segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Quando a vida começa?? (por Tommy Mitchell)


Quando a vida humana começa? Essa questão tem confundido indivíduos e dividido nossa sociedade.


Quando a vida humana começa? Essa questão tem confundido indivíduos e dividido nossa sociedade. Opiniões tem vindo da direita e da esquerda, de defensores pró-vida e aqueles em favor do aborto sob demanda, de médicos e advogados, do púlpito e da sala de audiências.

Quando eu comecei a ser eu? Será esta uma questão científica ou teológica [1]. Seria melhor deixar essa questão para cientistas ou para pregadores e filósofos? Informações e pontos de vista a partir de fontes científicas seculares e de teólogos serão examinados neste capítulo, mas a resposta final não pode ter autoridade a menos que a resposta seja baseada diretamente na Palavra de Deus. A Bíblia, por ser verdadeira, não vai discordar com a ciência genuína. Além disso, a Bíblia é a única base válida e consistente para fazer julgamentos morais, uma vez que vem do Criador de todo o mundo e todas as pessoas nele. Qualquer outra base para o julgamento seria um clamor inútil de opiniões divergentes, feitas pelo homem.

Quem é mais humano?

A vida é uma continuidade. A partir do período de crescimento no útero até nascer, de brincar como uma criança até envelhecer, cada fase da vida parece misturar-se graciosamente (ou não tão graciosamente no meu caso) para a próxima. A vida progride e o tempo passa, culminando na morte. A morte, um ponto final muito visível, é mais facilmente definida do que o ponto em que a continuidade da vida humana começa.

Onde é o ponto de partida? Se a vida é realmente um processo contínuo, não podemos apenas retroceder para o seu início? Há uma variedade de opiniões sobre origens da vida. Muitos dizem que a vida começa na concepção. Outros argumentam fortemente que a vida não começa até a implantação no útero. Ainda outros dizem que a vida humana só começa quando o cordão umbilical é cortado, tornando o filho recém-nascido um agente independente. De que forma o que é fato é separado do que é opinião?

Talvez uma outra maneira de fazer a pergunta seja: quando nos tornamos humanos? Certamente uma criança sentada no colo do vovô ou um adulto totalmente crescido seria considerado humano. É o adulto mais humano do que a criança? Claro que não. Nenhuma pessoa sensata consideraria que a criança é menos humana. Em que ponto ao longo da jornada esta criança se tornou humana? Foi no momento da concepção, em alguma parte durante o seu desenvolvimento, ou no nascimento?

O processo

O evento inicial ao longo da estrada do desenvolvimento humano é a fecundação. Vinte e três cromossomos da mãe e 23 cromossomos do pai são combinados no momento da fecundação. Neste ponto, a composição genética do indivíduo é determinada. Neste momento, um único indivíduo, conhecido como um zigoto, começa a existir. Mas esse zigoto é humano?

Este zigoto se divide novamente e novamente. Algumas células se desenvolvem na placenta e são essenciais para a implantação. Outras células se desenvolvem em partes anatômicas do bebê [2]. O número de células aumenta rapidamente, e o nome muda conforme o número aumenta. No momento em que esta bola de células que se dividem rapidamente chega no útero, isso é chamado de blastocisto. A implantação na parede uterina ocorre normalmente cerca de seis dias após a fecundação [3].

Por razões pouco claras para a ciência médica, a massa de células, por vezes, se divide para produzir gêmeos idênticos. Estes gêmeos são chamados idênticos porque os seus conjuntos de cromossomos são idênticos. Dependendo do estágio de desenvolvimento em que ocorre a separação, os gêmeos podem compartilhar certas partes da placenta, mas os gêmeos produzidos são indivíduos distintos. Se a divisão ocorre entre os dias 13 e 15, os gêmeos vão realmente compartilhar partes do corpo, uma condição conhecida como gêmeos combinados, comumente chamados de gêmeos siameses. (Após esse tempo, o desenvolvimento e a diferenciação está longe demais para permitir a divisão bem sucedida.)

