foi afligido por sua penalidade! A lei levanta seu machado sangrento e fere nosso glorioso Cabeça para que possamos ser livres! É o Filho de Deus que cumpre a lei ao morrer, o Justo pelos injustos. “A alma que pecar, essa morrerá”; aqui está a morte sendo exigida, e em Cristo, a morte é apresentada! Vida gerada por vida! Uma vida infinitamente preciosa em vez das pobres vidas humanas! Jesus morreu e então a Lei foi cumprida através da permanência da sua penalidade. E tendo sido cumprida, seu poder para condenar e punir o crente extinguiu-se.
Em segundo lugar, a Lei foi cumprida de novo por nós, através da vida de Cristo. Já examinei este assunto, porém quero firmar-me nele. Jesus Cristo, como nosso Cabeça e Representante, veio ao mundo com o duplo propósito de suportar a penalidade e, ao mesmo tempo, cumprir a Lei. Um dos seus principais propósitos ao vir a terra foi o de “introduzir a perfeita justiça.” “Porque, como, pela desobediência de um só homem, muitos se tornaram pecadores, assim também, por meio da obediência de um só, muitos se tornarão justos.” A lei exige uma vida perfeita e o homem que crê em Jesus Cristo apresenta diante dela uma vida perfeita. Esta vida agora pertence a ele pela fé; não é dele mesmo, mas Cristo nos tornou, da parte de Deus, justiça, igualmente para nós que somos um com Ele. “Porque o fim da lei é Cristo, para justiça de todo aquele que crê.”
A obra de Cristo é tomada como se fosse nossa! E porque Ele foi justo, Deus nos vê Nele e nos considera justos sob o princípio da substituição e da representação. Oh, que benção é tomar este manto e vesti-lo! E permanecer diante do Todo-Poderoso em mais elevada justiça do que exigiu Sua Lei – pois esta reclamou a perfeita justiça de uma criatura – mas nós vestimos a justiça completa do próprio Criador! O que mais requer a Lei? Está escrito: “Nos seus dias, Judá será salvo, e Israel habitará seguro; será este o seu nome, com que será chamado: SENHOR, Justiça Nossa.” “Foi do agrado do SENHOR, por amor da sua própria justiça, engrandecer a lei e fazê-la gloriosa”.
Sim, mas isto não é tudo. A Lei deve ser cumprida em nós pessoalmente através de uma percepção espiritual e evangélica. “Bem”, você pode dizer: “mas como pode ser isto?” Respondo com as palavras do nosso Apóstolo – “Porquanto o que fora impossível à lei, no que estava enferma pela carne,” Cristo fez e está fazendo através do Espírito Santo, a fim de que o preceito da lei se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito.” A Regeneração é uma obra através da qual a Lei é cumprida, pois quando um homem nasce de novo, é colocado nele uma nova natureza que ama a Lei de Deus e está completamente conformada a ela. A nova natureza implantada por Deus em cada crente no momento do seu novo nascimento é incapaz de pecar – não pode pecar, porque nasceu de Deus! Ela é o fruto do pai eterno, e o Espírito de Deus habita nela, com ela e a fortalece!
É luz, pureza “semente incorruptível, a qual vive e é permanente.” Se é incorruptível, é sem pecado, porque o pecado é corrupção e corrompe tudo o que toca. O Apóstolo Paulo, ao descrever seus conflitos interiores, mostrou que ele mesmo, seu melhor e mais verdadeiro eu, cumpriu a Lei, pois afirma: “De maneira que eu, de mim mesmo, com a mente, sou escravo da lei de Deus.” (Romanos 7:25). Concordou que a Lei era boa, mostrando com isso estar do lado dela. E embora o pecado que estava em seus membros o levava a transgredir, sua nova natureza não permitia, mas odiava e nutria aversão por este pecado, clamava contra ele como que em cativeiro!  A alma renascida se deleita na Lei do Senhor e possui no seu interior uma vida inextinguível que anseia pela completa perfeição! Nunca descansará até que satisfaça o Senhor com a perfeita obediência e se torne como o próprio Deus!
Todo homem no qual a regeneração teve início, ela continuará e se desenvolverá até finalmente chegar à absoluta perfeição. Este fato será visto no mundo vindouro e oh, quão maravilhoso cumprimento da Lei veremos! Ela não aceitará nenhum homem no céu até que esteja conformado a ela em perfeição – mas todo crente deverá apresentar esta condição perfeita! Nossa natureza deve ser purificada de toda a imundície e ser tão pura quanto o ouro! Deleitaremos-nos em sermos santos no Céu. Então nada em nós irá contra um único mandamento de Deus! Lá conheceremos, em nossos próprios corações, a Glória e a excelência da vontade divina, e a nossa vontade seguirá o mesmo caminho. Não pensemos que os mandamentos são rigorosos – serão a nossa própria vontade da mesma maneira que são a vontade de Deus!
Por isso nenhum dos mandamentos de Deus; por mais abnegação que exijam agora; requererá mais renúncia de nós! A santidade será nossa base, nosso deleite! Nossa natureza estará completamente conformada à natureza e à Vontade de Deus no que se refere à santidade e bondade – e então a Lei será cumprida em nós e permaneceremos diante de Deus, tendo lavado nossas vestes e tornado-as alvas no sangue de Cordeiro! E, ao mesmo tempo, estaremos sem mancha, defeito ou algo parecido! Então que a Lei do Senhor receba honra eterna da nossa existência imortal. Oh, como seremos alegres! Porque, no tocante ao homem interior, agora tenho prazer na lei de Deus, mas então nos deleitaremos nela com nossos corpos ressuscitados, os quais serão atraídos para serem instrumentos de justiça para Deus eternamente! Com relação a estes corpos ressuscitados, nenhuma fome, querer ou necessidade os desencaminhará, porém todo nosso corpo, alma e espírito serão conformados à mente de Deus!
Que possamos desejar e almejar esta nova vida! Nunca a alcançaremos, a não ser pela fé em Jesus. A santidade perfeita nunca será alcançada pelas obras da Lei, pois estas não mudam a natureza. No entanto, pela fé no Salvador e pela obra abençoada do Seu Espírito Santo, alcançaremos nosso objetivo e então, creio, estará entre nossos cânticos de Glória que passará o céu e a terra, porém as Palavras e a Lei de Deus permanecerão para todo o sempre. Aleluia! Aleluia! Amém.
ORE PARA QUE O ESPIRITO SANTO USE ESSE SERMÃO PARA TRAZER UM CONHECIMENTO SALVIFÍCO DE JESUS CRISTO E PARA EDIFICAÇÃO DA IGREJA


Extraído de:
http://www.projetospurgeon.com.br/2013/06/a-perpetuidade-da-lei-de-deus/


Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...