quarta-feira, 6 de maio de 2015

O Luteranismo Original e a Lei Civil do Antigo Testamento: diferente da Teologia dos Dois Reinos que você imaginava



Traduzido de: Theonomy Resources
Revisado por: Warton Hertz



Nota: O objetivo principal desta postagem não é defender ou combater essa visão que Lutero e outros mencionados registraram, mas simplesmente apresentar um "esclarecimento histórico" para o conhecimento de como esses homens lidavam com a relação entre o Estado e a punição do pecado. 
Além disso, o termo "original" foi traduzido da palavra "early", tendo o sentido de "inicial", "primordial". 




"Eu não deveria ter compaixão dessas bruxas, eu queimaria todas elas...
Será que feitiçaria, então, não é digna de morte, a qual é uma revolta da criatura contra o Criador, uma negação de Deus pela autoridade que concede ao demônio?”
 
- Martinho Lutero, sobre o dever dos governantes civis de executar os condenados por feitiçaria


Enquanto o luteranismo tem a reputação de promover a teologia de "dois reinos" que diz que a Escritura - especialmente a lei judicial de Moisés - não participa da esfera civil, isso não era necessariamente o caso, pelo menos no que diz respeito ao início do luteranismo.

Para ter certeza, enquanto se pode encontrar declarações de Martinho Lutero e outros luteranos antigos que parecem promover a teologia dois reinos, podemos dizer que há uma abundância de evidências que mostram que, pelo menos, o luteranismo original no seu auge era bastante bíblico em sua visão sobre o governo civil. Isso porque ele defendeu não só a execução da Segunda Tábua da Lei pelos magistrados como encontrada na lei judicial de Moisés, mas a primeira tábua da Lei também. Isso está longe da teologia de dois reinos, e é de fato completamente teonômico.

Talvez a chave para conciliar as declarações aparentemente conflitantes do Luteranismo original sobre a lei judicial é entendê-lo como a realização de uma dupla divisão da lei judicial, que identifica algumas leis judiciais como não tendo base na lei moral, e outras leis judiciais como baseando-se na lei moral. A primeira categoria era apenas para o Estado de Israel, enquanto a segunda categoria é para todos os homens em todos os tempos.

Neste entendimento da lei judicial, todas as leis civis mosaicas que proíbem as violações da lei moral são em si mesmas parte da lei moral. Observe, por exemplo, nas citações abaixo a razão dada por Martinho Lutero para a pena de morte por estupro, e a razão dada em uma declaração conjunta por Filipe Melâncton, Johannes Brenz, e outros para a pena de morte por blasfêmia.

(Da mesma forma, os teólogos de Westminster realizaram uma distinção dupla da lei judicial, embora aprovassem um grau de equidade geral para até mesmo leis judiciais, principalmente para o estado de Israel; não tenho certeza se o luteranismo original, em última análise, também defendeu esta visão.)

Como demonstração da defesa do luteranismo original quanto ao governo civil bíblico, incluímos uma grande amostragem de citações abaixo. Estas citações são de Martinho Lutero; seu sucessor, Felipe Melâncton; e outros primeiros luteranos influentes, incluindo Johannes Bugenhagen, Johannes Brenz, e Caspar Cruciger.

Devemos salientar que de modo algum endossamos a teologia luterana. Embora ela tenha reformado a igreja até certo ponto durante a Reforma, ela não levou a Reforma longe o suficiente, tal qual o fez o Calvinismo. O luteranismo defendia doutrinas muito perigosas, como a regeneração batismal e consubstanciação. No entanto, do ponto de vista histórico a defesa da teonomia no luteranismo original é apenas mais um exemplo de como grupos cristãos professos defendiam a lei bíblica civil ao longo da história. Além disso, Deus é sempre glorificado quando a Sua justiça é promovida.



