sábado, 12 de abril de 2014

QUEM ERAM OS FILHOS DE DEUS EM GÊNESIS 6? (por Samuel Munhoz)

TEXTO-CHAVE: GÊNESIS 6.2
Versão: Português: João Ferreira de Almeida Corrigida e Revisada, Fiel

Viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas; e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram.


Poucos textos das Escrituras são capazes de gerar tantas dúvidas e divergências como o de Gênesis 6.2. Tal situação para o estudante da Bíblia torna-se ainda mais difícil diante do fato de que há mais de uma posição razoavelmente defensável, defendidas por excelentes eruditos dos escritos sagrados.

Seriam os Filhos de Deus anjos, descendentes de sete, ou reis? E as filhas dos homens, são mulheres descendentes de Adão ou especificamente descendentes de Caim?

Este estudo tem o objetivo de apresentar diversas interpretações conflitantes sobre o tema. Longe de fechar questão, nosso objetivo é conduzir o leitor em uma visão abrangente do debate. Embora não adotemos explicitamente um ponto de vista, criticaremos alguns que nos parecem fugir do âmbito de permissão das Escrituras.

Antes de iniciarmos, vale uma advertência: tendo em vista a concorrência de boas opiniões sobre o assunto, particularmente adotamos a postura de que este texto não deve ser utilizado de forma isolada para sustentar doutrinas cristãs. Qualquer ensinamento que exija o comprometimento com alguma interpretação específica desse texto demonstra sua fragilidade. Não estou dizendo que qualquer texto em que exista uma divergência de opiniões não deve ser usado para estabelecer doutrina. Este texto é um caso isolado, pois mais de um ponto de vista é coerente. Em inúmeros outros versículos há divergências, mas percebe-se notadamente que uma interpretação é muito mais sólida com toda a Escritura. Não nos parece ser o caso de Gênesis 6.2. Aqui duas ou três posições possuem uma lista de argumentos notáveis.
Assim, não devemos classificar um grupo como ortodoxo e outro como herético simplesmente por divergência nessa questão.

Diante de todo o exposto, convido o caro leitor a ingressar no estudo e análise de um dos textos mais misteriosos e polêmicos de toda a Bíblia. Seguiremos o mesmo formato para todos os pontos de vista:
Apresentação, principais defensores, argumentos utilizados e uma breve conclusão. Aproveite a leitura!

1ª POSIÇÃO – OS “FILHOS DE DEUS” ERAM DESCENDENTES DE SETE. AS FILHAS DOS HOMENS ERAM DESCENDENTES DE CAIM


a) Apresentação

Essa tem sido a interpretação cristã mais tradicional desde o século 3º d.C. Segundo este entendimento os Filhos de Deus são os descendentes de Sete. Já as filhas dos homens são descendentes de Caim. Nesse sentido, a mistura dessas duas sementes contaminou a linhagem piedosa de Sete. O remédio para este “jugo desigual” foi o dilúvio.

b) Defensores:

  • Efrém da Síria (306-373 d.C)
  • Agostinho de Hipona (354-430 d.C)
  • Martinho Lutero (1483-1546 d.C)
  • João Calvino (1509-1564 d.C)
  • Bíblia de Estudo Apologética, pg 11
  • Bíblia de Estudo Pentecostal, pg 41
  • Wayne Grudem (Teologia Sistemática, pg; 336.)
 
c) Argumentos:

·        Anjos não se casam (Mateus 22.30 e Marcos 12.25)¹

A expressão “tomar para si” é linguagem própria para referir-se ao casamento no Antigo Testamento. Se em Gênesis 6 fossem anjos haveria uma contradição com a afirmação de Jesus.

Conforme afirma Keil, “no versículo 2 se declara que “viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas; e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram” Ora, o termo hebraico “laqach ‘ishah”, tomar uma esposa, é uma frase que se mantém através de todo o Antigo Testamento para a relação do matrimônio, estabelecida por Deus na criação, e nunca se aplica a “porneia”, prostituição, relação sexual ilícita. Isto basta para excluir qualquer referência aos anjos”. No mesmo sentido afirma S.E.McNair que “A expressão “tomaram para si mulheres” é usada por todo AT somente com referência ao casamento legítimo, nunca às relações sexuais ilícitas.”