Mesmo que embora os nomes arbitrariamente mudem ao longo deste processo e que determinados marcos de desenvolvimento sejam evidentes, o processo posto em movimento no momento da concepção é uma cadeia contínua de eventos. Nesta sequência, grupos de células se multiplicam e se desenvolvem em partes específicas do corpo com incrível precisão e uma notavelmente baixa taxa de erro, considerando a complexidade das mudanças que devem ocorrer. No entanto, em nenhum momento neste processo há um ponto científico no qual o indivíduo em desenvolvimento claramente "torna-se uma pessoa," algo mais do que um bebê se torna mais humano quando anda, fala, ou é desmamado. Estes marcos no desenvolvimento do zigoto, do blastocisto, do embrião e do feto são simplesmente descrições de anatomia, não encontram obstáculos no teste de humanidade. De um ponto de vista científico, as palavras são arbitrárias e puramente descritivas.

A ciência pode ajudar?

Os cientistas estudaram o maravilhoso processo descrito anteriormente por décadas. As mudanças na forma do embrião em cada fase estão bem documentados. A questão ainda permanece, em que ponto começa a vida humana? Existem inúmeras posições sobre este assunto. Algumas delas serão revisadas aqui.

A Posição Genética

A vista mais simples é baseada na genética. Aqueles que defendem essa posição argumentam que uma vez que um indivíduo geneticamente único é criado no momento da fecundação, cada vida humana começa na fecundação. O zigoto formado na fecundação é diferente de todos os outros e, se sobreviver, vai se transformar em uma pessoa com o seu próprio conjunto de genes. Neste ponto de vista, os termos fecundação e concepção são intercambiáveis. Assim, neste ponto de vista, a vida começaria na concepção.

O fenômeno da geminação é por vezes utilizado para argumentar contra esta posição. Até cerca de 14 dias, há a possibilidade do zigoto se dividir, produzindo gémeos. Aqueles que se opõem a uma visão genética dizem que não há exclusividade para o zigoto, nenhuma humanidade ou pessoalidade, até que o potencial para a geminação tenha passado. Eles perguntam, se o zigoto é uma "pessoa" individual na fecundação, então qual é a natureza dessa "pessoalidade" se o zigoto deve se dividir em dois indivíduos?

Outra objeção a essa visão é o fato de muitos ovos fertilizados nunca implantaram com sucesso. Estima-se que 20-50 por cento das fecundações morrem ou são abortadas [4] espontaneamente. Assim, aqueles que levantam essa objeção sustentam que, uma vez que há um grande número de zigotos que nunca se desenvolvem totalmente, esses zigotos não são verdadeiramente humanos.

No entanto, nenhuma das acusações pode ser tão facilmente sustentada. A objeção de geminação não alcança a meta quando se considera o problema apresentado pela existência dos chamados gêmeos siameses. Nestes casos, o zigoto não se dividem completamente, e os filhos nascem unidos, muitas vezes compartilhando certos órgãos do corpo. No entanto, ambos os gêmeos têm personalidades distintas e são indivíduos distintos. Aqui, a "personalidade", obviamente, não poderia ser concedido depois de geminação uma vez que o processo nunca foi concluído.

A segunda objeção, a alta taxa de perda de zigotos, também não é lógica. A ocorrência de abortos espontâneos não significa que os perdidos não eram totalmente humanos, nem um pouco mais do que o desenvolvimento de alguma doença mortal em uma criança faz repentinamente dessa criança um não-humano.

A Visão da Implantação

Um ponto de vista de hoje cada vez mais ouvido está relacionado com a implantação do embrião no endométrio. Este processo de implantação começa no dia seis após a fecundação e pode continuar até por volta do dia nove. Alguns agora sugerem que até este momento o zigoto não pode ser chamado de vida humana. No entanto, alcançar a implantação não torna o indivíduo mais humano; em vez disso, a implantação dá ao indivíduo mais chances de sobreviver.