"Devemos proteger a Honra e o Mandamento de Deus
e devemos prevenir o dano e a injustiça ao nosso próximo,
os magistrados com a espada ..." 
-- Martinho Lutero

Declarações de Primórdios Luteranos Defendendo a Lei Civil Bíblica


Martinho Lutero


Governantes são detentores de ambas as tábuas da lei:

"Não é suficiente que os magistrados devam ser ociosos e permitir que o pecado tenha influência, e que nós não digamos nada.... Devemos proteger a Honra e o Mandamento de Deus e devemos prevenir o dano e a injustiça ao nosso próximo, os magistrados com a espada, o resto de nós com reprovação e repreensão, mas sempre com compaixão para aqueles que têm merecido o castigo. [1]

Feitiçaria merece morte por ser alta traição contra Deus:


Falando sobre bruxas que estragam leite, ovos e manteiga em fazenda:
Eu não deveria ter compaixão dessas bruxas, eu queimaria todas elas... Lemos na antiga lei, que os sacerdotes atiravam a primeira pedra em tais malfeitores, ela disse que esta manteiga roubada vira ranço, e cai no chão quando alguém vai comê-la. Aquele que tenta neutralizar e punir essas bruxas, tem o próprio corpo flagelado e atormentado pelo seu mestre, o diabo. Diversos mestres e ministros, muitas vezes experimentaram isso. Nossos pecados comuns ofendem e enfurecem a Deus. Qual, então, deve ser a sua ira contra a bruxaria, a qual podemos designar justamente como alta traição contra a majestade divina, uma revolta contra o poder infinito de Deus. Os jurisconsultos que estudiosamente e pertinentemente trataram como rebelião afirmam que o sujeito que se rebela contra seu soberano é digno de morte. Será que feitiçaria, então, não é digna de morte, a qual é uma revolta da criatura contra o Criador, uma negação de Deus pela autoridade que concede ao demônio? [2]
Quanto À oposição de Lutero à bruxaria, um autor faz a seguinte observação interessante sobre a execução de alguns condenados por esse pecado nos dias de Lutero:
Já em 1540, em um tempo em que qualquer outro lugar na Alemanha a execução de bruxas era de ocorrência rara, quatro pessoas foram queimadas em Wittenberg em 29 de junho como bruxas ou magos. Pouco antes disso, Lutero lamentou que a praga de bruxas estava novamente aumentando. [3]

Governantes devem promover a Palavra de Deus e os seus pregadores, enquanto os que ensinam doutrinas contrárias aos artigos fundamentais da fé devem ser punido como blasfemadores:

Uma vez que os deuses, ou governantes, junto a suas outras virtudes, devem promover Palavra de Deus e os seus pregadores, eles também devem acabar com doutrinas opostas, ou heresias, uma vez que ninguém pode ser forçado a acreditar? A resposta a esta pergunta é a seguinte: 
Primeiro. Alguns hereges são sediciosos, e ensinam abertamente que nenhum governante deve ser tolerado; que nenhum cristão pode ocupar uma posição de governo, que ninguém deve ter propriedade, mas fugir de mulher e filhos e deixar casa e lar, ou que toda a propriedade deve ser comunitária. Estes mestres devem imediatamente, e sem dúvida, ser punidos pelos governantes, como os homens que estão resistindo à lei temporal e ao governo (Romanos 13: 1). Eles não são hereges apenas, mas rebeldes, que estão atacando os governantes e seu governo, assim como um ladrão ataca bens de outros, um assassino (ataca) o corpo de outro, um adúltero (ataca) a esposa de outro; e isso não deve ser tolerado. 
Se alguns deviam ensinar doutrinas que contradizem um artigo de fé, claramente baseado na Bíblia e crido em todo o mundo por toda a Igreja, como os artigos que ensinamos as crianças no Credo, - como, por exemplo, se alguém ensinasse que Cristo não é Deus, mas um mero homem, e como outros profetas, como os turcos e os anabatistas defendem, - esses professores não devem ser tolerados, mas punidos como blasfemadores. Porque eles não são meros hereges, mas blasfemadores públicos, e os governantes têm o dever de punir blasfemadores, como fazem aqueles que amaldiçoam, praguejam, insultam, abusam, difamam e caluniam. Esses mestres, com sua blasfêmia, estão difamando o nome de Deus, e roubando seu próximo de sua honra aos olhos do mundo. Da mesma forma, os governantes também devem punir, - ou certamente não tolerar, - aqueles que ensinam que Cristo não morreu pelos nossos pecados, mas que todos devem fazer sua própria satisfação por eles; por isso, também, é uma blasfêmia contra o Evangelho e contra o artigo que todos nós oramos no Credo: "Creio na remissão dos pecados", e "Em Jesus Cristo morto, ressuscitado, etc." Eles deveriam ser tratados da mesma maneira dos que ensinam que a ressurreição dos mortos e a vida eterna são nada, e que não há inferno, e coisas semelhantes; como fizeram os Saduceus e os Epicureus, dos quais muitos tem vindo a ser agora entre os grandes sabichões. 
Por este procedimento ninguém é obrigado a acreditar, pois ele ainda pode crer o que quiser; mas ele é proibido de ensinar e blasfemar. Pois, ao fazê-lo, ele tiraria de Deus e dos cristãos sua doutrina e palavra, e ele lhes faria este dano sob a sua própria proteção e por meio das coisas que todos têm em comum. Deixe-o ir para algum lugar onde não há cristãos; para como eu já disse muitas vezes, aquele que ganha a vida com os burgueses deve manter a lei do burgo, e não difamar e ultrajá-la, ou então ele deveria sair. Dizem-nos que os santos pais do Concílio de Niceia, quando ouviram a leitura da doutrina dos arianos, todos assobiaram unanimemente, e não ouviriam ou permitiriam qualquer argumento ou defesa, mas a condenaram, sem qualquer disputa, como blasfemadores. Moisés, em sua Lei, os comandos que tais blasfemadores e, de fato, todos os falsos mestres, estão a ser apedrejada. ...
Talvez alguém possa me dar uma outra resposta inteligente e dizer que, com este tipo de ensino, estou fortalecendo o caso dos tiranos que perseguem o Evangelho, e abrindo porta e janela para eles. Uma vez que consideram o nosso Evangelho heresia e blasfêmia, eles agora vão envaidecer-se com certeza, e fingir que a consciência e o dever os obriga a nos punir como blasfemadores. Resposta: Que me importa? Se fôssemos reter a instrução necessária por causa dos tiranos, teríamos tido que abandonar o Evangelho completo há muito tempo. Se o fizerem bem, eles o descobrirão, e eu os deixo se preocupar com isso. Quando eles conscientemente usarem o seu poder sobre as coisas mundanas, da maneira mais obstinada, para o prejuízo de outros, o que importa que eles nos fazem mal? Como cegos, eles não podem ver a nossa doutrina, e como loucos, eles não podem ouvi-la. Foi assim que os reis de Israel mataram os profetas verdadeiros. No entanto, não devemos suprimir ou ocultar o mandamento de apedrejar falsos profetas; mas os governantes piedosos não punirão alguém sem primeiro ver, ouvir, aprender e ter certeza de que ele é um blasfemador. Mas chega disso! Vamos voltar para o Salmo: Nada sabem, nada entendem. Vagueiam pelas trevas; todos os fundamentos da terra estão abalados. [4]
Em Deuteronômio 13, que ensina a pena de morte para os falsos profetas, Martinho Lutero disse:
"É melhor livrar-se de um homem do que de Deus." [5]

Filhos incorrigíveis merecem a pena de morte:


Examinando Deuteronômio 21:18:
Em quarto lugar (vs. 18), a lei relativa aos filhos desobedientes que devem ser condenados à morte. Um excelentíssimo e justo legislador é Moisés, que julga não apenas crimes menores dignos de morte mas especialmente os maiores. Entre as leis e costumes humanos são tais que o assassinato e o roubo são puníveis com a morte, mas o adultério geralmente não é. Além disso, a desobediência e impiedade dos filhos não são puníveis com a morte, muito menos sacrilégio, impiedade, e blasfêmias para com Deus e a Palavra de Deus. Mas aqui Moisés é tão rigoroso em seus comandos cerca de punição para a rebeldia dos filhos que ele mesmo ordena os pais a serem os primeiros agentes desta morte; pois eles próprios devem trazer seus próprios filhos ao julgamento, denunciá-los e testemunhar contra eles. Tão importante que Deus estabelece obediência e reverência para com os pais. Gostaria que nós, também, observássemos esta lei, de modo que mais medo e vergonha possam ser levados para a nossa juventude desenfreada e atrevida, que está sendo conduzida para a ruína por más companhias e ética corrompida! [6]

Assassinos merecem a pena de morte:


Em Gênesis 9:6:
Deus deu à humanidade, que são as autoridades, uma participação na sua autoridade sobre a vida e a morte. Quando as autoridades, seguindo a demanda piedosa afirmada em Gênesis 9:6, executam um homem, então, na realidade é o próprio Deus, que através da mão humana mata o assassino. [7]
Assim, este texto é muito importante, e devemos aprender com isso que Deus deu a espada para o governo civil para nos proteger contra a maldade e manter o pecado sob controle. Isso, então, é uma prova poderosa do amor de Deus para conosco, pois Ele nos promete não só nos impedir de outro Dilúvio, mas também nos dar carne para comer e preservar nossa vida. [8]

Estupradores merecem a pena de morte:


Sobre a violação de Diná em Gênesis 34:
"Eu acredito que o estupro era proibido e uma ofensa capital não só na casa de Jacó, mas também em toda aquela área .... O estupro de uma virgem é pela sua própria natureza um crime capital - por toda a lei, divina e civil.... Em todas as idades, este crime foi punido de forma terrível. " [9] 


Documento conjunto de Martinho Lutero, Phillip Melanchthon, Johannes Bugenhagen, e Caspar Cruciger [3]



Felipe Melâncton, Martinho Lutero, Johannes Bugenhagen, e Caspar Cruciger 
assinaram um documento conjunto claramente em oposição à teologia dos dois reinos.
Lê-se: 

"Algumas pessoas argumentam que a magistratura civil 
não deveria se preocupar com assuntos espirituais.
Este argumento é exagerado demais. 
...a tarefa mais importante de seu ofício 
é promover a honra de Deus, 
e se opor à blasfêmia e idolatria."


    Blasfêmia, falsos ensinamentos, atos heréticos, e serviços de adoração indevidos devem ser suprimidos:

    Assim como o magistrado civil é obrigado a coibir e punir blasfêmia pública e perjúrio, também é obrigado a coibir e punir os indivíduos em seu próprio distrito judicial, por falsos ensinamentos públicos, serviços de adoração impróprios e atos heréticos. E esse Deus ordena no segundo mandamento, onde Ele diz: "Aquele que desonra o nome de Deus não deve permanecer impunes" [Nota do editor: é na verdade o terceiro mandamento, parafraseado]. Todos são obrigados, de acordo com sua posição e ofício, evitar e impedir blasfêmia. E com a força desse mandamento, príncipes e magistrados têm o poder e o dever de abolir os cultos impróprios, e em seu lugar, estabelecer o verdadeiro ensinamento e cultos corretos. Este mandamento também os instrui a dissuadir o ensino público falso, e punir o obstinado. Levítico 24:16 fala disso: "Quem blasfemar contra Deus deve ser morto" [10] 
    Se temos a honra de Deus em alto respeito, devemos com toda a seriedade tomar medidas preventivas, para que os erros de blasfêmia e erros prejudiciais não sejam praticados em toda parte. [11]

    Governantes devem mostrar misericórdia quando possível:

    Em segundo lugar, antes do castigo ser dispensado, pessoas induzidas ao erro devem ser em primeiro lugar presenteadas com instrução cristã clara e admoestação para que eles possam ser induzidos a renunciar a seus erros. Se eles desejam assim fazer, é Cristão mostrar-lhes misericórdia. Se, no entanto, continuam a serem obstinadas e não querem renunciar a seus erros, então a punição é obrigatória. [12] 
    Em todos os casos, no entanto, a moderação deve prevalecer, de modo que as pessoas em primeiro lugar são instruídas e exortadas a renunciar a seus erros. Da mesma forma, o juiz também deve diferenciar [entre as diferentes classes de Anabatistas]. Alguns foram enganados unicamente pela ignorância e não são obstinados. Com estes não se deve proceder à pressa. Além disso, a essas pessoas podem ser dado um castigo menor, como a expulsão da terra, ou prisão, para que não façam nenhum dano a outros. Alguns são iniciantes* e ao mesmo tempo teimosos. Nesse caso o juiz deve demonstrar severidade. [13] 
    * "No Alemão 'anfenger' aqui tem mais o sentido de 'instigador' ou 'agitador'. (Theodor Dieter)" [14]


    Punições civis apenas para atos públicos:

    Se alguém viesse a contradizer isso, dizendo: "A magistratura não é capaz de dar a ninguém fé, portanto, não se atreve a punir alguém por uma questão de fé", para isso existem muitas respostas adequadas. Mas vamos nos limitar a isso uma resposta: A magistratura não pune por causa de opiniões e pontos de vista conforme detidos no coração, mas por conta do discurso público e ensinamentos ilícitos, através do qual os outros também são desviados [15]

    Governantes civis devem basear a política na palavra de Deus, e não nas tradições dos homens:

    Os magistrados devem dar-se a instrução constante e correta, de forma que eles tenham certeza da sua causa e não tratem alguém injustamente. Pois não é certo, apenas de acordo com o costume, julgar contra a palavra de Deus e contra a compreensão e a doutrina da Igreja antiga e pura. O costume é um grande tirano. Portanto, é preciso fundamentar-se sobre a Palavra de Deus e a velha e pura igreja. Por um lado é não aceitar qualquer ensinamento que não tenha sido atestado pela velha e pura Igreja, uma vez que é fácil entender que a antiga igreja possui todos os artigos da fé, ou seja, todos aqueles necessários para a salvação. Por conseguinte, o governante é obrigado a entregar-se a um estudo aprofundado da Palavra de Deus e os ensinamentos da velha igreja. [16]

    O Governo Civil existe primariamente para a honra de Deus:

    Algumas pessoas argumentam que a magistratura civil de nenhuma maneira deveria se preocupar com assuntos espirituais. Este argumento é exagerado demais. É verdade, ambos os ofícios - o ofício da pregação, e aquele do governo civil - são distintos um do outro. Ao mesmo tempo em que ambos devem servir para a glória de Deus. Príncipes não devem apenas proteger seus súditos, juntamente com suas propriedades e vidas físicas, mas a tarefa mais importante de seu ofício é promover a honra de Deus, e se opor à blasfêmia e à idolatria. Assim também fizeram os reis no Antigo Testamento - e não somente os reis judeus antigos, mas também os reis dos gentios convertidos - que executaram os que estabeleceram falsos profetas e idolatria. Tais exemplos pertencem ao ofício do príncipe, como Paulo também ensina: "A lei é boa para punir os blasfemadores", etc. [Nota do editor: esta pode ser uma inferência a partir de 1 Timóteo 1: 8-11] O magistrado civil não existe apenas para servir as pessoas na área de bem-estar físico, mas acima de tudo para a honra de Deus, pois ele é um servo de Deus, a quem ele, por meio de seu ofício, deve reconhecer e glorificar. Salmo 2:10: Et nunc Reges intelligite (Agora, pois, ó reis, sejam sábios). 
    Em relação às palavras sobre os joios, "Deixai ambos crescerem", usado para combater [o argumento acima], aqui não se refere à magistratura civil, mas ao cargo de pregador - que os pregadores, sobre a autoridade de seu cargo, não devem exercer o poder temporal. Com tudo isto, tornou-se claro que o magistrado civil é obrigado a deter a blasfêmia, os falsos ensinamentos e as heresias, punindo os adeptos fisicamente. [17]