·        Os textos seguintes a Gênesis 6.2 demonstram que o juízo do dilúvio é contra a humanidade e não contra a esfera celestial

Especificamente, Gn 6.3 chama os ofensores de “carne” (“basar”, mortal na NVI). Se os Filhos de Deus eram anjos, alguma referência de juízo sobre eles deveria aparecer no texto também.

O verso 5 é claro em dizer que o Senhor viu a “maldade do homem”. O versículo 6 diz que o Senhor se arrependeu de fazer “o homem”. O versículo 12 afirma que toda “carne” havia se corrompido. Conclui-se que apenas a humanidade esteve envolvida no pecado, pois todo o contexto trata da maldade e do juízo dos seres humanos.


·        O contexto não permite a presença de anjos

O contexto de Gênesis 4, 5 e 6 não admite a presença de anjos, mas apenas de seres humanos. Não há referências a anjos.


·        O contexto aponta para duas linhagens

O Capítulo 4 trata da descendência de Caim, apresentando poligamia e assassinato. A genealogia de Caim começa com Caim – Gênesis 4.17-24.

A partir do versículo 25 do capítulo 4 até o final do capítulo 5 temos a descrição dos descendentes de Sete. Ela começa com Deus (5.1). Ela aponta para uma linhagem piedosa. Vejamos:

o       Enos, filho de Sete começou a invocar o nome do Senhor (Gn 4.26)

o       Enoque andou com Deus, e Deus o tomou para si (Gn 5.22-23)

o       Lameque (parece ser temente a Deus, pois atribui nome a Noé com significado relacionado às verdades espirituais – Gn 5.29).

o       Noé andava com Deus e achou graça aos seus olhos (Gn 6. 8, 9)

Assim, pelo contexto, podemos diferencias duas linhagens, estas melhor explicando as expressões Filhos de Deus e Filhas dos Homens. Note:

Filhos de Deus
Filhas dos Homens
Descendentes de Sete
Descendentes de Caim
Registro da genealogia 
remete a Deus – Gn 5.1.
(Por isso a expressão
“Filho de Deus”)
Registro da genealogia 
começa em Caim – Gn 4.17.
(Por isso a expressão
“filhas dos homens”)
Linhagem marcada por ser
piedosa.
(Ex. Enos, Enoque,
Lameque e Noé)
Linhagem marcada por ser
assassina e polígama.
(Caim e Lameque)
 

·        Gigantes (Nefilins) também aparecem em Números 13.33

Os Nefilins não são um grupo exclusivo decorrente de eventual relação entre e homem e anjos. Se assim fosse, como justificar a presença de Nefilins em Números 13.33 (mesma palavra de Gn 6)? Eram descendentes da família de Noé, não de anjos. Ressalte-se, ainda, que Gn 6.4 afirma que naquele havia já havia gigantes na terra, antes do acontecimento entre Filhos de Deus e filhas dos homens.²
 
Ademais, havia muitos outros gigantes na época de Moisés, de Josué, de Davi e até mesmo em épocas mais recentes. Ao lado vemos a foto de Robert Pershing Wadlow, com estatura de 2,75 (quase a mesma do Gigante Golias). Robert morreu em 1940.

(clique para ampliar)
Atualmente temos o ucraniano Leonid Ivanovych Stadnyk, com cerca de 2,55 metros de estatura. Foi considerado em 2008 como o homem mais alto do mundo.
 
Portanto, antes da relação entre os Filhos de Deus com a filhas dos homens já existiam gigantes, bem como depois do Dilúvio.