Curiosamente, a popularidade deste ponto de vista levou a algumas mudanças na forma como alguns definem a concepção. Até recentemente, a concepção era sinônimo de fecundação. Na verdade, na 26ª edição do dicionário médico de Stedman, concepção foi definida como o "ato de conceber, ou engravidar; fecundação do oócito (óvulo) por um espermatozoide para formar um zigoto viável " [5]. A concepção foi definida como o momento da fecundação.

No entanto, algo interessante aconteceu nos próximos cinco anos. Na 27ª edição do dicionário médico de Stedman, concepção é definida da seguinte forma: "Ato de conceber; a implantação do blastocisto no endométrio" [6]. Note que a implantação é agora o ponto determinante na concepção. A comunidade científica de forma arbitrária, sem qualquer justificação científica, redefiniu o ponto de partida da vida.

Segundo a visão redefinida, um zigoto com menos de nove ou mais dias de idade, com implantação ainda não concluída, não seria considerado vivo. Se ele não está vivo, ele certamente não pode ser humano. Essa mudança foi completamente arbitrária, pois não havia nenhuma mudança fundamental na compreensão do processo de desenvolvimento que faria essa redefinição necessária.

A nova definição, no entanto, têm grandes implicações nas arenas políticas, éticas e morais. A tomada de decisões pessoais e governamentais em questões como a pesquisa com células-tronco embrionárias, a clonagem, e a chamada "pílula do dia seguinte" depende diretamente da validade dessa definição. Se blastocistos pré-implantados não estavam realmente vivos, eles poderiam ser colhidos sem culpa ou destruídos antes da marca de dia seis a nove porque a "concepção" ainda não tinha ocorrido.

A visão Embriológica

A visão embriológica sustenta que a vida humana começa 12-14 dias após a fecundação, o período de tempo após o qual não ocorreriam gêmeos idênticos. (Embrião pode referir-se ao desenvolvimento do bebê em duas a três semanas após a fecundação ou mais livremente para todos os estágios de zigoto para o feto.) Sem individualidade e, portanto, nenhuma humanidade é considerada a existir até que não seja possível a geminação acontecer. Aqui, o zigoto inicial não é humano e não possui nenhum aspecto da "pessoalidade". Como foi referido anteriormente, esta linha de raciocínio falha devido ao defeito do argumento da geminação si. Especificamente, o fato de gêmeos combinados (siameses) serem pessoas distintas é inegável; sua humanidade não é evitada pelo fato deles compartilharem partes do corpo.

A visão Neurológica

Nessa visão, a vida humana começa quando o cérebro do feto se desenvolveu o suficiente para gerar um padrão reconhecível em um eletroencefalograma (EEG). Aqui, propõe-se que a natureza humana é atingida quando o cérebro amadureceu a tal ponto que as vias neurais apropriadas se desenvolveram [7]. Este ponto é atingido em cerca de 26 semanas após a fecundação. Depois de alcançado este nível de maturação, o feto é presumivelmente capaz de se envolver em atividade mental consistente com o ser humano.

Outros têm uma visão diferente da maturação neurológica e propõe que a vida humana começa em torno de 20 semanas de gestação. Este é o tempo quando o tálamo, uma parte do cérebro que está localizado centralmente, é formado. O tálamo está envolvido no processamento de informações antes de a informação chega ao córtex cerebral e também é uma parte de um sistema complexo de conexões neurais que desempenham um papel na consciência.

Estas distinções são arbitrárias. O cérebro em desenvolvimento exibe alguma atividade elétrica antes da marca de 26 semanas. Poderia-se facilmente se argumentar que qualquer atividade cerebral constituiria a natureza humana.