    Julgando falsos profetas:

    E, a fim de instruir e confirmar a nossa consciência interior, o seguinte deve ser especialmente observado: Devemos em todas as vezes tomar nota de alguns artigos claros em que a seita esteja em erro grosseiro e óbvio. Através deste devemos saber que os obstinados estão cegos pelo diabo. E isso é certo, que eles não possuem bom espírito, mesmo que eles tenham uma grande aparência do mesmo. Por um lado sabe bem que falsos profetas têm roupas de ovelhas - isto é, uma certa boa aparência. Mas pelos seus frutos nós devemos conhecê-los. Agora, o teste mais correto desses frutos é, a saber, que tentam obstinadamente defender falsos artigos contra a palavra clara e óbvia de Deus, com isso, o juiz pode instruir e fortalecer sua consciência. Porque assim ele sabe que a seita é do diabo. Portanto, ele sabe que a seita deve ser combatida, embora possa haver pessoas carentes e enfermos entre eles, que necessitam de misericórdia; ele ainda sabe que eles devem ser combatidos como um grupo. [18]

     
    Para Johannes Brenz, a lei civil em Levítico contra blasfemadores 
    não se restringe apenas a Israel, mas a todas as nações.


    Declaração subscrita por Felipe Melâncton, Johannes Brenz, e outros:

    Governantes civis devem punir blasfemadores públicos com morte

    Deus tem clara e explicitamente ordenado à autoridade civil punir com a morte os blasfemadores públicos em seu território (Lev. 24:16). Esta lei não só se ligou Israel; é uma lei natural que liga todas as autoridades, reis, príncipes, juízes etc. [19]



    Felipe Melâncton:
    Melâncton aprovou a execução do vil blasfemador Serveto, e disse, 
    "Eu me pergunto se há quem desaprove esse rigor."

    Defende a lei mosaica contra a idolatria, blasfêmia e divulgação de heresias


    Philip Schaf escreve:
    [Melâncton] acreditava que a lei mosaica contra a idolatria e blasfêmia era obrigatória aos estados cristãos como o Decálogo, e era aplicável às heresias também. [20]

    Apoia a execução de Serveto, um blasfemador e promotor de heresia

    Philip Schaf escreve:
    [Melâncton] justifica plenamente e repetidamente a conduta de Calvino e do Conselho de Genebra, e até mesmo os exibiu como modelos para imitação! Em uma carta a Calvino, datada de 14 de outubro de 1554, quase um ano após a queima de Servet, ele escreveu: 
    "Reverendo e querido irmão: eu li seu livro, no qual você tem claramente refutado as blasfêmias horríveis de Serveto; e dou graças ao Filho de Deus, que era ... [o dono de sua coroa da vitória] neste seu combate. A você também a Igreja deve gratidão, no momento presente, e devemos isso até a última descendência. Eu concordo perfeitamente com a sua opinião. Eu também afirmo que seus magistrados agiram bem em punir, depois de um julgamento regular, este homem blasfemador."
    Um ano depois Melâncton escreveu para Bullinger, 20 de agosto de 1555:
    "Reverendo e querido irmão: eu li a sua resposta para as blasfêmias de Serveto, e eu aprovo sua piedade e opiniões. Julgo também que o Senado Genebrino tinha toda a razão, ao pôr fim a este homem obstinado, que nunca poderia deixar de blasfemar. E eu me pergunto se há quem desaprove esse rigor."
    Três anos mais tarde, 10 de abril de 1557, Melâncton incidentalmente (na admoestação no caso de Theobald Thamer, que havia retornado à Igreja Romana) se referiu novamente à execução de Serveto, e chamou-lhe "um exemplo piedoso e memorável para toda a posteridade ". [21]


    Traduzido de:
    Notas:

    [1] Martinho Lutero, A Treatise on Good Works (The Echo Library, 2007), 89.