Vale obsevar que traduzir nefilins como gigantes é algo bastante duvidoso. Sobre o assunto afirma o Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento: “Na realidade, a tradução “gigantes” fundamenta-se principalmente na LXX e pode trazer bastante confusão. A palavra pode ser de origem desconhecida e significar “heróis” ou guerreiros violentos.” (página 980)

·        Anjos são espíritos (Hebreus 1.14)

Em Lucas 24.39 Jesus afirmou que um espírito não tem carne e osso. Hebreus 1.14 afirma que anjos são espíritos. Logo, anjos são incorpóreos. Não possuem órgãos reprodutores.

Se alguns anjos comeram, isso se dá por estarem na companhia de Deus e a seu serviço, sendo para isso capacitados por Deus. Os anjos caídos não tem essa capacidade. Note que os demônios quando precisam de um corpo não se humanizam, mas possuem um ser humano.

Por fim, como os seres humanos teriam tranquilidade se anjos, fora da vontade de Deus, resolvessem relacionar-se sexualmente com humanas outras vezes?

·        Cada um segundo a sua espécie

Os seres criados por Deus se reproduzem segundo a sua espécie. O ser humano é carne e o anjo é espírito. Essa mistura gerando filhos violaria a impossibilidade de reprodução de espécies distintas.
Por fim, ressalte-se que criar vida humana parecer ser um trabalho reservado unicamente a Deus.

·        Homens também são chamados de Filhos de Deus

A expressão Filhos de Deus pode ser atribuída a seres humanos (Dt 14.1; Os 1.10;2.1). De acordo com Lc 3.37, 38, o próprio Adão é chamado de filho de Deus.

·        Anjos bons não sentem desejos por mulheres. Anjos caídos não poderiam ser chamados de filhos de Deus

·        Os Livros apócrifos e pseudoepígrafos que afirmam serem os filhos de Deus anjos foram produzidos em tempos gnósticos e com forte influência de mitologias

Os conteúdos destes livros não são dignos de crédito. Possuem informações absurdas.

Exemplos:

·        I Enoque afirma que os gigantes que nasceram da relação entre anjos e humanos possuíam cerca de 1.300 metros de altura (3.000 côvados). O edifício mais alto do mundo possui cerca de 800 metros de altura (foto ao lado), ou seja, 500 metros menor que os gigantes do Livro de Enoque.
 Burj Dubai, em Dubai

·        Testemunho dos Doze Patriarcas afirma que os anjos foram atraídos pelas mulheres por causa dos enfeites no rosto e no cabelo.

d) Conclusão
Este entendimento realmente possui argumentos sólidos, bem como uma excelente lista de representantes. Se ele estiver certa, o texto se torna mais simples e menos misterioso.
Todavia, não obstante à solidez dos argumentos, esse ponto de vista não está sozinho. Outras opiniões, são amplamente defendidas na comunidade cristã, apresentando, também, bons subsídios para suas teses.


2ª POSIÇÃO – OS “FILHOS DE DEUS” ERAM ANJOS. AS FILHAS DOS HOMENS ERAM MULHERES DESCENDENTES DE ADÃO


a) Apresentação

Bastante misteriosa, esta corrente ensina que Gênesis 6 apresenta o relato da segunda queda dos anjos. Os Filhos de Deus seriam anjos que tiveram relações sexuais com mulheres humanas, gerando filhos. Diante dessa grave mistura o Dilúvio foi a única solução para o ocorrido.

b) Defensores:

·        Flávio Josefo, História dos Hebreus, CPAD, pg. 80.
·        Justino Mártir, Segunda Apologia (100-165 d.C)
·        Irineu de Lyon (130-202 d.C)
·        Tertuliano (160-220 d.C)
·        Clemente de Alexandria, (150-215 d.C)
·        Nemésio de Emesa (400 d.C)
·        Ambrósio de Milão (340-397 d.C)
·        Comentário Bíblico Moody, Editora Batista Regular, pg. 16
·        Comentário Bíblico Popular, Editora Mundo Cristão, pg. 17
·        Comentário Bíblico Vida Nova, Editora Vida Nova, pg. 108
·        Bíblia de Estudo Plenitude, pg. 12
·        Bíblia de Estudo Anotada, pg. 13
·        Manual Bíblico Unger, Editora Vida Nova, pg. 45
·        Antigo Testamento Interpretado, versículo por versículo, volume 1, pg. 58
·        G.H. Pember, As eras mais primitivas da terra, tomo 1, pg. 205-218
·        Codex Alexandrinus, do século V d.C

  
c) Argumentos:

  • A Expressão “Filhos de Deus” (Jó 1.6; 2.1; 38.7)

Charles C. Ryrie, comentando o texto de Gênesis 6, afirma que “a expressão filhos de Deus é usada no AT quase que exclusivamente com referência aos anjos”.

Nesse sentido, o mais natural seria entender que aqui a expressão também se refere a anjos.

  • Relação entre os versículos 1 e 2 de Gênesis capítulo 6

Em Gênesis 6.1 se lê: “Quando os homens (“ha Adam”) começaram a aumentar... e as filhas (“banot”) lhes deram à luz”.

“Ha adam” é genérico para humanidade, e “banot” se refere a toda sua descendência feminina. Seria arbitrário, no próximo versículo, limitar “adam” aos setitas e “banot” aos cainitas.

  • Judas versos 6 e 7 se refere ao acontecimento de Gênesis 6

E aos anjos que não guardaram o seu principado, mas deixaram a sua própria habitação, reservou na escuridão e em prisões eternas até ao juízo daquele grande dia;
Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregue à fornicação como aqueles, e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno.

(Grifos nossos)


Dos textos mencionados seria possível extrair algumas conclusões:

·        Judas compara o pecado de Sodoma e Gomorra com o pecado dos anjos ao afirmar “como aqueles”. Os pecados de Sodoma e Gomorra (homossexualismo) se parece mais com a mistura de anjos com homens, que seria o caso de Gênesis 6, do que com a rebelião de satanás.3

·        Estes anjos estão em prisões, ou seja, com tratamento diferenciado dos anjos que se rebelaram com Satanás, pois estes estão soltos.4
  
Assim, a melhor explicação para Judas 6 seria a queda dos anjos em Gênesis 6.

  • Anjos podem se “humanizar”

Anjos foram confundidos com homem em Sodoma. Estes mesmo anjos comeram com Abraão (Gn 18.8). Algumas pessoas, aliás, praticando a hospitalidade, acolheram anjos (Hb 13.1), demonstrando essa capacidade de se humanizar.

  • Corroboração de literatura extrabíblica

Muitos escritos extrabíblicos, datando dos séculos 2º a.C ao século 2º d.C, dão suporte à idéia de serem anjos os filhos de Deus citados em Gênesis 6.

    • I Enoque, 6.1 – Quando outrora aumentou o número dos filhos dos homens, nasceram-lhes filhas bonitas e amoráveis. Os anjos, filhos do céus, ao verem-nas, desejaram-nas e disseram entre si: “Vamos tomar mulheres dentre as filhas dos homens e gerar filhos.

OBS. Os defensores deste ponto de vista destacam o fato de que este livro de Enoque foi citado pelo livro inspirado de Judas, presente na Bíblia (Judas verso 14 seria uma citação de I Enoque 1.6). E é justamente Judas, no verso 6, que fala de anjos que não guardaram seu estado original – texto acima já analisado.

    • II Baruque 56Os anjos desfrutaram de liberdade (...), mas alguns desceram e misturaram-se com mulheres, e os que fizeram isso ficaram atormentados em correntes.

    • O Livro dos Jubileus, 5.1– E aconteceu que, quando os filhos dos homens começaram a multiplicar-se sobre a face da terra e nasceram filhas deles, que os anjos de Deus viram que eram belas à vista...