A visão ecológica

Os defensores da visão ecológica sustentam que o feto é humano quando atinge um nível de maturação e pode existir fora do útero da mãe [8]. Em outras palavras, um feto é humano quando ele pode viver separado de sua mãe. Aqui, o fator limitante geralmente não é o desenvolvimento neurológico, mas o grau de maturação dos pulmões.

Essa visão da humanidade apresenta um problema muito interessante. O problema é que, ao longo do século passado, temos nos tornado humanos cada vez mais cedo. Aqui a questão não é o estágio atual de desenvolvimento do feto. O fator limitante é o estado atual da tecnologia médica. Por exemplo, há 20 anos a idade de viabilidade de um feto nascido prematuramente era cerca de 28 semanas; hoje é de cerca de 24 semanas. Assim, neste ponto de vista, o próprio homem, através de seus avanços na tecnologia, pode conceder a humanidade onde não existia anteriormente!

A visão do nascimento

Alguns sustentam a posição de que a vida humana começa apenas no momento em que o bebê nasce. Aqui, o bebê é humano quando o cordão umbilical é cortado, e a criança sobrevive com base no adequado funcionamento dos seus próprios pulmões, sistema circulatório, etc.

A desvantagem desse raciocínio é que, mesmo após o nascimento, a criança não é verdadeiramente independente de sua mãe. Sem o cuidado de alguém, uma criança iria morrer logo após o nascimento. Essa suposta "independência" é muito mais um conceito arbitrário.

Outras Visões

Há ainda outros pontos de vista quanto à questão de quando começa a vida humana. Alguns sugerem que um feto é humano quando a mãe pode senti-lo mover-se no útero. Outros dizem que a natureza humana começa quando a criança respira pela primeira vez por si mesma. Francis Crick, um dos co-descobridores da estrutura do DNA, diz que a criança não deve ser declarada "humana" até três dias após o nascimento [9].

Há claramente diferenças significativas na maneira que a comunidade científica considera o início da vida. Não há consenso óbvio entre os cientistas sobre quando a vida humana começa. Assim, a ciência pode realmente ajudar-nos a responder a esta pergunta? Talvez a ciência, por sua natureza, não seja capaz de lidar diretamente com este problema. Scott Gilbert, PhD, professor de biologia na Swarthmore College, declara: "Se alguém não crê em uma 'alma', então não precisa acreditar em um momento de infusão da alma. Os momentos de fecundação, gastrulação, neurulação e nascimento, em seguida, são marcos na aquisição gradual do que é ser humano. Enquanto um pode ter uma crença particular sobre quando o embrião se torna humano, é difícil justificar tal crença exclusivamente pela ciência. [10]"

Se não a ciência, então o que?

Se a ciência não pode nos dar a resposta, então existe um outro lugar ao qual podemos nos voltar? Como cristãos, devemos voltar para a Bíblia, a Palavra de Deus, para ver se há uma solução para este dilema.

Salmo 139:13-16

Talvez a parte mais citada da Escritura sobre este assunto seja Salmos 139:13-16.

Pois possuíste os meus rins; 
cobriste-me no ventre de minha mãe.
Eu te louvarei, porque de um modo assombroso, e tão maravilhoso fui feito; maravilhosas são as tuas obras, 
e a minha alma o sabe muito bem.
Os meus ossos não te foram encobertos, 
quando no oculto fui feito, 
e entretecido nas profundezas da terra.
Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe; 
e no teu livro todas estas coisas foram escritas; 
as quais em continuação foram formadas, 
quando nem ainda uma delas havia.

Aqui lemos sobre Deus conhecendo o salmista enquanto ele estava "ainda informe", enquanto ele estava sendo "feito em segredo", em um lugar invisível aos olhos humanos. Os usos dos pronomes pessoais nesses versos indicam que houve, de fato, uma pessoa presente antes do nascimento. R.C. Sproul observa: 
"A Escritura faz supor uma continuidade da vida, desde antes da época de nascimento para após o momento do nascimento. A mesma linguagem e os mesmos pronomes pessoais são usados indiscriminadamente para ambas as fases [11]."