    [2]  Citado por Henry Burgess, ed., The Journal of Sacred Literature and Biblical Record: Volume V (London: Alexander Heylin, Paternoster Row, 1857), 31.

    [3] John Osborne, Lutero (Taylor Francis, 1973), 296.

    [4] Martinho Lutero, "Works of Martin Luther: The Eighty-Second Psalm: Translated and Explained," GodRules.net. Retrieved May 9, 2013, from http://www.godrules.net/library/luther/NEW1luther_d21.htm

    [5] Mathesius, "Tischreden," 274. Citado por John Osborne, Luther , trans. Pol Quentin (Taylor & Francis, 1965), 409.

    [6] "Lectures on Deuteronomy," in Jaroslav Pelikan, ed., Works of Martin Luther: Volume 9 (Concordia, 1960), 211-212. Citado em Martin A. Foulner, Theonomy and the Westminster Confession: An Annotated Sourcebook (Edinburgh: Marpet Press, 1997), 49.

    [7] Citado por Tyge Krogh, A Lutheran Plague: Murdering to Die in the Eighteenth Century (Netherlands: Koninklijke Brill NV, 2012), 100.

    [8] Martinho Lutero, Commentary on Genesis, 2 vols., trans. Theodore Mueller (Grand Rapids: Zondervan Publishing House, 1958), 1:167. Citado por William O. Einwechter, "Murder and the Death Penalty," Darash Press. Retrieved May 13, 2013 from http://darashpress.com/articles/murder-and-death-penalty#fntext_12

    [9]  Francis Nigel Lee, Luther on God's Law (Brisbane, Australia: Queensland Presbyterian Theological College, 2003), 10. Retrieved May 13, 2013 from http://www.dr-fnlee.org/docs4/logl/logl.pdf

    [10] "Appendix A: That the Civil Magistracy Is Obligated to Apply Physical Punishment Against the Anabaptists: A Few Considerations from Wittenberg (1536)." [A carta original assinada por Martinho Lutero, Felipe Melâncton, Johannes Bugenhagen and Caspar Cruciger, Sr.]
    Leonard Gross, translator, in Healing Memories: Reconciling in Christ: Report of the Lutheran-Mennonite International Study Commission (Geneva Switzerland and Strasbourg, France: The Lutheran World Federation and the Mennonite World Conference, 2010), 113. 
    Obtido em 17 de Maio de 2013 de: 
    http://www.theologie.uni-hamburg.de/afk/Report_lutheran-mennonite_Studycommission2010.pdf
    Link alternativo: 
    https://www.mwc-cmm.org/sites/default/files/oea-lutheran-mennonites-web-en.pdf

    [11] Ibid., 116.

    [12] Ibid., 111.

    [13] Ibid., 115, 116.

    [14] Ibid., 116n.

    [15] Ibid., 112.  

    [16] Ibid., 113, 114.

    [17] Ibid., 115.

    [18] Ibid., 116.

    [19] P. D. L. Avis, "Moses and the Magistrate: A Study in the Rise of Protestant Legalism," Journal of Ecclesiastical History, vol. 26, no. 2 (Abril 1975): 10. Obtido em 14 de Maio de 2013 em http://www.contra-mundum.org/essays/theonomy/Avis.pdf 

    [20] Philip Schaff and David Schley Schaff, History of the Christian Church: Volume 7: Modern Christianity, the Swiss Reformation (New York, Charles Scribner's Sons, 1907), 706.

    [21] Ibid., 706-708.


    Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
    Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...