    • Gênesis Apócrifo (História de Lameque) - Diz ele, que certo dia Lameque, pai de Noé, voltando para casa de uma viagem de mais de nove meses, foi surpreendido pela presença de um menino pequenino que, por seu aspecto físico externo em absoluto não se enquadraria na família. Lameque levantou pesadas acusações contra sua mulher Bat-Enosh e afirmou que aquela criança não se originara dele.
Bat-Enosh se defendeu, jurando por tudo que lhe era sagrado que o sêmem só poderia ser dele, do pai Lameque, pois na ausência do marido ela não teve o menor contato com nenhum soldado, nem de um estranho nem de um dos "filhos do céu".

    • Testamento dos Patriarcas, V, 2 – Fugi da prostituição, meus filhos. Proibi vossas mulheres e vossas filhas enfeitarem a cabeça e o rosto! Pois toda mulher que recorre a esses ardis atrai sobre si castigo eterno. Foi dessa maneira que elas também enfeitiçaram os Guardiões antes do dilúvio. Eles olhavam-nas constantemente, e assim conceberam o desejo por elas. Engendraram o ato em sua mente, e transformaram-se em figuras humanas. E quando aquelas mulheres deitavam-se com os seus maridos, eles vinham e mostravam-se. E as mulheres em seu pensamento conceberam desejos pelas formas visíveis deles, e assim deram a luz a gigantes; pois os Guardiões apareciam-lhes como tendo a estatura do céu.

  • Testemunhos e Experiências

São muitos os casos de pessoas que afirmam que tiveram relações sexuais com demônios antes de se converterem ao evangelho. Estes relatos normalmente se originam de ex-satanistas e outros grupos do mesmo gênero.
Assim, teríamos a prova de que espíritos podem relacionar-se sexualmente com seres humanos.

  • Mitologia
Alguns defensores desta teoria afirmam que, provavelmente, os relatos mitológicos de homens de grande força e até de deuses possuem fundamento histórico nos Nefilins. Há relatos paralelos dos gregos e romanos que mencionam titãs, criaturas parte humanas parte divinas.

No mundo antigo frequentemente se contavam histórias de relações sexuais entre os deuses e os seres humanos. Acreditava-se que os filhos semidivinos de tais uniões possuíssem uma energia anormal e também outros poderes.

Na Mesopotâmia e em Canaã, casamentos divino-humanos eram celebrados em rituais matrimoniais sagrados que ocorriam no templo.

d) Conclusão

Podemos afirmar que esta posição possui uma lista notável de defensores. Bons argumentos também são apresentados. Claro que muitos mistérios ecoam em nossas mentes (Por que os anjos foram atraídos pelas mulheres? Isso pode acontecer novamente? Como puderam gerar vida?).
Todavia, uma posição não pode ser rejeitada por ser difícil. O importante é definir: “Seria esta teoria bíblica”?

3ª POSIÇÃO – OS “FILHOS DE DEUS” ERAM REIS DA ANTIGUIDADE


a) Apresentação

Segundo este ponto de vista, os poderosos reis da antiguidade, chamados de filhos da divindade, tomavam as mulheres que lhes agradavam quando estas se casavam. Assim, na primeira noite de núpcias, elas eram tomadas de seus maridos para relações sexuais com os reis.
Outros afirmam que se refere à criação dos primeiros haréns (Sayão).
De qualquer forma a interpretação se baseia na ideia de que filhos de Deus seria reis e homens poderosos da antiguidade.

b) Defensores:

  • Comentário Bíblico Atos do Antigo Testamento, Editora Atos, pg. 35
  • Luiz Sayão, Comentário Rota 66.

c) Argumentos:

  • Práticas Antigas

A prática de casar-se com mulheres que lhes agradaram provavelmente refere-se ao “direito da primeira noite”, citado como uma das práticas opressivas dos reis no Épico de Gilgamés. O rei podia exercer seu direito, como representante dos deuses, de passar a noite de núpcias com qualquer mulher que tivesse acabado de se casar.

  • Esta explicação esclarece melhor o termo “escolheram para si”

Por exemplo, Faraó levava para o leito a quem queria (Gn 12.10-20), e assim fez Davi (I Sm 11).