Jeremias 1:4-5

Assim veio a mim a palavra do Senhor, dizendo:
"Antes que te formasse no ventre te conheci, 
e antes que saísses da madre, te santifiquei; 
às nações te dei por profeta."

Aqui Deus diz a Jeremias que ele foi separado antes de ele nascer. Isto indicaria que havia pessoalidade presente antes do nascimento de Jeremias. O versículo mesmo indica que Deus considerou Jeremias uma pessoa e que ele era conhecido antes de ser formado. Sproul aponta: "Mesmo aqueles que não concordam que a vida começa antes do nascimento admitem que haja continuidade entre uma criança que é concebida e uma criança que nasce. Cada criança tem um passado antes do nascimento. A questão é esta: Era esse passado pessoal, ou era impessoal com a pessoalidade começando apenas no nascimento? [12]"

Salmo 51:5

Este verso é freqüentemente usado para afirmar que a vida humana começa no momento da concepção. Lê-se:

Eis que em iniquidade fui formado, 
e em pecado me concebeu minha mãe.

A interpretação mais frequentemente ouvida dessa passagem é que o autor, Davi, vê que ele era pecador, mesmo na época em que foi concebido. Se ele não era uma pessoa, então segue-se que ele não poderia ter uma natureza humana pecaminosa naquele momento. Uma massa de células pré-humana não poderia ter qualquer base para a moralidade. Apenas a "humanidade" que ocorre no momento da concepção permitiria Davi possuir uma natureza pecaminosa naquele momento.

A vida antes do nascimento

Estas Escrituras revelam que há pessoalidade antes do nascimento. A natureza pessoal das referências na Bíblia mostra como Deus vê o nascituro. Outro texto freqüentemente usado para provar a humanidade do feto é encontrado no primeiro capítulo de Lucas:

E, naqueles dias, levantando-se Maria, foi apressada às montanhas, a uma cidade de Judá, E entrou em casa de Zacarias, e saudou a Isabel. E aconteceu que, ao ouvir Isabel a saudação de Maria, a criancinha saltou no seu ventre; e Isabel foi cheia do Espírito Santo. E exclamou com grande voz, e disse: Bendita és tu entre as mulheres, e bendito o fruto do teu ventre. E de onde me provém isto a mim, que venha visitar-me a mãe do meu Senhor? Pois eis que, ao chegar aos meus ouvidos a voz da tua saudação, a criancinha saltou de alegria no meu ventre. (Lucas 1:39-44)

Lemos nessa passagem sobre uma reunião entre Maria (mãe de Jesus) e Isabel, sua prima (a mãe de João Batista). Aqui Isabel descreve a vida em seu ventre como "o bebê". A Inspirada Palavra de Deus relata o relato de Isabel que João "saltou" no útero por causa da presença de Jesus. Alguns tentam desencorajar este episódio como um milagre, alegando que não se relacionam com a personalidade do nascituro. No entanto, a Palavra de Deus descreve este nascituro como capaz de exibir alegria na presença de seu Salvador.

Os não-nascidos tem Menor Valor?

Êxodo 21 tem sido apresentado por alguns para sugerir que o próprio Deus afirma que a vida de um nascituro é menos valiosa do que a vida de um adulto.

Se alguns homens pelejarem, e um ferir uma mulher grávida, e for causa de que aborte, porém não havendo outro dano, certamente será multado, conforme o que lhe impuser o marido da mulher, e julgarem os juízes. Mas se houver morte, então darás vida por vida, Olho por olho, dente por dente, mão por mão, pé por pé, (Êxodo 21:22-24)

Este versículo dá instruções para lidar com uma situação em que dois homens estão lutando e eles acidentalmente prejudicam uma mulher grávida. Duas circunstâncias são notadas aqui. A primeira situação é quando a mulher dá à luz prematuramente e "nenhum dano ocorre". A interpretação comum afirma que aqui a criança é perdida devido a um parto prematuro, e que a própria mulher não sofre uma lesão grave. Aqui, a pena é de multa de algum tipo para compensar a perda da criança.

A segunda circunstância é "se resultar dano". Aqui, a interpretação comum é que é a mulher dá à luz prematuramente, a criança morre, e a própria mulher morre. Aqui, a pena é de vida para a vida. Argumenta-se que uma vez que existe apenas uma multa imposta na primeira circunstância pela perda do filho prematuro somente, enquanto a pena de morte é aplicada para a perda da mãe, o nascituro é menos valioso do que um adulto. Assim, o não nascido não precisa ser considerado como tendo alcançado plena humanidade antes do nascimento.

No entanto, após um exame mais detalhado, este tipo de interpretação pode não ser válida. O "dano" indicado nestes versos pode referir-se à criança e não à mãe. Na primeira situação, a mãe dá à luz prematuramente ferido e nenhum "dano" vem para a criança. Em outras palavras, a criança prematura vive. Assim, uma multa é cobrada por causa do nascimento prematuro e o perigo potencial envolvido. Na segunda situação, há um nascimento prematuro e o "dano" que se segue é a morte da criança. Aqui, a pena é de vida por vida. Portanto, a Bíblia não sustenta que a vida do nascituro é menos valiosa do que a vida de um adulto.

John Frame, no livro Ética Médica, diz isto: "Não há nada na Bíblia que mesmo remotamente sugira que o nascituro é nada menos do que uma pessoa humana desde o momento da concepção"[13] (ênfase dele). Aqui, a concepção pretende sugerir o momento da fecundação.

Então, onde estamos?

Um exame puramente científico do desenvolvimento humano desde o momento da fecundação até o nascimento não fornece qualquer método experimental que possa medir humanidade. Estágios de maturação foram descritos e catalogados. Os processos químicos e mudanças no tamanho e forma foram analisados. A atividade elétrica foi monitorada. No entanto, mesmo com esta vasta quantidade de conhecimento, não há consenso entre os cientistas quanto ao local onde, ao longo desta cadeia maravilhosa de eventos, um embrião (ou zigoto, ou feto, ou bebê, dependendo sobre quem se está questionando) torna-se humano.

A ciência, no entanto, revelou o contínuo intrincado desenvolvimento a partir da fecundação, através da maturação, até o nascimento da criança. Cada estágio flui sem problemas para o próximo com uma miríade de mudanças embriológicas detalhadas seguido de crescimento de órgãos e desenvolvimento finamente sintonizado, coreografada com precisão. Quanto mais aprendemos sobre o processo, mais surpreendentemente complexo descobrimos que ele é.

A Vida começa na concepção

Embora a ciência tenha nos mostrado a maravilhoso continuidade do desenvolvimento da vida em todas as suas fases, a ciência tem sido incapaz de definir o início da humanidade. No entanto, existe uma ampla informação nas Escrituras para nós, para determinar a resposta a este problema.

A Bíblia contém numerosas referências à nascituros [14]. Cada vez que a Bíblia fala dos não-nascidos, há referência a uma pessoa real, um ser humano vivo já existente. Estas Escrituras, tomadas no contexto, todas indicam que Deus considera os nascituros como pessoas. A linguagem do texto os descreve continuamente em termos pessoais.

Uma vez que a Bíblia trata essas pessoas ainda por nascer como pessoas reais, e uma vez que o desenvolvimento de uma pessoa é um contínuo com um começo definido no momento da fecundação, o ponto lógico em que uma pessoa começa a ser humana está nesse início. A resposta é que a vida começa na concepção (usando a definição agora mais antiga do termo, aqui como sinônimo de fecundação). Francamente, não há outra conclusão possível a partir da Escritura ou da ciência.