  • Reis da antiguidade eram chamados de filhos dos deuses

No antigo Oriente Próximo, acreditava-se que os reis tinham uma relação filial com os deuses, por terem sido gerados pela divindade.

d) Conclusão

Este ponto de vista é gramaticalmente possível. Tornaria, também, o entendimento mais simplificado. Porém, será que este pecado justificaria o Dilúvio? Se outras situações aparentemente mais graves não receberam drástica intervenção (inclusive esse mesmo ato é registrado ao longo da história em outras ocasiões), teria ocorrido a inundação na terra por este motivo? Ficam as dúvidas. 

4ª POSIÇÃO – “FILHOS DE DEUS” ERAM REIS DA ANTIGUIDADE POSSESSOS POR DEMÔNIOS (COMBINAÇÃO DAS 1° E 3° POSIÇÕES)


a) Apresentação

Nesse ponto de vista há uma combinação de ideias. Por um lado aceita-se a hipótese de que anjos se envolveram no ato. Todavia, para solucionar algumas dificuldades com essa ideia, acrescentam o fato de que eles usaram seres humanos na prática deste pecado.

b) Defensores

  • Comentários do Antigo Testamento – Gênesis, Editora Cultura Cristã, pgs.139-141
  • Bíblia de Estudo MacArthur, Editora SBB, pg. 25
  • Bíblia de Estudo de Genebra, pg. 18

c) Argumentos

Os expoentes deste ponte de vista usam os argumentos oferecidos para provar que anjos se envolveram no ato (ver segunda posição). Todavia, para superar alguma dificuldades desse ponto de vistas, incluem a peculiaridade de que homens foram utilizados como instrumentos para o ato.

CONCLUSÃO

Discussões, polêmicas, defensores, argumentos, etc. Como vimos Gênesis 6 inspira um grande debate.
Para muitos o texto apresentado apenas aumentou o problema, pois demonstrou o amplo alcance da disputa.

Não se preocupe, não há qualquer indício de que a correta interpretação de Gênesis 6 é determinante para entrada no céu (aliás, todas as provas apontam em sentido contrário).

Como apaixonados pela Bíblia que somos, devemos sempre tentar entender os detalhes das Escrituras.

Porém, não podemos deixar de frisar em alguns assuntos não há problemas em dizer: “Não tenho certeza”.
Isso pode ocorrer principalmente em textos não essenciais como este.

Caso o leitor tenha se definido por um ponto de vista, aconselho-o a não “comprar briga” por causa dele.

Gaste mais energia com a Trindade, Divindade de Jesus, Ressurreição de Jesus, Justificação, Inerrância das Escrituras, Pessoalidade do Espírito Santo, etc.

Como foi escrito em algum lugar, “Nos assuntos essenciais, unidade. Nos assuntos de dúvida, liberdade. Em todas as coisas, caridade”.

1. Aqueles que defendem se tratar de anjos em Gênesis 6, afirmam que Jesus enfatizou que anjos NO CÉU não se casam ou se dão em casamento. No céu realmente não casam. Mas isso não impossibilita o acontecimento na terra (ex. William Macdonald)

2. Naquele tempo se refere ao versículo 1, ou seja, no tempo em que os homens se multiplicaram na terra.
Não há qualquer referência a uma raça pré-adâmica.

3. Aqueles que são contrários à ideia de anjos afirmam que “aqueles” se refere à Sodoma e Gomorra. Assim, as cidades vizinhas imitaram as práticas de Sodoma e Gomorra. Outros afirmas que “aqueles se refere ao versículo 4, ou seja, os indivíduos que se introduziram na igreja em dissimulação, homens ímpios.

4. Os que se opõe a este ponto de vista afirmam que anjos aprisionados aparecem em outros lugares na Bíblia. Seria o caso de Apocalipse 9, que fala de seres aprisionados no abismo. Em Marcos 5 também os demônios pedem para não serem lançados no abismo. Assim, afirmam que na rebelião de satanás, parte dos anjos, seja pela posição que exerciam, seja pela gravidade de seus pecados, receberam tratamento diferenciado dos demônios que estão soltos.


Em Slides: 


Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...