Quais são as implicações desta conclusão? Por que isso é importante? Muito simples, o status do zigoto/embrião/feto é central para muitos problemas enfrentados por nossa sociedade. A questão mais óbvia a esse respeito é o aborto. Se o zigoto é uma vida humana, então o aborto é assassinato. O mesmo pode ser dito das questões que envolvem o debate sobre células estaminais embrionárias. Se o embrião é um ser humano, então destruí-la é assassinato, não importa que motivo supostamente altruísta seja dado como justificativa. A ética da clonagem requer uma consideração do conceito de humanidade e do julgamento de seu início. A aceitação ou rejeição da pílula do dia seguinte por uma pessoa baseia-se na determinação de quando a vida humana começa [15].

Questões complexas não podem ter soluções simples, mas quando examinadas objetivamente, à luz da Palavra de Deus, sem vieses introduzidos por outras motivações, a verdade de Deus irá revelar as respostas corretas. A ciência pode nos dar uma melhor compreensão do mundo que Deus criou, e o que vemos no mundo de Deus vai concordar com a verdade que lemos na Palavra de Deus. Não nos atrevemos a jogar jogos de palavras com a vida humana para justificar agendas pessoais. A Escritura não prevê brechas reais ou cláusulas de escape para nos dar licença a partir do princípio de que Deus criou os seres humanos à Sua própria imagem, os projetou para reproduzir a sua espécie, e enviou Jesus Cristo ao mundo como um ser humano para morrer por todos nós, portanto, demonstrando o amor inestimável nosso Criador tem para cada vida humana.



Traduzido de: https://answersingenesis.org/sanctity-of-life/when-does-life-begin/



  1. A resposta para a pergunta "O que é vida?" está além do escopo deste artigo. Existem vários recursos excelentes que lidam com este tema: James Stambaugh, " ‘Life’ According to the Bible, and the Scientific Evidence,"TJ 6, no. 2 (1992): 98-121, online em www.answersingenesis.org/tj/v6/i2/life.asp; and Jonathan Sarfati, "The Fall: A Cosmic Catastrophe," www.answersingenesis.org/docs2005/0221plant_death.asp.
  2. Este processo, chamado de diferenciação, é o processo pelo qual as células se dividem progressivamente diferentes uma do outra.
  3. O nome da bola de células que se dividem rapidamente continua a mudar à medida que muda de tamanho e forma, com o nome do embrião a ser atribuído a cerca de três semanas após a fecundação. O termo feto é utilizado a partir de cerca da oitava semana de desenvolvimento.
  4. Christian Answers Net, "Does Life Begin Only When the Embryo Implants?" www.christiananswers.net/q-sum/q-life014.html.
  5. Stedman’s Medical Dictionary, 26th edition (Baltimore: Williams & Wilkins, 1995), p. 377.
  6. Stedman’s Medical Dictionary, 27th edition (Baltimore: Williams & Wilkins, 2000), p. 394.
  7. H.J. Morowitz and J.S. Trefil, The Facts of Life: Science and the Abortion Controversy (New York: Oxford University Press, 1992).
  8. Scott Gilbert, "When Does Human Life Begin?" Developmental Biology 8e Online, 8e.devbio.com/article.php?ch=21&id=7.
  9. Mark Blocher, Vital Signs (Chicago, IL: Moody Press, 1992), p. 91.
  10. Gilbert, "When Does Human Life Begin?"
  11. R.C. Sproul, Abortion: A Rational Look at an Emotional Issue (Colorado Springs, CO: NavPress, 1990), p. 53-54.
  12. Ibid., p. 55.
  13. John Frame, Medical Ethics (Phillipsburg, NJ: Presbyterian and Reformed Publishing Company, 1988), p. 95.
  14. See also Genesis 25:21-23; Isaiah 45.
  15. David Menton, "Plan B: Over-the-Counter Abortion?" Answers in Genesis,www.answersingenesis.org/articles/am/v2/n1/plan-b.


Ver o artigo ou a parte seguinte Ver o artigo ou a parte anterior Ver a página principal
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...